Roubo de cargas recuou 35% em 2019 nas estradas federais, aponta PRF

por Blog do Caminhoneiro

O número de roubos de carga nas rodovias federais diminuiu cerca de 35% em 2019. Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram 1.390 ocorrências no ano passado, ante 2.120 em 2018. A expectativa do setor é que a queda nos índices se consolide em 2020.

De acordo com a PRF, o Estado que mais sofre com esse tipo de crime é Minas Gerais (459 ocorrências), seguido do Rio (160), do Paraná (135), de São Paulo (80) e de Goiás (80).

Essas estatísticas referem-se apenas a rodovias federais. O Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), plataforma do Ministério da Justiça e Segurança Pública que recebe dados das secretarias estaduais, registra 12.732 ocorrências até setembro.

Esse número é maior porque engloba também estradas locais, mas entidades que acompanham o setor confirmam o viés de queda. A projeção da PRF é que, quando a plataforma for alimentada com todos os dados, até dezembro, esse índice chegue a algo em torno de 17 mil, inferior às mais de 20 mil ocorrências registradas em 2018.

As estatísticas do Sinesp têm sido usadas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para ilustrar como o combate ao crime organizado e à corrupção ajudam a melhorar o ambiente de negócios no Brasil.

Para a polícia, a diminuição no número de roubos de carga se deve principalmente ao aumento da repressão e da deflagração de operações nos Estados mais críticos. “De 2017 para cá, a Polícia Rodoviária Federal aumentou as suas ações, coordenadas nacionalmente e nas próprias superintendências estaduais. A gente mapeou todos os pontos, onde mais ocorria esse tipo de crime, e fez operações específicas nesses locais”, afirma Paulo Sérgio Guedes de Oliveira, chefe do Grupo de Enfrentamento aos Crimes contra o Patrimônio da PRF.

Guedes também é vice-presidente do Comitê Gestor da Política Nacional de Repressão ao Furto e Roubo de Veículos e Cargas, que tem como o objetivo discutir ações contra esse tipo de crime.

O órgão foi reativado em 2019 por Moro para tentar atenuar o problema. Ao todo, o grupo reúne representantes de 11 instituições públicas e privadas.

O presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Vander Costa, afirma que, além de as forças policiais terem recrudescido o combate a esse time de crime, as empresas investiram mais em tecnologia para evitar o roubo de suas cargas.

Para ele, porém, é preciso avançar ainda em um ponto crucial: aumentar a punição, especialmente financeira, do receptador de mercadorias roubadas. Uma das propostas da confederação é que os envolvidos tenham o CNPJ cassado.

“A polícia está agindo com mais efetividade, recuperando algumas cargas e prendendo os responsáveis. Mas, para combater o roubo de carga, você tem que fazer que isso não seja um negócio financeiramente atrativo”, defende.

Segundo ele, “quem compra carga roubada sabe que é roubada”. “Ele [o empresário] fala que foi enganado, mas não foi. Hoje o preço é domínio de todos, o comprador sabe quanto custa cada item. Na hora que alguém oferece algo pela metade do preço, eu, como profissional, tenho a obrigação de desconfiar”, aponta.

No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro vetou o trecho de uma lei que previa a cassação do CNPJ da empresa que transportasse, distribuísse, armazenasse ou comercializasse produtos provenientes de furto, contrabando ou descaminho ou produtos falsificados.

Costa afirma, porém, que a expectativa é que o Congresso aprove uma medida similar ainda em 2020. Segundo ele, o governo também já estaria convencido da importância da punição.

O presidente da CNT também afirma que a tendência de queda no número de roubos de carga é uma realidade que deve se manter neste ano. Ele, no entanto, reconhece que a melhora nos índices ainda não trouxe um impacto efetivo no custo dos seguros cobrados para o setor. “O mercado de seguro para aumentar o prêmio é rápido, mas para reduzi-lo é mais lento, mas vai acabar acontecendo”, disse.

Por outro lado, Costa aponta que algumas seguradoras já começaram a aceitar fechar contratos para fretes em locais que antes evitavam, por considerarem muito perigosos.

Fonte: Valor Econômico

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

2 comentários

Renê Costa 22/01/2020 - 17:52

Os Caminhoneiros sabem dos Perigos nas Estradas Brasileiras, não Ouviram os Caminhoneiros e Isso com Certeza é Estatística Política. O Perigo é Constante , Bandidos Perigosos Fazem Arrastão nas Estradas Brasileiras . Podem Pesquisar a realidade de tudo que aconteceu e acontecem nas Estradas Brasileiras. Por isso tenho conhecimento Suficiente para discordar dessa Estatística. Não deveria ter nenhum Crime contra os Trabalhadores Caminhoneiros Brasileiros nas Estradas precárias Brasileiras.

Reply
Renê Costa 22/01/2020 - 17:40

Enquanto a PRF só Notificar (Multar) os Caminhoneiros por Coisas sem Importância, com Intuitos de Perseguições e Abusos de Poderes , com Certeza os Ladrões, Traficantes de drogas, Armas vão Fazer e estão Fazendo as Festas há muito Tempo nas Estradas Brasileiras ,isso já é Público e Notório . A Bandidagem têm muitas vezes as Ineficiências das Polícias Rodoviárias para se Favorecerem vocês já viram como Agem os Novos Cangaços Explodindo Carros Fortes e Agências Bancárias. Os Caminhoneiros não tem nenhuma Proteção de Polícias Rodoviárias nas Estradas Brasileiras.

Reply

Escreva um comentário