A distância que não encurta nunca




Sair de casa, ficar dias na estrada e ter apenas a companhia da saudade dos filhos e família. Esta é uma rotina enfrentada frequentemente por caminhoneiros que percorrem grandes distâncias e passam muitos dias longe de casa.

A tecnologia pode até ter contribuído para diminuir esta distância, mas não substitui o dia a dia de convivência entre pais caminhoneiros e seus filhos. “Chega arrepiar”, diz emocionado Walter José Kowalski, caminhoneiro que mora em Erechim, ao falar do dia a dia distante da família.

“Dá muita saudade, não poder estar presente em datas importantes, como aniversários, formaturas, é algo que bate forte”, acrescenta José Zick. “A gente tenta de alguma maneira compensar a distância vivida fora de casa, quando se chega de uma viagem”, amplia Jandir José Festugatto.

LEIA MAIS  O risco de se rodar com carreta tanque parcialmente cheia

Os três são erechinenses, caminhoneiros, estão há mais de 25 anos na estrada e são pais. Para eles, a data a ser celebrada no próximo domingo (Dia dos Pais), é algo que emociona. Ao falarem com a reportagem, ficava evidente em cada resposta, que ter passado tantos anos longe dos filhos e da família, devido as longas viagens, se tornou uma lacuna.

“Uma coisa que parece estranha, mas que as vezes acontece, é que parece que ainda vemos nossos filhos como crianças, adolescentes. Acredito que seja a vontade de ter estado mais presentes”, diz Zick.

A distância entre Festugatto e um dos filhos é um pouco menor, porque Giuliano, seu filho, também decidiu seguir a carreira de caminhoneiro. Kowalski optou por fazer viagens mais curtas, o que garante uma certa presença maior em casa. Mesmo assim, ele diz que a mãe, nestes casos acaba assumindo também o papel de pai. “É ela quem está no dia a dia dos filhos, auxilia nos ensinamentos, então também é pai”, frisa.

LEIA MAIS  Carlos Ayala assume a presidência da DAF Caminhões Brasil

Os três caminhoneiros destacam também, que embora a distância maior, a profissão de caminhoneiro é aprovada pelos filhos e familiares.

Ser pai significou para ambos também, ter um cuidado a mais na estrada. “O nosso dia a dia é muito perigoso. Claro que ter a responsabilidade de ser pai faz com que tenhamos um cuidado redobrado para evitar acidentes e outras situações ruins”, pondera Zick.

Fonte: Jornal Bom Dia




Deixe sua opinião sobre o assunto!