Trabalhadores da Ford aprovam acordo de estabilidade de emprego até 2019




Os trabalhadores na Ford em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, aprovaram nesta quinta-feira (19) um acordo para estabilidade no emprego até novembro de 2019.

A unidade possui 3.200 funcionários e produz o Fiesta, além de caminhões das linhas Cargo e Série F.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC reclama que a montadora não tem investido na fábrica. Os projetos de carros mais recentes, do Novo Ka, Ka Sedan e da reestilização do EcoSport, por exemplo, ficaram com a unidade de Camaçari (BA).

“O acordo tranquiliza os trabalhadores, mas não o sindicato. Pautamos a estabilidade justamente porque não há o investimento em novos produtos. Caso a empresa nos comunique este investimento, voltaremos para as negociações. Queremos ter produção no ABC por muitos anos e precisamos construir esta negociação”, explicou o coordenador da representação sindical na empresa, José Quixabeira de Anchieta.

LEIA MAIS  Rodoviário Monte Sereno tem 10 vagas para motoristas carreteiros em Santa Catarina

Segundo a entidade, caso haja novos investimentos na unidade, o acordo poderá ser revisto.

A convenção prevê ainda reposição da inflação na data-base da categoria (1º de setembro), o pagamento da PLR (Participação dos Lucros e Resultados) corrigida pelo do INPC e a antecipação para fevereiro 2019 do pagamento da primeira parcela do 13º salário daquele ano.

Após um ajuste de mão de obra, que ainda será realizado pela fábrica, os trabalhadores da área administrativa (mensalistas) também serão contemplados pelo acordo de estabilidade.

Volkswagen

A Volkswagen também tem acordos de estabilidade com funcionários. Em São Bernardo do Campo, na fábrica da Anchieta, o pacto garante os empregos até 2021 desde que assegurado um volume de produção de 120 mil unidades no ano. Recentemente, a unidade abriu o terceiro turbo e está perto da capacidade máxima.

LEIA MAIS  Novo caminhão Ford é o International Truck of the Year 2019

Há um acordo semelhante em São José dos Pinhais (PR). Em Taubaté, a estabilidade é até 2022, também condicionada a meta de produção.

Fonte: G1




Deixe sua opinião sobre o assunto!