Ao STF, AGU diz que tabela do frete corrige distorção no setor




Na contramão do Ministério da Fazenda, a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a defesa da política de preços mínimos para o transporte de carga no Brasil. Em mais de 50 páginas, o órgão, que tem por obrigação defender atos do Executivo, listou os problemas causados pela greve dos caminhoneiros aos brasileiros para justificar o caráter urgente da MP. A AGU alega ainda que o tabelamento do frete foi adotado porque existe no país um descasamento entre a oferta do serviço (gerado pelo excesso de caminhões, resultado de uma política de subsídios para a compra de veículos) e a demanda. Isso, segundo o órgão, faz com que os preços fiquem abaixo do custo.

A manifestação da área técnica foi enviada ao ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que é relator de três ações que questionam a medida, e pediu ao governo que se posicionasse sobre o assunto antes de decidir sobre ações que foram protocoladas na Corte contra a MP do tabelamento.

“A MP visa a corrigir grave distorção no setor, prejudicial aos caminhoneiros, com a constatação de aumento gradual de custos e redução nos valores dos fretes, além de retomar anormalidade no abastecimento e escoamento da produção pelo eixo rodoviário”, argumenta a AGU, que reuniu pareceres do Ministério dos Transportes e da Casa Civil, aconselhando o presidente Michel Temer a adotar a medida.

A AGU argumenta ainda que a suspensão do tabelamento do frete representa risco ao interesse público. O governo já detectou ameaças de uma nova paralisação dos caminhoneiros, caso a política de preços mínimos não vingue.

Na manifestação, o órgão afirma ainda que a ordem econômica é fundada “na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, e tem por fim assegurar a todos a existência digna, conforme os ditames da justiça social”, diz a AGU.

Fazenda é contra a medida

Também nesta sexta-feira, a área técnica do Ministério da Fazenda enviou um parecer para o STF, contrário ao tabelamento. Embora a medida provisória tenha sido negociada pelo Palácio do Planalto e pelos ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e do Planejamento, Esteves Colnago, com os caminhoneiros para acabar com a greve da categoria, a avaliação interna é de que essa é uma ação anticoncorrencial e desfavorável ao ambiente de negócios.

O documento da Fazenda, emitido pela Secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência, afirma que a MP foi emitida “em meio a uma crise de abastecimento sem precedentes, sob alegações de possível locaute (participação de empresas na greve dos caminhoneiros) e cartelização”.

O parecer conclui que a adoção do tabelamento do frete em um setor em que os preços são liberados, sem cálculos dos impactos da medida, não vai assegurar justiça social:

“Ao reintroduzir o tabelamento em setor aberto à livre concorrência sem a devida análise do impacto que medida terá sobre os demais mercados e, em última análise, sobre o consumidor, não conseguirá assegurar, conforme propôs, a existência digna, conforme os ditames da justiça social”, conclui a secretaria.

Fonte: O Globo




Um comentário em “Ao STF, AGU diz que tabela do frete corrige distorção no setor

  • 17/06/2018 em 10:26
    Permalink

    mas que pena minha gente me parece que esses politicos não entenderam o recado mesmo povo brasileiro analizem bem éssa situação tudo o que o caminhoneiro compra ten seu preço tabelado desde o peneu até um parafuzinho de fenda eporque o frete tem que deixar livre para para éssa cambada pagar quanto eles querem livre negociação é uma pinoia
    acabei de acreditar que o trabalho escravo nunca acabou eses ricos sempre fizeran os pobres de gatos e sapatos se aproveitando da precizão dos mais pobres eu acho que é o fin da picada uma esploração vergonhoza de tamanho roubo

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!