Projeto que reduziria imposto para incentivar renovação da frota de veículos é rejeitado




A Comissão de Viação e Transportes rejeitou na quarta-feira (21) proposta que reduz em 60% o Imposto de Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre veículos automotores novos, incluindo carros, caminhões, motocicletas, tratores e colheitadeiras.

O texto rejeitado – Projeto de Lei 6167/16, do deputado Nelson Padovani (PSDB-PR) –determinava que o desconto seria concedido apenas quando o negócio envolvesse troca por veículo com mais de 17 anos, que deveria ser entregue à concessionária pelo comprador.

Relator no colegiado, o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) recomendou a rejeição do projeto e do substitutivo aprovado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços.

O substitutivo alterava o texto original e previa que, para ter acesso ao benefício fiscal, o comprador seria obrigado a entregar ao Detran local veículo similar com mais de 15 anos de registro de fabricação, para fins de desmanche.

LEIA MAIS  DAF encontra seu caminhão mais antigo ainda em operação

Segurança

Marcis reconheceu a intenção tanto de Padovani quanto do relator na comissão anterior, deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), de prezar pela segurança no trânsito, retirando veículos que, em tese, estariam sem condições de transitar pelas vias públicas.

O relator, entretanto, apresentou diversos motivos para justificar a rejeição das propostas. “O desgaste das peças e dos componentes veiculares está mais associado ao uso, ou seja, à quilometragem percorrida, do que à idade”, disse Macris. Segundo ele, um veículo bem conservado e regularmente submetido a manutenção, mesmo com idade avançada, pode encontrar-se em perfeitas condições para circular.

Marcis também questionou a pretendida vantagem à indústria automobilística. “O que não se vê, nem se consegue quantificar, é o prejuízo lançado nas costas de outros setores da atividade econômica”, disse.

LEIA MAIS  DAF encontra seu caminhão mais antigo ainda em operação

Por fim, Macris citou a ausência no texto de uma estimativa do custo da medida para o Tesouro e, consequentemente, para todos os contribuintes que não se beneficiarão diretamente do desconto do IPI.

Fonte: Agência Câmara Notícias




Deixe sua opinião sobre o assunto!