Fiesp consegue liminar que impede ANTT de multar por não cumprimento da tabela do frete

por Blog do Caminhoneiro

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) conseguiu na Justiça Federal do Distrito Federal uma decisão liminar que favorece as empresas filiadas à entidade impedindo que elas sejam multadas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) em caso de descumprimento da tabela de preços mínimos do frete rodoviário.

O juiz federal substituo da 8ª Vara do DF, Márcio de França Moreira, concordou com os argumentos apresentados pela Fiesp e suspendeu os efeitos da Resolução ANTT 5.833/18, que fixa os pisos mínimos. A edição da tabela do frete estava prevista na Medida Provisória 832/2018, baixada pelo presidente Michel Temer dentro de um pacote de ações para pôr fim à greve dos caminhoneiros em maio do ano passado. A Fiesp defendeu, e o juiz acatou, que quando da conversão na Lei 13.703/2018 o texto introduziu novos requisitos sobre o tabelamento, o que tornaria a tabela inicial e suas reedições incompatíveis com lei efetivamente sancionada.

“Assim, até que seja editada nova resolução que obedeça ao procedimento previsto nas normas mencionadas, não há como se observar o tabelamento de preços, na forma como foi definido na resolução revogada”, escreveu o juiz na decisão. “Ante o exposto, defiro o pedido de medida liminar para determinar que o impetrado se abstenha de aplicar aos filiados das impetrantes qualquer sanção decorrente da Resolução ANTT”, acrescentou.

O tabelamento dos preços do frete rodoviário está sendo contestado também no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro da Corte Luiz Fux é relator de ações contrárias à instituição da tabela. Em dezembro, ele suspendeu liminarmente a aplicação de multas para quem descumprisse a tabela. O juiz federal de Brasília entendeu também, em sua liminar, que a decisão do ministro Fux não afeta a ação proposta pela Fiesp. “Desse modo, a liminar vem socorrer os setores num momento de grande apreensão quanto à legitimidade/legalidade de qualquer tabelamento”, diz a Fiesp em nota.

Multas De acordo com a regulamentação da ANTT, os valores da punição para quem descumprir a tabela serão aplicados em quatro situações distintas, podendo chegar a R$ 10,5 mil. Para o contratante que fechar o serviço por valor abaixo do piso mínimo, a multa será de duas vezes a diferença entre o valor pago e o piso devido com base na tabela, limitada ao mínimo de R$ 550 e ao máximo de R$ 10,500 mil. Para o transportador que realizar o serviço em valor inferior ao piso mínimo, a multa será de R$ 550.

Já os responsáveis por anúncios de ofertas para contratação do transporte rodoviário de carga em valor inferior ao piso mínimo estarão sujeitos à multa de valor de R$ 4.975.

Por último, os contratantes, transportadores, responsáveis por anúncios ou outros agentes do mercado que impedirem, obstruírem ou, de qualquer forma, dificultarem o acesso às informações e aos documentos solicitados pela fiscalização para verificação da regularidade do pagamento do valor de frete poderão sofrer multa de R$ 5 mil.

Fonte: Estadão Conteúdo

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

12 comentários
0

Artigos relacionados

12 comentários

Marcelino moraes 18/01/2019 - 05:36

Eu nao acredito em papai noel este go erno ja entrou se conrompendo

Reply
Waldecyr Batista castilho 17/01/2019 - 20:33

O Brasil ė o país campeão de leis mas não se cumpre a ANTT só quer cobrar a parte dela mas ajudar os autônomos nem pensar, estamos apostando no Bolsonaro vamos aguardar ministro dos transportes que prometeu providências urgente em relação ao cumprimento da tabela ….

Reply
Waldecyr Batista castilho 17/01/2019 - 20:28

Muitos irão quebrar os autônomos estão abandonados pelo governo, estão nas mãos dos atravessadores infelizmente ….

Reply
Eli fogaça machado 17/01/2019 - 18:11

Os milionários do agronegocio comprao caminhões novos pelo bnds colocao motoristas ganhando comissão com muito excesso de peso daí os motoristas anda rebitado drogado pra fazer salário e faz um bom salário mas é um caos no transporte além disso quando ele escoa a sua safra ele da o caminhão pro motorista fazer frete não quer saber nem o preço é só pra fazer o salário do motorista é isso que é muito desleal com a classe dos autônomos

Reply
Vinícius 17/01/2019 - 15:35

Esse “novo” governo nada mais é do que a continuação do governo anterior.
Bolsonaro tanto falou em defender os direitos dos irmãos da estrada, CADÊ AS PROMESSAS DELE? VEJAM SÓ ESSES EMPRESÁRIOS CORRUPTOS OLHOS-GRANDES SÓ PENSAM EM EXPLORAR E JUDIAR DOS MENORES EM NOME DE SEUS LUCROS!
ESSE POVINHO DAQUI EM SUA MAIORIA É CORRUPTO IGUAL O GOVERNO MESMO, O PROBLEMA DO BRASIL É O BRASILEIRO, TÁ NA CARA, QUANTOS MILHARES SE CANDITATAM PARA ENTRAR NA POLÍTICA DE 2 EM 2 ANOS PARA VER SE ENTRA NAS PREFEITURAS OU VAI PRA BRASÍLIA PRA METER AS 2 MÃOS NOS COFRES PÚBLICOS! SE SALVAM DESSA SITUAÇÃO SÓ UNS 5% DE ESCOLHIDOS DE DEUS, O RESTO É TUDO LADRÃO! E OS MELHORES DENTRE NÓS ESTÃO MORANDO EM PAÍSES DECENTES E DESENVOLVIDOS NO EXTERIOR!

Reply
Branco 17/01/2019 - 15:34

Sou camioneiro a 44 anos penso que foi a classe que reenvidicou a tabela e outros detalhes foi a classe que parou o Brasil por 21 dias e o governo atendeu em partes criando uma tabela sem o menor propósito eu penso que a Antt deveria criar uma PAUTA do preso mínimo do frete como por exemplo 0.12 x km x peso .este coeficiente de 0.12 deveria ser reajustado conforme o reajuste do diesel e as multas por desço.primento deveria ser á quem solicitou a tabela isto é a classe que parou o Brasil deve ser responsabilizada com multas carizimas pelo descumprimento da lei

Reply
José Luiz 17/01/2019 - 15:26

Lembro que nas eleições estavam todos eufóricos, o que aconteceu? Chupa ?

Reply
VILMAR KREUSCH 17/01/2019 - 14:50

A diferença, não está na multa , está na valorização, do caminhoneiro , que tem a obrigação de saber o quanto deve cobrar,pela prestação do serviço, se instruir e saber o valor do frete a cobrar pelo tipo do seu veículo.

Reply
Adriano 17/01/2019 - 13:50

Como se já bastasse as empresas nao pagam mesmo !!
Ninguém reclama…
Quando reclama não se tem tesposta…
Deixa continuar essa merda todo , classe desunida, e empresas covardes que querem sempre e so explorar os coitados dos motoristas..
Lamentável atitude da fiesp..
Vamo ver ate onde vai a tolerância !!

Reply
Jair steclan 17/01/2019 - 13:10

Quero ver daki ums anos oque cai acontecer no transpote terreste,, jovens de hj não querem mais essa profissão sem valor algum,, indignado affff !!

Reply
Edson Ribeiro 17/01/2019 - 10:48

Isso já virou palhaçada o Brasil e um lugar de injustiça não temos frete não temos estrada não temos segurança
Quando conquistamos o frete mínimo virou essa pouca vergonha ninguém nunca cumpriu o frete
Quero ver se tirar a tabela do preço do milho da soja e outras coisas aí vamos ver no que vai dá

Reply
Dinor Quintana 17/01/2019 - 18:20

A CNA tem preços mínimo para milho, feijão, soja, café etc etc. Quase todos os produtos agrícolas tem preço mínimo. Mas preço mínimo de frete nem CNA e CNI e outros concordam.
Porque isto ???
Será que este Juiz que deu nova liminar sabe disto ???
Ou tem corrupção também na justiça ???

Reply

Escreva um comentário