PRF de SP recupera espaço invadido por quadrilha que explorava caminhoneiros no Terminal da Fernão Dias




A Polícia Rodoviária Federal de São Paulo entrou, nesta quinta-feira (29), num espaço público invadido há quase dez anos por uma quadrilha que explorava caminhoneiros. (ASSISTA À REPORTAGEM)

Os policiais rodoviários vasculharam depósitos improvisados de cargas que funcionam dentro de baús velhos de caminhões. O Exército participou da operação. Depois de tudo retirado, a transportadora a céu aberto foi destruída.

Duzentos e cinquenta agentes da Polícia Rodoviária Federal ocuparam a área de 70 mil metros quadrados. É um espaço público, ao lado do maior terminal de cargas do país, usado por caminhoneiros enquanto esperam a contratação de fretes. Todos os acessos estavam bloqueados por pedras e blocos de concreto.

Para estacionar, todo caminhoneiro tinha que pagar. Dentro da área, a PRF encontrou outros crimes: movimentação de cargas roubadas; produtos e matéria-prima desviados de empresas; uso de notas fiscais em branco; prostituição de jovens; e tráfico de drogas.

LEIA MAIS  Falta de caminhoneiros irá afetar lucro de corporações

Caminhões adulterados e dois carros roubados também eram escondidos no terreno. Dois homens foram presos em flagrante.

“Cercaram a área como se fosse deles e passaram a explorar essa área como se fosse uma área particular, sendo que na verdade é uma área pública. A ideia é desocupar e depois de desocupar manter um monitoramento para que não volte a se ocupar irregularmente”, explica Ricardo de Paula, porta-voz da PRF-SP.

A ocupação da área é antiga. Há mais de oito anos, caminhoneiros pagavam para estacionar no local, até conseguir cargas para transportar. A investigação revelou que o grupo que explorava o terreno contava com a conivência de autoridades.

LEIA MAIS  Petrobras anuncia primeira redução do valor do diesel em 2019

“Há indícios de participação de alguns policiais na área, mas, mais do que isso, há também muitos indicativos de que haja agentes públicos coniventes com a situação. Tanto que, no decorrer dos anos, a área foi fechada, as vias públicas foram fechadas, impedindo a livre circulação da polícia, de agentes públicos, da fiscalização da prefeitura”, diz Lorena Gentil Ciampone, promotora do Gaeco.

Na casa de um dos policiais, a Corregedoria apreendeu dinheiro sem procedência. O valor não foi divulgado.

A prefeitura de São Paulo declarou que pediu duas vezes a reintegração de posse do local e que aguarda decisão da Justiça.

Fonte: Jornal Nacional




Deixe sua opinião sobre o assunto!