Contra tabela do frete, agricultores se articulam para comprar caminhões




Diante da possibilidade de arcarem sozinhos com a maior parte do aumento de custos imposto pela tabela de fretes do governo, agricultores e cooperativas começam a discutir a alternativa de investir em frota própria de caminhões.

“Estão empurrando o mercado para esse lado. Se continuar assim, o produtor vai começar a comprar caminhões. As grandes cooperativas e os grandes produtores já têm um pouco de frota. No final, quem vai pegar o frete tabelado são as transportadoras que estão mais organizadas. O autônomo sairá prejudicado”, avalia Juliano Schmaedecke, produtor de Sidrolância, no Mato Grosso do Sul.

No Paraná, a ideia de alguns agricultores é formar uma “cooperativa de transportes” para administrar frota própria, algo que já acontece na maior cooperativa do País, a Coamo, de Campo Mourão. “Com esses preços, não é bom negócio ficar na mão de terceirizados”, diz Márcio Bonesi, presidente da Associação dos Produtores de Soja do Paraná (Aprosoja-PR), de Goioerê, no Noroeste do estado.

Uma nota técnica de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG), também projeta este desdobramento negativo que a tabela pode ter para os próprios caminhoneiros. “No médio prazo, com o aumento dos preços de fretes em decorrência do tabelamento, os embarcadores (donos da carga) poderão investir na aquisição de veículos para realizar as suas operações de transporte, contribuindo para reduzir a demanda de serviços de transporte terceirizados”, aponta Thiago Guilherme Péra.

LEIA MAIS  PRF autua caminhoneiros que portavam rebites em caminhões

O setor produtivo, tanto as Aprosojas como a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária, entendem que uma eventual tabela deveria servir apenas como referência, não obrigatória, regulada pela oferta e demanda.

O principal impasse que a tabela criou está no frete de retorno dos caminhões que levam grãos para os portos. Até aqui havia descontos significativos no frete de volta, geralmente com caminhões carregados com produtos de baixo valor agregado, como calcário e fertilizantes. Com a tabela, os transportadores têm exigido o preço cheio.

O estudo da ESALQ-LOG alerta que o custo adicional da tabela acabará chegando ao consumidor final, contribuindo diretamente para a alta dos preços de alimentos e produtos. De imediato, quem pagará pelo encarecimento de insumos, como fertilizantes, é o produtor rural, podendo haver redução na produção de alimentos já na próxima safra. “A redução da oferta na produção de grãos pode gerar uma situação de rearranjo comercial interno em muitas regiões do país, com consequente aumento de preços, o que acaba desencadeando um efeito cascata de repasse ao consumidor final, gerando maior inflação de alimentos”, ressalta José Vicente Caixeta Filho, também da ESALQ-LOG.

Mercado travado

Enquanto a Medida Provisória da tabela de frete é discutida no Congresso Nacional, tanto o transporte como a comercialização de produtos agrícolas seguem em ritmo lento. “Na minha região, muitos produtores que negociaram a soja antes da tabela do frete continuam sem conseguir tirar o produtor para abrir espaço para o milho”, diz o produtor Márcio Bonesi. Segundo ele, quando os transportadores aceitam dar desconto, já avisam que, confirmada a tabela do frete, irão à Justiça pedir o pagamento da diferença.

LEIA MAIS  Scania anuncia chegada de novo modelo P com 220 cavalos

No Norte do País, os produtores têm conseguido negociar descontos no frete com os transportadores. Para José Carlos OIiveira de Paula, de Balsas, no Maranhão, a maior preocupação está na comercialização. “De cada 10 empresas compradoras, só uma está comprando soja no mercado futuro porque não existe uma definição dos custos, principalmente do frete. O produtor quer comprar adubo e travar o preço da soja dele, mas os negócios estão parados”, diz Oliveira de Paula.

O produtor de Balsas aponta que, na região do Matopiba, cerca de 20% dos agricultores operam com caminhões próprios. Ele não acredita, no entanto, que a alternativa seja aumentar essas frotas: “já tem muito caminhão no mercado”.

As negociações em Brasília entre governo, parlamentares, representantes dos produtores rurais e caminhoneiros têm sido difíceis. “Ao tentar conversar com os líderes dos caminhoneiros eles só falam em parar e fazer greve de novo. O agronegócio já está parado, sem escoar suas safras e sem receber fertilizantes. A população ficou com a alta de combustíveis, dos alimentos e do gás. Vamos ver se a população vai apoiar outra paralisação”, questiona Bonesi.

Fonte: Gazeta do Povo




40 comentários em “Contra tabela do frete, agricultores se articulam para comprar caminhões

  • 15/07/2018 em 13:31
    Permalink

    É só a antt exige do produtor que o caminhão seja placa Branca, transporta So produto deles, ai vai ser So da lavoura até o armazém.

    Resposta
  • 12/07/2018 em 17:47
    Permalink

    vão compra nada fazendero que tinha caminhão deu graça se ve livre venderan tudo pra se ver livre dos pipinos vão ter que pagar iss do frete igual e um bom salario para o motorista trabalhar 8 hóras por dia se não quizer se complica do grande

    Resposta
  • 10/07/2018 em 11:31
    Permalink

    De cara se percebe que falam muita bobagem pois quando perceberem o custo de ter caminhao contratar motoristas so durante a safra os encargos ou sera que o dono da fazenda que vai dirigir dia e noite pra levar a carga ate o porto?

    Resposta
  • 08/07/2018 em 14:14
    Permalink

    as televizão falan todo dia que tudo o que acontece agora é a cauza da greve dos caminhoneiros verdade porque o caminhoneiro ajuda a pagar as currupção tudo as mordomias dos governantes ten que transportar todos os material de construção paranos trasporta tudo o que a agricultura produs em nosso brasil transporta o oleo diesel que leva nossos filhos pra aula a gzolina que uzamos o gas que cozinha os alimento que transportamos o remedio que tomamos os cadernos que noços filhos uzan nas escolas sen contar que ficamos até mezes fora de cazas sem ver nossos filhos crecer trabalhamos 18 / 20horas por dia para nossos filhos não passar necidade comemos mal dormimos mal e ainda em muintas emprezas somos discriminados porque samos caminhoneiros sen contar as vezes que passamos pela sombra da mórte e se voltamos vivos para a caza ver nóssa familia que esta sempre esperando a nossa vizitinha rápida

    Resposta
  • 08/07/2018 em 07:42
    Permalink

    Isso é só conversa fiada ninguém vai comprar e nen conseguir puchar sosinho isto é só pra quem ama está esta vida pois ela é muito dificil o que ninguém tem coragem de falar e é que o produtor já a muitos anos paga o frete certo porém fica na mão de Trend e grandes trasportadora então agora vai para mão de quem realmente merece é que é do ramo sabe que tenho razão

    Resposta
  • 07/07/2018 em 23:33
    Permalink

    Boa noite eu sei ta difícil pra todos a tabela não sair eles ja devia banir o frete retor eles acham que o nosso caminhão e empilhadeira muitas das vezes o retorno não da pra chegar em casa de volta ai você o dinheiro do frete de ida isso tem que acabar
    Se fizeram isso já melhora pra nos caminhoneiros ja passamos nossa vida na estrada ainda não nos valorizam ninguém quer fazer. Paralizaçao queremos trabalhar e receber o justo depois fácil fazer reportagem o o caminhão pneus ruim. Veículos em mal condição descupa tai alguma s coisa que eu penso.

    Resposta
  • 07/07/2018 em 18:52
    Permalink

    Acredito que eles comprem mas pagar não, quem vai pagar somos nós brasileiros que fazemos o BNDS, más viu deixar de ser autônomo com o maior prazer virar motorista deles, com as leis trabalhistas vigentes, não podemos trabalhar + de 08:00 não podemos fazer função dupla, vamos fazer eles vender as fazendas, o unico judiciário quê funciona e o trabalhista.

    Resposta
  • 07/07/2018 em 17:27
    Permalink

    Boa noite eles compram com financiamento rural que é praticamente sem juros,favorecem de aumento de patrimônio as custas do governo,se não der certo não pagam, como não pagam quando a safra não atinge o que eles querem, tudo subsidiado pelo governo, melhor ekes comprarem caminhões, do que pagarmos para trabalhar, os bilionários do agronegócio só querem ganhar as custas do governo

    Resposta
  • 07/07/2018 em 16:31
    Permalink

    quando nao houver carga eles vao deixar seus motirista fazerem outros fretes para bancar os custos de salario e manutencao dos brutos creio que isso seja papo.

    Resposta
  • 07/07/2018 em 16:29
    Permalink

    so papo o custo de aquisicao manutencao e motorista saira mais caro que o frete.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!