Mães e caminhoneiras




Acordar cedo, fazer o café, cuidar dos filhos e do lar. Cumprir tudo isso – às vezes ao mesmo tempo – parece ser bem trabalhoso, mas é o dia a dia vivido por boa parte das mães em todo o mundo. Porém há algumas exceções. Existem mães que se dedicam à outro tipo de missão: dirigir caminhões. Corajosas e determinadas, elas provam que a paixão pela profissão e a família pode existir sem problema algum.

Rosangela Gomes, Edisia Ramos e Sheila Bellaver possuem três coisas em comum. São mulheres, mães e caminhoneiras. Cada uma com sua peculiaridade. Rosângela, 46, trabalha dirigindo caminhões há 10 anos. Ela acorda às 4h da manhã de segunda a sexta-feira, e costuma fazer viagens para entregar cargas no interior de Pernambuco.

Apesar da distância, ela não deixa de dar atenção à filha Luanna Nascimento, 24. “Estamos sempre juntas, seja fisicamente ou por meio de recursos tecnológicos. Costumamos nos reunir aos fins de semana para compartilharmos nossas experiências do dia a dia. As vezes eu me considero chata por ligar constantemente para saber como ela está. Os filhos podem até envelhecer, mas sempre serão nossos eternos bebês”, completa.

LEIA MAIS  PRF no Pará deflagra operação de combate ao excesso de peso na BR-316

Para ser mãe, nem sempre é necessário ser de sangue. Edizia Ramos, 41, faz jus a isso. A mulher, que trabalha como caminhoneira há seis anos, tem o maior apego com o seu afilhado Júlio Cesar, de um ano e oito meses. Ela conta que o pequeno garoto já demonstra sinais de que pretende seguir a mesma profissão. “Quando me vê, ele já aponta para a chave do caminhão. Quero ser sempre uma madrinha presente. Quero que essa paixão seja repassada de geração para geração”, relata emotiva.

A gaúcha Sheila Bellaver, 35, tem quatro filhos. Ela é caminhoneira há oito anos, e conta que ser mãe e motorista de caminhão é um desafio que muitas não têm a coragem de encarar. “Estamos sempre longe, então acabamos perdendo momentos únicos como o crescimento e a vida dos nossos filhos. Após me tornar caminhoneira, aprendi a aproveitar cada vez mais o tempo quando estou com eles”, complementa.

Dirigindo uma Scania, a gaúcha viaja para diversas partes do Brasil, e já chegou a passar 60 dias fora de casa. O tempo longe do lar pode até ser grande, mas ela procura manter o vínculo familiar sempre que pode. “Quando estaciono, faço contato com todos através de ligação. Uma vez ou outra, quando não posso, mando mensagens nas redes sociais. Claro que não é a mesma coisa que fisicamente, onde posso abraçá-los, mas ainda sim consigo matar um pouco a saudade”, conta em um tom de esperança.

LEIA MAIS  Volkswagen Caminhões e Ônibus expande sua rede internacional

Cerca de vinte dias antes de dar a luz ao seu filho mais novo, Sheila ainda estava pegando a estrada. O amor pela profissão era tão grande que ela não deu um descanso nem após ter o bebê. “Com apenas oito dias de nascido ele viajou comigo e meu marido. Nossa idéia era conseguir manter o bebê na estrada, mas vimos que não dávamos conta de cuidar dele e do caminhão ao mesmo tempo”, diz.

Por conta da profissão, é comum que datas comemorativas sejam perdidas. Sheila conta que, após seguir esta carreira, o caminhão passou a ser a vida dela. “O veículo me dá uma sensação de liberdade, mas é uma liberdade que ao mesmo tempo me prende. Gasto a maior parte do meu tempo aqui. Virou minha casa oficial”, finaliza emocionada.

Fonte: Diário de Pernambuco




3 comentários em “Mães e caminhoneiras

  • 13/05/2018 em 15:06
    Permalink

    Maravilhoso minha esposa também é caminhoneira e tenho muito orgulho dela

    Resposta
  • 13/05/2018 em 08:07
    Permalink

    Parabéns a todas elas, e que Deus continue abençoando e iluminando em todas as suas viagens. Um forte abraço a todas as mães caminhoneiras do nosso Brasil !!

    Resposta
    • 13/05/2018 em 22:56
      Permalink

      Muito obrigada também sou caminhoneira e Amo minha profissão

      Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!