Um mês após fim da greve, desconto no diesel ainda não chegou a R$ 0,46




Quase um mês após o fim da greve dos caminhoneiros, a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel, prometida pelo governo aos caminhoneiros, ainda não se tornou realidade.

O preço médio do diesel praticado no país foi de R$ 3,389 na semana compreendida entre os dias 24 e 30 de junho, informou a ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) na noite desta sexta-feira (29).

O desconto no preço do combustível ficou em R$ 0,399 por litro na comparação com o preço praticado na semana do dia 21 de maio (R$ 3,788), data usada como referência no acordo entre o governo e os caminhoneiros.

Em comparação à semana passada (17 a 23 de junho), o preço médio do diesel no país nesta semana caiu apenas R$ 0,008.

LEIA MAIS  Caminhoneiro terá linha de crédito para manutenção do veículo e compra de pneus

Nenhum estado registrou desconto de R$ 0,46

Os números da ANP por estado também mostram que o desconto de R$ 0,46 em relação ao preço do diesel em 21 de maio ainda não está sendo praticado plenamente.

A melhor situação é no Amapá, onde o desconto médio chegou a R$ 0,451, seguido pelo Distrito Federal (R$ 0,4420), Roraima (R$ 0,4420), São Paulo (R$ 0,4260) e Paraná (R$ 0,4210).

Alagoas (R$ 0,2440), Pernambuco (R$ 0,3300), Paraíba (R$ 0,3380) e Rondônia (R$ 0,3380) são os estados onde a redução no preço ainda está bem longe do valor prometido pelo governo.

Medida provisória prometia R$ 0,46 de desconto

Em 31 de maio passou a valer a medida provisória editada às pressas pelo presidente Michel Temer para garantir a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel nas refinarias, com base no preço praticado nos postos antes do início da greve dos caminhoneiros, em 21 de maio.

LEIA MAIS  Representantes que não representam tentam ganhar notoriedade usando os caminhoneiros

A diferença de preço será bancada pelo governo graças a um remanejamento do orçamento que incluiu aumento de impostos e a retirada de benefícios de outras áreas.

Empresários do setor, porém, chegaram a afirmar que a redução máxima viável nos postos é menor, de R$ 0,41, já que, diferente do diesel bruto que sai da refinaria, aquele que chega às bombas para ser vendido ao consumidor deve ter, por lei, uma diluição de 10% de biodiesel, produto que não recebeu reduções ou subsídios em meio à crise.

Fonte: UOL




Deixe sua opinião sobre o assunto!