Setor de transporte criou 29,9 mil vagas com carteira assinada em 2018




O Brasil registrou criação líquida de 29,9 mil vagas formais de emprego no setor de transporte em 2018, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira (23) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Esse resultado é explicado pela recuperação econômica do setor, que, embora tenha enfraquecido no segundo semestre, deve encerrar o ano de 2018 com alta em torno de 2,0% no volume de serviços.

Embora os resultados tenham sido modestos, abaixo das expectativas do início do ano passado, trata-se do primeiro resultado positivo após três anos de demissões. Apesar dos números positivos de 2018, no acumulado dos últimos quatro anos o setor de transporte registra fechamento de 166,7 mil postos de trabalho. Entre 2015 e 2017, 196,7 mil postos de trabalho foram encerrados nas empresas de transporte: em 2015, foram fechadas 80,0 mil vagas formais no setor; em 2016, 101,0 mil postos de trabalho foram encerrados e em 2017 a queda líquida de empregos foi de 15,6 mil postos.

O resultado de 2018 foi influenciado principalmente pelo desempenho do transporte terrestre, em especial do transporte rodoviário de cargas. Após fechar 140,1 mil vagas formais entre 2015 e 2017, o transporte terrestre encerrou o ano de 2018 com a criação líquida de 23,9 mil postos de trabalho. A maior parte das vagas foi criada no transporte rodoviário de cargas (+ 35,6 mil). Destaque também para o segmento de armazenamento e atividades auxiliares dos transportes, que registrou aumento de 10,3 mil empregos formais ao longo do ano, o melhor resultado em cinco anos.

LEIA MAIS  PRF recupera caminhão furtado em Mato Grosso

Por outro lado, os segmentos do transporte aquaviário e do transporte aéreo mais uma vez não apresentaram resultados positivos no ano. É o quarto ano consecutivo de queda líquida de empregos nesses segmentos, que ainda não conseguiram superar os efeitos da crise econômica recente: no segmento aquaviário, o saldo foi negativo em 478 postos de trabalho, enquanto no aéreo houve fechamento de 284 vagas formais.

Por região

De acordo com os dados do Caged, todas as cinco regiões do país registraram mais contratações do que demissões no ano passado no setor de transporte. Destaque para as regiões Sudeste, que criou 11,2 mil vagas no ano, e Sul, com saldo positivo de 9,1 mil novos postos de trabalho.

LEIA MAIS  Renovação de frota de caminhões deveria sair do papel para beneficiar o autônomo

Expectativas

Para 2019, a expectativa da CNT é de uma aceleração na criação de empregos formais. Contudo, caso as reformas estruturantes que o Brasil precisa que sejam feitas (previdência, tributária, política) e, consequentemente, as expectativas econômicas positivas se confirmarem, apenas em 2021 o número de empregos no setor de transporte voltará aos níveis pré-crise.

No setor de transporte, os empresários estão otimistas. Conforme mostrado na Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2018 , a maioria dos transportadores é à favor da manutenção do teto de gastos (50,5%) e da aprovação das reformas da previdência (68,8%) e tributária (71,7%). Além disso, 77,7% deles acham que, neste ano, o ambiente de negócios de suas empresas estará mais favorável e 74,2% acreditam que, em 2019, o setor de transporte estará em uma situação melhor quando comparado com os dois últimos anos. Esse otimismo deverá se refletir no mercado de trabalho, uma vez que 53,0% dos transportadores brasileiros pretendem aumentar a contratação formal de empregados em 2019.

Fonte: CNT




Um comentário em “Setor de transporte criou 29,9 mil vagas com carteira assinada em 2018

  • 11/02/2019 em 15:06
    Permalink

    Sou caminhoneiro profissional, tenho experiência ,cursos do mop,CNH averbada e estou desempregado ,só que as empresas contratam uma agência de empregos, as quais agente tem que se cadastrar e elas cobraram um absurdo pra que possamos fazer uma entrevista, vergonha, muitos profissionais bons mendigando trabalho e se não pagar a uma agência de empregos, não se pode ter direito ao trabalho.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!