MAN usa apenas 30% da capacidade




Nos bons tempos, como define o presidente da MAN Latin America, Roberto Cortes, a fábrica de Resende (RJ) chegou a produzir 83 mil caminhões e ônibus. Era 2011 e a unidade operava em três turnos de trabalho, os funcionários faziam horas extras e férias coletivas foram suspensas.

Depois, veio a crise econômica, demissões e jornadas reduzidas. Em 2016 foram feitos 19,3 mil veículos. No ano passado, com a melhora do mercado e as exportações em alta, a produção atingiu 26 mil veículos em um turno de trabalho. “Usamos apenas 30% de nossa capacidade”, diz Cortes. Mesma situação tem toda a indústria de veículos pesados, depois que as vendas caíram de 203 mil unidades em 2011 para pouco menos de 60 mil em 2016.

​No ano passado, com o início da recuperação, o setor vendeu 61,9 mil veículos, das quais 16,3 mil da MAN, dona da marca Volkswagen. Para este ano, a empresa prevê produção de 30 mil veículos, boa parte também para o mercado externo.

LEIA MAIS  MaisAtivo Intermediações promove leilão de veículos da Usina Colombo

Os 3,5 mil funcionários do complexo que inclui empresas de autopeças estão fazendo uma hora extra diária e trabalhando aos sábados. “Se o mercado melhorar ainda mais e a produção chegar a 35 mil unidades, teremos de reabrir um segundo turno e talvez contratar mais funcionários”, diz Cortes, que já abriu 300 novas vagas neste ano. “Sentimos que a recuperação veio para ficar”, afirma o executivo. “Clientes que costumavam trocar a frota a cada dois ou três anos, mas não compram há quatro ou cinco anos por causa da crise agora estão voltando.”

LEIA MAIS  Nikola Motor Company investe no desenvolvimento de células de hidrogênio

Fonte: Estadão




Deixe sua opinião sobre o assunto!