Mercedes-Benz anuncia redução de serviços realizados na fábrica de Juiz de Fora




A Mercedes-Benz vai reduzir os serviços realizados na fábrica de Juiz de Fora. O anúncio foi feito pela direção da montadora durante uma audiência pública realizada na tarde desta segunda-feira (15) na Câmara Municipal. Funcionários temem demissões.

De acordo com o diretor de Relações Institucionais da Mercedes, Luiz Carlos Morais, a fábrica deve manter apenas a produção de cabina e pintura de caminhões.

“Nós valorizamos muito nossa mão de obra e investimos muito e com o crescimento do mercado de caminhões que nós estamos apostando, entendemos que vai ser possível absorver, transferir e treinar o pessoal para novas funções dentro da fábrica de Juiz de Fora”, explicou.

Atualmente, além desta atividade na cidade também é feita a produção do caminhão Actros e a importação e desembaraço alfandegário de veículos fabricados na Argentina, que chegam ao Brasil pelo Rio de Janeiro. A partir do ano que vem, os veículos serão levados direto para o Espírito Santo e os caminhões passam a ser feitos em São Bernardo do Campo (SP).

A redução dos serviços preocupa os trabalhadores da fábrica de Juiz de Fora, que temem demissões. Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora, João César Silva, a categoria cobra um posicionamento da empresa.

“Se ficar só a cabine vira algo em torno de 300 trabalhadores diretos, sem contar os indiretos. A Sprinter hoje envolve um universo de 250 pessoas. Quando a fábrica vem dizer que vai ter R$ 2,4 bilhões de investimento, mas nunca deixa claro para nós se é em produto e qual vai suceder o caminhão em Juiz de Fora ”, declarou.

Na audiência pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que foi solicitada pelos deputados estaduais José Célio Alvarenga (PCdoB), Roberto Cupollilo (PT) e Carlos Henrique Coelho (PSL), também participaram vereadores, representantes do Executivo e funcionários da empresa.

Da audiência foram retiradas algumas propostas de requerimentos que serão votadas na próxima reunião da Comissão da ALMG, em Belo Horizonte. Entre eles pedido de providências para a direção da Mercedes não demitir os trabalhadores no prazo de 24 meses.

Ao secretário da Fazenda de Minas Gerais será feito pedido de informação sobre a situação do Porto Seco em Juiz de Fora e à Prefeitura sobre os benefícios e acordos firmados desde 1996 com a empresa por meio de planilhas, as vantagens concedidas e formas de contratação.

A Mercedes está em Juiz de Fora há 20 anos. De acordo com o sindicato, atualmente a unidade emprega 1.130 trabalhadores sendo que, cerca de 500 deles são mulheres e muitos são jovens abaixo dos 30 anos.

Fonte: TV Integração