Com escassez recorde de motoristas, indústria de Transportes dos EUA procura condutores não tradicionais




A economia em expansão dos EUA tem um problema: a escassez de motoristas de caminhão. A indústria – historicamente dependente de motoristas brancos e idosos – está enfrentando uma escassez recorde, com cerca de 50.000 motoristas adicionais necessários para atender à demanda, de acordo com as associações americanas de caminhões.

A falta de motoristas está se espalhando pela cadeia de suprimentos, causando um gargalo de mercadorias que está atrasando as entregas e levando algumas empresas a aumentarem os preços. A administração Trump e a indústria estão tentando aliviar o problema afrouxando as regras federais e atraindo condutores não-tradicionais, como mulheres, adolescentes e minorias, para operar grandes plataformas.

Recentemente, o Departamento de Transporte descartou uma série de regulamentações de segurança que lobistas de caminhões alegavam ser responsabilidades desnecessárias, mas que os sindicatos apoiavam, inclusive exigindo que as plataformas fossem equipadas com software limitador de velocidade e que os motoristas fossem examinados para apneia do sono. A medida de limite de velocidade, proposta pelo governo Obama depois de uma década de lobby de defensores da segurança, teria proibido caminhões de trafegar a mais de 90 ou 100 km por hora.

A Casa Branca também está apoiando um programa piloto que permite que motoristas jovens com treinamento militar operem veículos comerciais através das fronteiras estaduais. Embora o programa seja um teste, ele representa uma disposição mais ampla para permitir que motoristas com menos de 21 anos façam entregas interestaduais – algo que as regulamentações federais proíbem.

E, em uma tentativa de recrutar mais motoristas, muitas empresas de caminhões acrescentaram vantagens, incluindo bônus vantajosos e salários mais altos. A escassez vem sendo verificada há algum tempo, já que as gerações mais jovens expressaram menos interesse na indústria e os salários ficaram defasados.

A rotatividade de motoristas também é um problema – em grandes frotas, o volume de negócios subiu para uma taxa anualizada de 95% no ano passado, segundo dados do setor. O salário médio é de cerca de US$ 42,480 mil por ano, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. Embora caminhoneiros autônomos tenham refutado em determinado momento a necessidade de motoristas, os executivos de caminhões dizem que esse dia está muito longe para resolver o problema atual.

À medida que a economia global se fortalecia, a demanda por caminhões para movimentar mercadorias superou a oferta de motoristas, o que fez com que as transportadoras de carga determinassem taxas mais altas e as empresas aumentassem os preços dos produtos, em alguns casos em até 20%. As empresas de alimentos em particular, como a Campbell Soup, a General Mills e a Mondelez International, citaram os custos mais altos com frete como um fator que vem pesando no lucro nos últimos meses.

“Como no setor mais amplo, estamos vendo aumentos acentuados nos custos de insumos, incluindo a inflação no frete e nas commodities”, disse a General Mills em seu relatório de resultados do terceiro trimestre fiscal divulgado em março.

Darren Hawkins, diretor-presidente da YRC Trucking, uma das maiores transportadoras de carga do país, disse que a gravidade da escassez significa que o sucesso na exploração de grupos de candidatos é crucial.

“Há um problema no setor, ou seja, temos que fazer um trabalho melhor para atrair novas pessoas para a ocupação de direção, audiências anteriores que não atingimos”, disse Hawkins. “Neste momento, as associações americanas de caminhões dizem que somos 50 mil motoristas e que esses números continuarão crescendo. Então temos que abrir outras peças”.

O transporte por caminhão já é mais oneroso do que alguns concorrentes da indústria, incluindo varejo, construção e fast food. Além de semanas na escola de caminhões, que pode custar vários milhares de dólares, muitas vezes exige que os motoristas passem longos períodos solitários fora de casa. Mulheres e minorias compõem apenas frações da população total de caminhões: 94% dos motoristas são homens, e dois terços de todos os motoristas são brancos, de acordo com um relatório de 2017 divulgado pela American Trucking Associations.

Enfrentando uma escassez recorde de motoristas, as empresas de caminhões “estão fazendo os ajustes porque precisam”, disse Kevin Reid, fundador da Associação Nacional de Minoria Transportadora.

Fonte: O Globo




4 comentários em “Com escassez recorde de motoristas, indústria de Transportes dos EUA procura condutores não tradicionais

  • 03/08/2018 em 23:24
    Permalink

    porque o Brasil não faz um intercâmbio com os Estados Unidos juntos as transportadoras para fornecer mão de obra brasileira, uma vez que em nosso país o desemprego não para de crescer.

    Resposta
  • 31/07/2018 em 10:29
    Permalink

    Bom dia eu gostaria de trabalhar la seria uma boa idéia se o Donald tranp deixar kkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 30/07/2018 em 20:08
    Permalink

    boa noite sobre esse assunto da falta de motorista nos estados unidos seria tão facil se o governo liberasse a entrada de imigrantes principalmente brasileiros pois aqui é diferente motoristas não estão conseguindo trabalho na area como motoristas e já nos EUA a falta de mão de obra é muito grande eu garanto que se o governo americano facilitasse a entrada de motoristas brasileiros no seu pais com certeza ia ajudar bastante tanto os americanos quanto nos motoristas brasileiro que procuramos por uma oportunidade de trabalhar fora do Brasil…..

    Resposta
  • 30/07/2018 em 19:09
    Permalink

    Uai me leva pra lá ué eu estou desempregado aqui no Brasil e vou com todo prazer pra lá e não volto nunca mais nein pra passear kkkkkkkkkk me leva ué.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!