Fretes rodoviários tendem a subir mais que a inflação

por Blog do Caminhoneiro

O ano passado foi marcado por discussões e turbulência no mercado de fretes rodoviários, diante da espera pelo julgamento sobre a validade da tabela de preços mínimos, que não ocorreu no Supremo Tribunal Federal (STF), e do descontentamento de produtores, tradings e caminhoneiros quanto aos valores praticados.

A incerteza perdura neste início de 2020, e com o andamento dos trabalhos de colheita de mais uma safra recorde de grãos no país, o transporte das cargas pelas rodovias do país deverá subir, em média, pelo menos 5% nos próximos meses, pouco acima da inflação. Em algumas regiões de maior concorrência, as altas poderão superar 10%. E o pico de demanda será em março, e não em janeiro e fevereiro, como foi em 2019.

Esse é o cenário traçado pelo Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (Esalq-Log), que acompanha de perto esse mercado e foi contratado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para destrinchar os custos dos caminhoneiros e bolar uma tabela de preços mínimos capaz de apaziguar os ânimos na cadeia produtiva.

Abner Matheus João, pesquisador da Esalq-Log, lembra que os grãos foram semeados nesta safra no período tradicional – e não antecipadamente, como no ciclo 2018/19 -, de forma que a colheita ganhará força a partir de fevereiro na maior parte dos polos, e não coincidirá com o escoamento de açúcar para exportação, o que aconteceu no ano passado. “Voltaremos a uma normalidade de demanda por caminhões”.

Em Mato Grosso, maior Estado produtor de grãos do país, de Sorriso ao terminal de Rondonópolis o preço médio do frete rodoviário foi de R$ 117,60 a tonelada em janeiro de 2019, caiu para R$ 116,97 no mês seguinte e para R$ 104,52 em março. Em 2020, o cenário traçado pela Esalq-Log indica médias de R$ 105,58 neste mês, R$ 118,26 em fevereiro e R$ 129,53 em março – 10,1% acima de janeiro do ano passado. Em outras rotas importantes para os grãos, o comportamento deverá ser semelhante.

No Paraná, segundo maior Estado brasileiro produtor de grãos, a variação de preços médios poderá ser maior, de até 12%, porque o plantio da safra foi mais tardia. “Quando o Estado começar a colher soja, não haverá muitos caminhões disponíveis porque eles terão se deslocado para os Estados do Centro-Oeste, então as empresas terão que pagar mais caro para ter transporte, afirma Abner.

De acordo com o pesquisador, todos os valores praticados atualmente no mercado de fretes remuneram os caminhoneiros e estão acima dos indicados pelo tabela de preços mínimos em vigor. “Pelos nossos cálculos, mesmo no período de baixa os motoristas estão recebendo o suficiente para pagar os custos, apesar de o cálculo de lucro ser controverso”. Uma nova tabela com preços corrigidos está sendo finalizada pela Esalq-Log e deverá ser publicada pela ANTT até 20 de janeiro.

Mas essa não é a visão de grande parte dos caminhoneiros. “No período de colheita, conseguimos realmente os valores da tabela ou até acima, porque há muita demanda. Mas, durante o resto do ano, é um salve-se-quem-puder. Aceitamos qualquer coisa para não ficarmos parados, e muitas vezes temos prejuízo”, disse um deles.

No segmento de fertilizantes, o chamado frete de retorno deverá subir apenas em linha com a inflação, ou entre 4% e 5%. “A normalidade da safra permitirá uma maior disponibilidade de caminhões no período certo, e os caminhões poderão ficar dois ou três dias nos portos para receber os fertilizantes antes de voltarem”, diz Abner Matheus João.

Durante a colheita de 2019, em algumas rotas o frete de retorno chegou a subir mais de 30% devido à necessidade de caminhões no campo ao mesmo tempo em que eram demandados nos portos para transportar os insumos. Na ocasião, tradings chegaram a pagar para os veículos voltarem vazios mais rapidamente.

Fonte: Valor Econômico

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

9 comentários

Renê Costa 11/01/2020 - 14:30

O Grande Problema Geral de Fretes Baixos são os Agenciadores de Transportadoras de Cargas que Exploram os Caminhoneiros Autônomos deixando os Falidos e Roubados. Temos que Achar outras Soluções para Contratação de Fretes que sejam Justos para os Caminhoneiros Autônomos. Vamos acabar com as Roubalheiras de Agências de Transportadoras de Cargas no Brasil. Quem sabe Cooperativas dos Caminhoneiros Autônomos sejam Soluções Viáveis para nós Caminhoneiros.

Reply
Renê Costa 11/01/2020 - 14:44

Vamos Sim Arrochar o Bolsonaro para a Criação de Notas Fiscais Eletrônicas do Valor Frete Corrigidos conforme tabelas Atualizadas e Fiscalização pelo DNIT ou ANTT , só assim as Empresas se Obrigarão a Pagar os Valores Justos do preço do Frete aos Caminhoneiros Autônomos. Temos várias Soluções para os Problemas do Transporte de Cargas eFretes no Brasil. Temos que Fazer valer e Acontecer Pois Sem Caminhão o Brasil para.

Reply
Luciano 07/01/2020 - 16:48

Não sei aonde eles tirou esse valor do frete
Trabalho aqui na região
Eu não vi nenhum valor citado na reportagem

Reply
Etterigio faglioni 08/01/2020 - 05:45

Eles sonham e escreve são uns nerds do transpot só não entendi nada

Reply
Jonathas 07/01/2020 - 10:57

Ninguém fala do aumento constante do diesel porque? ?

Reply
Ivoney 07/01/2020 - 07:50

Quando que vão fazer alguma coisa por nós só blá blá bla quando que vão colocar as transportadora no lugar delas indiguinante tão rachando de ganhar dinheiro na nossas costas, tão fazendo de conta que não vê isso covardia com o caminhoneiro enquanto isso não temos dinheiro pra nada só dividas vão acabar com o terceiro

Reply
João Carlos Ros Martinez 06/01/2020 - 21:42

Como esses dois anos se passaram agora vem com essa mentira , manobra política as coisas subiu tudo esses dois anos agora vai jogar a alta nas costas do transporte o povo acredita

Reply
Joao 06/01/2020 - 17:04

Que mentira…por preço do diesel e pedágio dias anos passado e agora…faça a conta a margem de lucro está bem menor….pneus e mão de obra em oficina nem se fala tá bem caro…devasagem enorme no lucro do frete…fora hora parada que ninguém quer pagar e fodem com motorista…oque esperar pra esse frete mais baixo … margem de lucro menor e muitos acidentes por conta de muito caminhão novos s motorista qualificado…

Reply
Edison do Vale F 07/01/2020 - 18:00

Todo ano na época da safra o frete aumenta …hoje o que tá matando nois e o petróleo isso já virou roubo no país. O presidente antes de se eleito fazia promessas sobre isso é dizia que tinha jeito mais depois de eleito já esqueceu …nois precisamos que o óleo diesel baixe de preços aí sim fica melhor todas as coisa porque tudo está em volta do óleo o alimento que chega em nossa casa depende do frete pensa nisso se frete sobe tudo que depende do frete aumenta inclusive o petróleo…..

Reply

Escreva um comentário