Argentina teme greve de caminhoneiros à brasileira




A Argentina teme uma mobilização de caminhoneiros semelhante à que ocorreu no Brasil recentemente. Depois de caminhoneiros autônomos bloquearem algumas das principais vias de acesso a Buenos Aires, o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros, Hugo Moyano, ameaçou convocar uma greve nacional do setor.

Os caminhoneiros autônomos protestaram contra o reajuste de 13,4% no preço de pedágios em março e de 5% no diesel no início do mês. Já Moyano incluiu entre as reivindicações uma renegociação salarial com o governo do presidente Mauricio Macri. Ele alega que o reajuste salarial deve ser de 27%, e não 15%, como acordado anteriormente, dado o aumento da expectativa de inflação. Se não houver resposta do governo até terça-feira, promete paralisação nacional na próxima quinta-feira.

Thomaz Favaro, da consultoria Control Risks, afirma que não é possível separar as agendas dos motoristas de caminhão autônomos da dos sindicalizados. “As agendas têm nuances importantes, mas se complementam”, diz. “O risco de uma paralisação se estender por um período de tempo maior e afetar as cadeias produtivas é real. A relação entre Macri e Moyano vem se deteriorando muito nos últimos meses.”

Moyano, que também preside a Confederação Geral do Trabalho (CGT), a principal central sindical argentina, apoiou Macri na eleição de 2015, mas vem se distanciando do governo. Em fevereiro, ele convocou paralisação contra a reforma da Previdência e o projeto de reforma trabalhista de Macri.

LEIA MAIS  Decisão do Ministro do Luiz Fux acaba com a tabela de fretes

Pablo Knopoff, do Instituto Isonomía, diz que nos últimos 15 anos o poder do Sindicato dos Caminhoneiros cresceu muito, pois parte do transporte de carga antes feito por navios e trens passou aos caminhões. “Num país de agroindústrias, os caminhões são parte vital da economia. Uma paralisação significaria não só problemas de abastecimento de alimentos, mas também de combustível.”

Ao jornal “Clarín”, fontes da Casa Rosada disseram que Moyano busca uma paralisação semelhante à do Brasil para assustar o governo. “Ele quer o fim da suposta perseguição judicial”, afirmou uma fonte sobre a investigação contra Moyano por lavagem de dinheiro.

Mariano Lamothe, diretor da consultoria Abeceb, não crê que a Argentina será palco de uma greve de caminhoneiros como a brasileira. “Será uma paralisação de um ou dois dias, e não algo longo”, disse. Mas ele prevê que os próximos meses serão de agitação sindical e conflito social. “A economia vai mal, e não sabemos o que acontecerá pós-acordo com o FMI”, diz.

Além da redução da previsão de crescimento do PIB de 2,5% para 1,7% neste ano, a expectativa de inflação também mudou. Em janeiro, a previsão era que a inflação encerrasse o ano em 15%. No início da semana, o Banco Central publicou nova estimativa, agora de 27,1%.

LEIA MAIS  Segunda-feira teve protestos de caminhoneiros em algumas rodovias do país

“Não há dúvida de que a briga por renegociação salarial contaminará outros setores”, diz Favaro. “O aumento das expectativas de inflação vai aumentar a pressão para o governo reabrir as negociações salariais, e isso não se limitará ao setor de caminhoneiros.”

Além da ameaça de paralisação feita pelo Sindicato dos Caminhoneiros, a CGT e Central de Trabalhadores da Argentina (CTA, outra central sindical) convocaram uma greve de 24h para a próxima semana, ainda sem uma data definida. O governo chamou a CGT para uma reunião hoje.

“Atravessamos um dos piores momentos econômicos do país, e o acordo com o FMI vai deixar as coisas ainda piores. É uma situação muito débil”, conclui Pablo Micheli, secretário-geral da CTA.

Fonte: Valor




Deixe sua opinião sobre o assunto!