Caminhoneiros protestam em Santos contra aumento do óleo diesel




Os caminhoneiros da Baixada Santista realizam, desde às 6h20 desta quarta-feira (16), manifestação em Santos. Proibida pela Justiça de realizar bloqueios no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), a categoria se reúne na Avenida Engenheiro Augusto Barata, a cerca de 500 metros do viaduto da Alemoa, fim do trecho de concessão da concessionária Ecovias.

Inicialmente a ideia do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista (Sindicam) era bloquear a Via Anchieta no Km 64, principal acesso ao Porto de Santos. Como estão proibidos de paralisar o tráfego de veículos no SAI, os manifestantes orientam os caminhoneiros a não seguir viagem.

O protesto é contra o aumento semanal do óleo diesel, cobrança dos eixos erguidos nos pedágios e dos valores dos fretes para a Capital. A categoria reivindica ainda aumento do frete e melhorias dos locais de parada.

LEIA MAIS  Mercedes-Benz contrata 150 funcionários para fábrica em Minas Gerais

Detenção

Três manifestantes, não reconhecidos pelo Sindicam como pertencentes à categoria, avançaram no trecho de concessão da Ecovias para tentar convencer alguns caminhoneiros que se dirigiam aos terminais a participarem da manifestação.

O trio recebeu voz de prisão por desobediência de determinação judicial e foi encaminhado ao 5º DP da Cidade.

Bloqueio proibido

O juiz Dario Gayoso Júnior, da 8ª Vara Cível de Santos, expediu liminar na terça-feira (15) para restringir a ação de manifestantes que pretendiam bloquear parcialmente os principais acessos ao Porto. Em caso de desobediência, o Sindicam estará sujeito a multa de R$ 300 mil por hora.

Na decisão, solicitada pela Ecovias, o magistrado proíbe os manifestantes de se aproximar a menos de 500 metros “dos bens, viadutos e das rodovias que integram o Sistema Anchieta-Imigrantes, bem como suas praças de pedágio, especialmente no Viaduto [da] Alemoa”.

LEIA MAIS  Conselho da VW prepara medidas para abertura de capital do setor de caminhões

“O direito de manifestação pacífica é assegurado, mas até na medida em que não interfere na segurança e no direito dos usuários das rodovias”, escreveu o juiz. “Está presente o fundado receio, caracterizado pela possibilidade de ocorrência de acidentes, depredação de bens e prática de atos de violência inclusive contra pessoas”.

Fonte: A Tribuna




3 comentários em “Caminhoneiros protestam em Santos contra aumento do óleo diesel

  • 18/05/2018 em 12:48
    Permalink

    SAO UMA CORJA OS VAGABUNDOS DO MST, E DEMAIS CRIA DO PT PARA ELES NÃO EXISTEM LEIS, ACAMPAM TRANCAM TUDO E NANTEM LEI, MAS NOS LUTANDO PELO BEM DE TODOS SOMOS CHAMADO DE VAGABUNDOS BADERNEIROS

    Resposta
  • 17/05/2018 em 20:39
    Permalink

    Acho engraçado esses juízes que expedem essaa restrição de paralização ou greve de Caminhao nas rodovias alegando dirwitd de ir e vir da ppppopula transtorno no trânsito risco de acidente,mas quando se trata de sem terras sem tetos indígenas ou qualquer outro protesto que fecham as rodovias Ou Brs eles nada fazem e nna polícia conseguem tira-los da BR pois eles tem apoio do governo da sociedade e dos órgãos públicos, enquanto o caminhão que é a maior força de transporte desse país não tem ninguém capaz de apoiar e né um deputado ou senador capaz de olhar por nós caminhoneiros guerreiros e trabalhadores que movimenta esse país enquanto o governo nos rouba com os altos preços do diesel.

    Resposta
  • 16/05/2018 em 14:05
    Permalink

    Entra governo e sai governo e nada muda em benefício do caminhoneiro autônomo não tem nenhum interesse por parte do governo em melhorar a qualidade de vida do caminhoneiro!!!

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!