Impasse entre partes paralisa nova tabela de frete

Apesar do esforço do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, em busca de um consenso em torno da tabela de fretes, as negociações desandaram nos últimos dias, após os embarcadores se irritarem com as condições da nova proposta do governo.

Freitas chegou a propor mesas de negociação entre embarcadores (empresas contratantes de frete), transportadoras e caminhoneiros autônomos por setor da economia. O ministro vinha incentivando um acordo privado entre eles, com a promessa de que a tabela deixaria de ser obrigatória e serviria apenas como uma referência para os preços de frete.

Ainda não está claro para o setor empresarial, que contrata fretes junto aos transportadores, porém, se o governo conseguirá viabilizar uma tabela de referência – uma costura que ainda depende de aprovação de lei pelo Congresso. E algumas entidades empresariais até já cogitam abandonar as negociações.

Na manhã de sexta-feira (02/08), a pasta da Infraestrutura propôs a advogados das confederações nacionais da indústria (CNI), dos transportes (CNT) e dos transportadores autônomos (CNTA) que as entidades assinem uma carta de intenções concordando com a republicação da tabela encomendada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, com o adicional de uma espécie de “taxa de lucro”.

LEIA MAIS  PRF prende ladrões de carga na BR 365 em Uberlândia-MG

No encontro, não houve menção à tabela de referência, bandeira defendida pelos embarcadores desde a votação da medida provisória que criou o piso mínimo de frete, sancionada pelo governo Temer para cessar a greve de caminhoneiros que afetou o país em maio do ano passado.

O desenrolar da reunião de sexta despertou entre as empresas contratantes de frete a sensação de que as negociações por enquanto beneficiam mais os transportadores autônomos. Lideranças de caminhoneiros sinalizaram concordar com a tabela da Esalq mais uma margem de lucro.

“Está tudo em aberto e nada resolvido. Não resta muito o que fazer a não ser esperar uma resposta do STF [Supremo Tribunal Federal]”, diz uma fonte que participa das negociações. O relator das ações contra o tabelamento, no STF, ministro Luiz Fux, marcou para 4 de setembro o julgamento do caso.

LEIA MAIS  Transgires abre vagas para motoristas carreteiros rodotrem em Santa Catarina

Como já mostrado, ele vem sendo aconselhado a construir um voto pela inconstitucionalidade da tabela obrigatória de fretes, mas considerá-la referencial, em linha com o que o governo defende. Por outro lado, Fux também aguarda as negociações conduzidas pelo governo em torno da tabela de referência.

Na última quinta-feira (01/08), representantes dos embarcadores já haviam se queixado após não serem recebidos no Ministério da Infraestrutura para uma reunião que estava agendada. “Mediante a sinalização de que a tabela será referencial, topamos conversar, mas saímos frustrados, porque nem ocorreu a reunião”, disse André Nassar, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de óleos Vegetais (Abiove).

Ontem, segunda-feira (05/08), houve uma reunião entre os embarcadores na CNI na tentativa de buscar uma posição conjunta. E, na terça (06/08), as mesmas entidades empresariais devem voltar ao ministério para nova reunião.

Fonte: Valor Econômico




8 comentários em “Impasse entre partes paralisa nova tabela de frete

  • 08/08/2019 em 07:29
    Permalink

    Temos que parar por tempo indeterminado para essa raça maldita dar mas valor nos caminhoneiros

  • 07/08/2019 em 09:40
    Permalink

    Bom dia caminhoneiros autônomos , o próprio governo está usando pessoas que se dizem motorista para fortalecer seu governo essa tabela nunca existiu já estou vendo as fotos o presidente com as mãos unidas com essas pessoas dizendo o nosso governo com mérito do Sr ministro e o presidente vem a público dizer que não a mais greve por parte dos caminhoneiros o Brazil vai continuar forte como sempre foi no transporte os motoristas fazem esse país crescer vão continuar trabalhando para não faltar nada em nossas casas mais uma vitória nosso trabalho

  • 07/08/2019 em 08:34
    Permalink

    Bom dia ; parem com essa palhaçada de uma vez, discutir sobre uma tabela de fretes qui nunca existiu e nem vai existir ,isso vai chegar nas mãos do STF esse bando de idiotas e vão acabar com essa tabela mesmo prp o qui fazem é favorecer ladrões e o povo qui trabalha pesado só si lascam lei é pra poucos vamos a luta e se chegar uma hora qui não aguentarmos mais paramos .( Brasil um país de ladrões) E tem mais esse ministro da infraestrutura Tarcísio de freitas é contra essa tabela vcs querem o que !

  • 07/08/2019 em 08:16
    Permalink

    Não precisa de tabela, simplesmente baixar os preços do diesel e derivados do petróleo, pois estamos pagando o rombo do roubo na Petrobras, é só abrir o mercado que isso acontece e fiscalizar para evitar cartelizacao, com essa simples medida baixa diesel, caminhão, manutenção, inclusive pedágio e todo mundo ganha, também o governo. Mas isso seria interessante? Abrir mão de lucros exorbitantes como o da Petrobrás com a desculpa que precisa investir, (abra para as petrolífera de fora) hoje ainda é o maior cabide de empregos, se lá todos trabalhassem como se trabalha no setor privado, poderia demitir metade do pessoal, principalmente burocrático.
    Então vamos lutar para deixar o Brasil transparente e produtivo.

  • 06/08/2019 em 23:03
    Permalink

    A tabela de piso mínimo de frete é necessária para, de uma vez por todas por um fim na malandragem de muitos embarcadores de não pagar os pedágios. Além disso e de contribuir para uma relação menos conflituosa entre as partes relacionadas com o transporte, dificultaria a sonegação de impostos e lavagem de dinheiro que é muito grande e nociva ao país como um todo. Lotario Wessling, caminhoneiro autônomo Venâncio Aires RS

    • 07/08/2019 em 08:43
      Permalink

      Vc tem razão companheiro mais nesse país que um dia foi governado pelo bando de vagabundos do PT vai demorar para criarem leis qui nos favorecem olha aí pra vc ver o próprio ministro Tarcísio de freitas é contra a tabela vamos pra onde continuamos nas mãos de outro bando de salafrários chamados de ( transportadoras)

  • 06/08/2019 em 16:28
    Permalink

    Tabela de frete é um tiro nus pés de nós autônomos, é melhor pingar que secar, sempre foi assim, na minha opinião todos cidadãos são livres pra fazer o quem bem quiser então quem não estiver satisfeito com os fretes que procuram outras profissões,eu tenho mais de 20 anos como autônomo e sempre trabalhando com esses fretes aí graças à Deus estou satisfeito e até aqui vivo uma vida digna com minha família, graças à Deus tenho um bom apartamento, um bom carro e um excelente caminhão e graças à Deus nunca precisei usar drogas quem nem muitos idiotas por aí,tenho vários amigos de profissão que está numa boa também, tem muitos aí que estão fudidos é porque não sabem administrar e jogar a culpa no diesel e no governo.

    • 07/08/2019 em 06:01
      Permalink

      Concordo.

Fechado para comentários.