Queda do diesel não chegará a R$ 0,46, conforme acordo com governo federal




As distribuidoras de combustíveis convocaram para esta sexta-feira (1º) uma reunião com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, para discutir a redução de R$ 0,46 nos preços do óleo diesel nas bombas. Leonardo Gadotti, presidente da Plural, entidade que reúne a BR (da Petrobrás), Raízen (joint venture entre Cosan e Shell) e Ipiranga (do Grupo Ultra), disse que não há como o desconto ser integral e teme que os critérios de fiscalização anunciados pelo governo podem “provocar uma guerra” nos postos.

Nos cálculos da Plural, a redução direta nas bombas seria de R$ 0,41, uma vez que o governo não colocou na conta os 10% de mistura de biodiesel que são misturados ao diesel. O argumento da entidade é que o biodiesel não teve os impostos reduzidos.

Outra preocupação das distribuidoras é sobre como a fiscalização para o cumprimento da redução de preços nas bombas vai ser conduzida. “Isto pode criar uma guerra em postos de estradas, provocar um caos, sobretudo em regiões que concentram produção agrícola.”

LEIA MAIS  Empresa desenvolve tecnologia que combate o jammer, utilizado pelos bandidos para roubar e esconder veículos

Fiscalização

O representante do Ministério da Justiça, Claudemir Brito Pereira, anunciou nesta quinta-feira, 31, que a portaria sobre a fiscalização nos postos sairá no Diário Oficial da União e que os órgãos do governo estarão prontos para fazer a vistoria em todo o País. O preço base a ser usado, para comparação, é do dia 21 de maio.

Segundo Gadotti, as distribuidoras fizeram uma força-tarefa para apoiar o governo durante a greve dos caminhoneiros, que afetou o abastecimento em todo o País. A expectativa da entidade era de que 100% carregamentos de combustíveis das distribuidoras até os postos estivessem regularizados até a noite desta quinta.

Outro tema que será colocado em pauta é a reversão da decisão emergencial da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que flexibilizou a mistura de etanol na gasolina (de 27% para 18%) e a do biodiesel no diesel (de 10% para zero) com o objetivo de evitar o desabastecimento. A agência também suspendeu a exigência de que postos de determinadas bandeiras comprem combustíveis de suas respectivas distribuidoras.

LEIA MAIS  Eleições 2018 - Jair Bolsonaro agradece apoio dos caminhoneiros

“Foi uma decisão de caráter emergencial, mas que precisa ser revista. O setor de distribuição é um dos poucos que são organizados e há tempos trabalha para combater a adulteração dos combustíveis e a sonegação de impostos.”

Fonte: Estadão Conteúdo




Um comentário em “Queda do diesel não chegará a R$ 0,46, conforme acordo com governo federal

  • 02/06/2018 em 12:13
    Permalink

    Os governos do PT concederam créditos para incentivar o consumo, inclusive de caminhões. Resultado: excesso de caminhoneiros.
    Naquela época, ma das formas de se conter a inflação devido a tanto crédito na praça foi segurando os aumentos dos combustíveis.
    Então, chegou num ponto que não dava mais – a Petrobrás ficou seriamente endividada, por não conseguir passar os custos adequadamente aos produtos. Com isso, se viu obrigada a fazer reajustes mais frequentes.
    Caminhoneiros, influenciados por donos de transportadoras, resolveram fazer greve reivindicando que o Governo subsidiasse o preço do Diesel.
    Subsídio do governo é algo pago pela população.
    Assim, os caminhoneiros, na incompetência de atuarem de forma liberal, onde vence o melhor e mais barato, acharam que é justo que o povo pague parte do diesel, que é um insumo na sua atividade.
    Esquecem que alguém tem de pagar a conta, e que não será o Governo, entidade que não produz nada.
    Agora eu pergunto: estava na pauta de reivindicações a diminuição do Estado, do número de funcionário públicos vagabundos, de cargos comissionados, de indicação políticas e de privilégios? E a transformação da corrupção em crime hediondo?
    E as 10 Medidas contra a corrupção?
    Ou será que os caminhoneiros achavam que a população iria brigar com eles apenas por subsídios nos combustíveis, para que o Governo tivesse mais desculpas para tirar verbas de programas essenciais, importantes e sociais?

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!