Excesso de peso no transporte de cargas aumenta risco de acidentes e mortes nas estradas




Os números mostram que acidentes envolvendo caminhões provocam mais fatalidades. Segundo o Atlas de Acidentalidade no Transporte Brasileiro, eles representam 43% das mortes registradas em 2017. O motivo, como se sabe, é o fato dos veículos serem mais pesados – e no Brasil isso é agravado pela quantidade de caminhões que trafegam pelas rodovias com excesso de peso. “Esse é um problema antigo e grave”, reconhece o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, José da Fonseca Lopes.

O engenheiro mecânico Rubem Penteado de Melo, da TRS Engenharia, que presta consultoria sobre prevenção de acidentes para empresas de transporte de cargas, explica que o excesso de peso torna os veículos instáveis e aumenta o risco de tombamento, principal causa de acidentes com caminhões. Também aumenta o tempo de frenagem e provoca sobrecarga nos freios, podendo causar o seu colapso. Isso põe em risco o próprio motorista do caminhão e todos os demais públicos das rodovias, como condutores e passageiros de veículos leves, motociclistas e pedestres.

Além do risco à vida, acidentes envolvendo caminhões com excesso de peso costumam exigir a chegada de guinchos ou guindastes para remoção – e muitas vezes envolvem ainda a ameaça ou o derramamento de substâncias tóxicas na rodovia, com consequências ruins para o meio ambiente. A interdição da pista acaba prejudicando todos os veículos e causando perda de produtividade para a economia.

Prejuízo para todos

Além disso, segundo o engenheiro Rubem de Melo, caminhões com excesso de peso causam o desgaste prematuro do piso da rodovia, sobretudo em pontes e viadutos. De acordo com estudo técnico da Agência Nacional do Transporte de Carga (NTC), o excesso de carga de 10% aumenta em 46% o desgaste do pavimento e reduz em mais de 30% a sua vida útil. Além de prejuízos materiais e financeiros à estrutura viária, causa buracos que também comprometem a segurança de todos os veículos que trafegam nas rodovias. Melo lembra também que o excesso de peso gera prejuízos aos próprios donos dos caminhões, reduzindo a vida útil de freios, suspensões e pneus, por exemplo.

Evasão fiscal

O excesso de peso muitas vezes está associado também com evasão fiscal pelo fato de que as mercadorias que ultrapassam o limite geralmente não são declaradas na nota fiscal do transportador. A sonegação retira recursos públicos para investimentos em serviços como saúde e educação, além de obras de infraestrutura.

Mas, se causa tantos males, por que esse problema continua tão frequente?

Os especialistas apontam algumas razões. “O excesso de peso é uma forma de concorrência predatória para o próprio setor”, afirma Melo. “O transportador usa o veículo com o dobro da carga para faturar o dobro.” O presidente do Sindicato dos Caminhoneiros concorda que seria melhor para a categoria se todos respeitassem a lei. “Haveria mais viagens para fazer”, afirma Fonseca.

LEIA MAIS  Tecnologia inédita reduz os acidentes fatais nas estradas

Fiscalização

Os dois acreditam que a solução do problema passa pelo fortalecimento da fiscalização. “Não há balanças suficientes nas rodovias e muitas funcionam de forma irregular”, lamenta Fonseca. “Hoje em dia, com as redes sociais, todos sabem quando uma balança está aberta ou fechada.” O engenheiro Melo afirma que a instalação de balanças no país tem aumentado. “Mas não na velocidade necessária”, diz.

A pesquisa Transporte Rodoviário de Carga – Características Estruturais e a Crise Atual, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), chegou à mesma conclusão. De acordo com o trabalho, existem no Brasil cerca de 2,3 milhões de caminhões, sendo que 1,2 milhão pertencem a empresas de transportes e 1,1 milhão a caminhoneiros autônomos. O estudo recomenda a “intensificação da fiscalização do peso dos veículos de carga que trafegam nas rodovias federais, acelerando a implantação de novos postos de pesagem de veículos.”

Novas tecnologias como solução

Segundo os especialistas, essa não é uma solução simples. Uma das dificuldades é o fato de que o sistema de pesagem atual exige inspecionar toda a frota o tempo todo. Uma alternativa mais eficaz consiste em adotar tecnologia de pesagem dos veículos em movimento, na própria rodovia, para fazer a triagem dos caminhões que estão acima do peso – e parar apenas estes para a fiscalização detalhada.

A iniciativa está em estudos na Agência Nacional de Transportes Terrestres, que cuida das rodovias concedidas à iniciativa privada. “Hoje os postos de pesagem da ANTT já operam com balanças que pesam veículos em movimento, com velocidade que variam de 40 a 60 km na balança de seleção e de 5 a 10 km na balança de precisão”, afirma Mauricio Hideo Taminato Ameomo, da Gerência de Fiscalização da Agência. “O projeto de HS-WIM (High Speed Weight in Motion) permitirá que o veículo passe pela balança na velocidade normal de tráfego da via, de 80 km para veículos pesados e velocidades maiores para outros tipos de veículos. A pesagem seletiva em alta velocidade evita a formação de filas nas entradas dos postos de pesagem e permite que o equipamento de pesagem seja instalado na própria via, diminuindo ou, em alguns casos, eliminando a necessidade de construção de uma pista exclusiva para seleção de veículos com redução de velocidade em direção ao posto.”

LEIA MAIS  PRF conclui ações da Operação Proclamação da República

Segundo Ameomo, em um primeiro momento a pesagem em alta velocidade será utilizada para selecionar os veículos, direcionando-os para a fiscalização de precisão. “A intenção é de que, em um breve futuro, a tecnologia de pesagem em alta velocidade consiga atingir índices metrológicos de precisão suficientes para que possa ser utilizada também para uma fiscalização de precisão”, afirma. O sistema já foi testado em laboratório, mas ainda não há nenhuma balança desse tipo em funcionamento no país. A previsão é que a primeira seja instalada no próximo ano, em local ainda não definido.

Distribuição das cargas

Os especialistas lembram que o problema não está apenas no excesso de peso total do caminhão, mas também no sobrepeso em alguns de seus eixos. O engenheiro Melo explica que isso ocorre, principalmente, por falta de um planejamento cuidadoso da ocupação do caminhão. Muitas vezes, segundo ele, os transportadores acabam optando por colocar a maior parte da carga na parte de trás do caminhão, para facilitar a retirada no ponto de destino, sem considerar que esse desequilíbrio provoca excesso de peso em alguns eixos, o que também aumenta o risco de acidentes e o desgaste prematuro tanto do caminhão quanto da rodovia.

Além do rigor na fiscalização, outra medida considerada importante são campanhas de conscientização e educação dos caminhoneiros sobre os riscos que eles próprios correm, e dos que provocam à sociedade, com a manutenção dessa prática. “Só assim conseguiremos melhorar o quadro atual”, afirma Melo. A preservação da vida de muitos brasileiros depende dessas medidas.

O engenheiro lembra ainda que o excesso de peso produz importantes danos ao caminhão, aumentando a necessidade de manutenções e produzindo prejuízo financeiro. “Danifica o feixe de molas, quebra a ponteira de eixo, trinca ou empana o chassi; também aumenta o desgaste de pneus e lonas de freio”, conclui.

Fonte: Guia do TRC




Deixe sua opinião sobre o assunto!