Caminhoneiros miram agronegócio após recuo da Petrobras no diesel




Após vencer a queda de braço contra a Petrobras no preço do diesel, caminhoneiros querem agora que o governo convença o agronegócio a cumprir a lei dos preços mínimos do frete.

Sancionada no ano passado pelo então presidente Michel Temer (MDB), a norma está sendo contestada no STF (Supremo Tribunal Federal).

A maior oposição vem do agronegócio, representado pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), que teme aumento dos custos no transporte de carga.

Uma das principais lideranças dos caminhoneiros, Wallace Landim, o Chorão, afirma que, se a lei estivesse sendo cumprida, a política de preços da Petrobras seria irrelevante para a categoria.
“A gente teria o reajuste do frete automático”, disse.

“Temos de sentar e conversar com o pessoal do agronegócio. O governo tem de chamar a ministra Teresa Cristina [Agricultura], o ministro Tarcísio [de Freitas, da Infraestrutura] e o Onyx [Lorenzoni, chefe da Casa Civil], colocar isso na mesa e resolver a situação. A lei está aí e tem de ser cumprida.”

Neste sábado (13), a titular da Agricultura se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) no Palácio da Alvorada para discutir a questão do frete. Ao fazer concessões aos caminhoneiros, o governo tenta evitar uma paralisação como a de 2018, que provocou crise de desabastecimento no país.

Para Landim, o lobby de duas grandes entidades –a CNA e a CNI (Confederação Nacional da Indústria)– está afetando o cumprimento da lei.

“Eles são contra, entraram na Justiça questionando que é inconstitucional. Mas tivemos uma vitória porque a [procuradora-geral da República] Raquel Dodge foi favorável. Enquanto isso, a lei está valendo”, afirmou. “Vou pedir para a Casa Civil para a gente sentar e botar os pingos nos ‘is'”.

LEIA MAIS  Caminhoneiro terá linha de crédito para manutenção do veículo e compra de pneus

Landim diz ter uma solução para superar o impasse: organizar os caminhoneiros autônomos em cooperativas e facilitar a sua contratação direta pelos donos das cargas.

Como as cooperativas têm isenção de alguns tributos, como o PIS/Cofins, os contratantes poderiam se beneficiar da redução tributária e, com isso, compensar o preço mínimo do frete.

A organização das cooperativas já está sendo tocada pelo Ministério da Infraestrutura, disse ele.
Na quinta-feira (11), logo após a Petrobras anunciar o reajuste de 5,7% no preço do diesel, Landim disse que enviou mensagens ao ministro Onyx Lorenzoni e a outros representantes do governo se queixando da medida.

Naquela noite, Bolsonaro telefonou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e mandou sustar o reajuste.

Landim diz que o reajuste pegou de surpresa a categoria, que vinha negociando com o governo medidas compensatórias, como o preço mínimo do frete, o cumprimento da lei das jornadas de trabalho e a fiscalização pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

“Na quinta retrasada eu estive com o Tarcísio e disse a ele que eu tinha medo do aumento do diesel, que poderia vir de repente. Ele me disse para ficar tranquilo. Aí a gente foi surpreendido por isso. Então a gente mandou mensagem para o Onyx”, disse.

Apesar de governistas falarem em ameaça de greve como justificativa para intervir no preço da Petrobras, Landim afirma que a categoria não estava decidida a parar.

LEIA MAIS  Copa Truck: Cinco caminhões separados por apenas 0s3 em Campo Grande

“O pessoal [do governo] me chamou e eu me posicionei. Eu disse que não ia ter [greve]. Não acho que seja a hora, não é o momento, é início de governo”, afirmou.

“Com 15 dias, o governo nos procurou e marcou uma reunião, falou que a nossa ação no transporte estava nas prioridades de cem dias. A gente sabe que o presidente ficou internado, depois ficou fora do país. Tem de ter entendimento.”

Após a paralisação do ano passado, Landim diz ter construído uma rede de caminhoneiros. Isso se tornou necessário, segundo ele, porque a categoria não tinha lideranças unificadas.

“Nunca teve um grupo totalmente focado para trazer melhoria para a categoria. A gente tinha sindicato, federações, confederações. Mas são poucos os sindicatos que realmente brigam pela categoria.

“Hoje tenho mais de 850 grupos de WhatsApp e uma agenda com lideranças nos 26 estados. Pessoas que, se precisarmos fazer uma paralisação, fazem”, disse.

Ele elogiou Bolsonaro por ter congelado o preço do diesel, mas reconhece que foi uma intervenção na Petrobras, nos moldes do praticado no governo Dilma Rousseff (PT). “Querendo ou não querendo, mexeu na política de preços.”

Para ele, Bolsonaro não deve recuar da decisão. “Na verdade, eu torço para que baixe o preço, não apenas para que não haja o reajuste, eu torço para que baixe o preço do combustível todo.”

Fonte: Folha de São Paulo




9 comentários em “Caminhoneiros miram agronegócio após recuo da Petrobras no diesel

  • 15/04/2019 em 21:25
    Permalink

    Você e mais um petista alienado um esquerdista que nao tem o mínimo de educação ,um analfabeto político lixo vermelho ,voce nem caminhoneiro é se bosta de um merda sem teto idiota vagabundo

    Resposta
  • 15/04/2019 em 19:07
    Permalink

    O fdp do chorão não representa a categoria, está em brasília a quase um ano e nada conseguiu, o bozo e sua ministra ja disseram que são contra a tabela de frete o aumento do diesel o bozo já sabia desde a terça feira, deixou ser publicado na sexta feira e aparece como salvador da pátria bloqueando o aumento e os imbecis que estão seguindo este presidente fdp, ainda o apoiam. O bozo faloor contra o aumento do diesel falou que era amigo dos caminhoneiros , mais vocês em algum momento viu este fdp falar do teto minimo de frete? Agora está o momento ideal para uma mega paralisação, vamos aproveitar que este governo não aguenta um dia de greve pois cairia antes do segundo dia,

    Resposta
  • 15/04/2019 em 17:37
    Permalink

    Esses cara que trabalha nas fazendas operadores das máquinas eles ganham um salário de 7 mil reais e o motorista de caminhão mal mal ganha 2500.mato grosso o é uma fachada danada tudo de f250 ms então agente leva carga e trás carga então tem uma desegualgaldade muito aí até pra caminhoneiros que são empregados

    Resposta
  • 15/04/2019 em 17:23
    Permalink

    A frete tá muito rui.Os motorista estão achando bom.por que ninguém parou.ja era pra ter parado a muito tempo óleo caro pedágio caro frete de terceiro tem muitas empresas cobrando muito do autônomo.carga perigosa a tinha que ser o frete ida e volta o frete da carga perigosa tá igual a carga seca..kkkk é o tanque cobra muito documentação capacitação de tanque e vários documentos licença.entao muito imposto é nada de trabalho e frete baixo diesiel caro pedágio de pista simples essas concessionárias cobra pedagio caro a estrada não presta e não possui um helicóptero. Pra atender em caso de acidente.

    Resposta
  • 15/04/2019 em 14:40
    Permalink

    Pessoal do agronegócios e que choramcde barriga cheia só querem já tem financiamento custeio e tudo mais a juros baixíssimos vendem tudo em dólar e não podem pagar um frete justo pelo jeito só eles podem ser prósperos no Brasil o resto escravos

    Resposta
  • 15/04/2019 em 14:19
    Permalink

    Os Barões do agronegócio são contra os caminhoneiros e ainda falam.se está ruim saia do ramo.Para eles é fácil pois todos os anos o governo financia á lavoura.o governo deveria de não financiar nada para eles.pois para nós caminhoneiros nada é financiado pelo governo.

    Resposta
  • 15/04/2019 em 13:58
    Permalink

    Que foto mentirosa! O Maneco está puxado 🤔

    Resposta
  • 15/04/2019 em 13:33
    Permalink

    Eu gostaria que o Landim esclareca, paralisar o que mais, caminhoneiro está ficando na média 10 dias esperando sair carga, pelo que vejo o caminhoneiro está sendo usado como gado nas manobras de políticos espertalhões , e uma pena ,mas paralisações como a do ano passado nunca mais vão ocorrer.

    Resposta
    • 17/04/2019 em 07:45
      Permalink

      Lógico q pagam salários acima de $5000 P operador de coladeira e andam de f250 e outros mais os barões do agronegócio não tem onde por tanto dinheiro anda nas cidades do Paraná Goiás mato grosso e cidades do interior de sp e outras localidades q agronegócio e forte não tem onde por tanta caminhonetes e carros de luxo sem contar maquinário de última geração já povão trabalhador aí numa luta danada porq não tem o apoio q eles tem com financiamentos com juros baixos aí o dólar ocupa p baixo um pouco eles correm p chorar q a safra seu prejuízo isso parece piada kkkkk

      Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!