Tabela de frete não resolve o problema dos caminhoneiros, diz liderança

No dia 16 de janeiro, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou nova tabela do frete rodoviário, que se aplica aos caminhoneiros autônomos, com reajuste que varia de 11% a 15%.

Além disso, foram estabelecidas uma série de regras para o setor, que passaram a valer a partir desta segunda-feira (20). Mas para o líder do Comando Nacional do Transporte, entidade que reúne caminhoneiros autônomos, o principal problema da categoria continua sem ser resolvido.

“Ela não vai resolver o problema do setor. O problema do setor é excesso de demanda de veículos. O tabelamento não vai resolver esse tipo de problema, vai continuar sobrando caminhão. E os transportadores cada vez mais vão comprar veículos próprios, para formar uma frota própria, e assim se livrar da tabela. Essa é a tendência”, afirmou Ivar Luiz Schmidt, líder da categoria.

Ele também aponta outra questão que pode aumentar as dificuldades para os caminhoneiros, a obrigatoriedade de emissão do Código Identificador de Operação de Transporte (CIOT), uma regra que, segundo ele, fará com que as empresas gastem mais com os autônomos e por isso passem a optar por grandes transportadoras.

Entidades avaliam nova tabela de frete

Diversas entidades se posicionaram a respeito das novas regras para a cobrança de frete em transporte de cargas, estabelecidas na última semana pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O valor do frete sofreu reajuste que varia de 11% a 15%, de acordo com o tipo de carga e operação.

Uma das medidas da ANTT torna obrigatório o pagamento do frete de retorno para os caminhões que não podem realizar novos fretes ao voltarem para o ponto de origem de partida.

Outra regra prevê que os custos com alimentação e pernoite, que deveriam ser negociados entre contratantes e motoristas, passam a integrar o custo de diárias, servindo de base de cálculo para definir o valor do frete mínimo. A ANTT também estabeleceu como regra a revisão dos valores de insumos como pneus.

Produtor e caminhoneiro

Para o diretor executivo do Movimento Pró-Logística na Aprosoja, Edeon Vaz, as mudanças estão dentro do esperado pelo setor produtivo, mas não é a melhor solução para alguns problemas da classe. “A tabela do frete, no nosso ponto de vista, não resolve o problema do produtor e não resolve o problema do caminhoneiro”, disse.

“Isso na verdade é um tiro no pé do caminhoneiro, que está sentindo agora o problema, tanto é que eles estão mudando o foco para o valor do diesel, que tem variado bastante, provocando problemas, porque o caminhoneiro sai de sua origem e vai a um determinado destino, onde ele tem que abastecer, e lá o preço é diferente daquilo do que ele foi contratado o frete”.

Segundo Vaz, fixar um preço mínimo viola o princípio da livre concorrência. “Essa tem sido a nossa tese. Quando você tem pouco caminhão e muita carga, o valor do frete sobe. Quando você tem pouca carga e muito caminhão, o frete desce. Isso é mercado. A lei do mercado”.

Custos

Analistas do setor afirmam ainda que o reajuste na tabela de preço mínimo do frete rodoviário não aumentará imediatamente os custos das empresas agropecuárias, tampouco elevará os preços dos produtos. Isso porque, segundo eles, os valores praticados atualmente estão mais altos que os indicados pela ANTT e deverão continuar assim até março.

Posteriormente, explicam os analistas, os preços tendem a cair um pouco e a tabela só será efetivamente cumprida se as empresas forem obrigadas.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa as principais tradings, também criticou, em nota, a tabela do frete. “Essa é uma medida que impede a livre negociação de um segmento importantíssimo da economia nacional e que está em total de desarmonia com o procedimento liberal do atual governo”.

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos emitiu um comunicado avaliando de forma positiva as novas regras. Para a entidade, a criação dos custos de diária e também a revisão nos valores de insumos já eram uma reivindicação da categoria.

Nova resolução fará autônomos perderem serviço, diz Ivar

“Junto com essa nova tabela, saiu resolução que obriga as empresas a emitir um documento chamado CIOT, que tem um custo para os embarcadores quando eles vão efetuar o transporte de carga com o caminhoneiro autônomo”, disse o representante da categoria.

De acordo com Ivair, os embarcadores terão que descontar de seus bolsos um valor sobre o custo da operação de transporte para pagamento de um imposto. Num frete de R$ 10 mil, por exemplo, R$ 400 terão que ser recolhidos aos cofres públicos.

“Foram os autônomos que pediram essa regra, mas na minha concepção ela vai acabar prejudicando os próprios autônomos. O embarcador vai arcar com os custos, então ele vai priorizar os embarques com o transportador grande, quando não é necessário fazer esse desconto”, justificou.

A tabela de frete, atualizada há cada seis meses, foi criada em 2018 durante o governo do então presidente Michel Temer, após greve dos caminhoneiros.

Na ocasião, estradas foram bloqueadas e houve uma crise de abastecimento no país. Entidades do agronegócio e empresas são contra a tabela, por achar que viola a livre concorrência. A norma terá constitucionalidade analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O julgamento, marcado inicialmente para setembro de 2019, deve ocorrer em fevereiro deste ano.

Impacto nos preços

Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) vê com preocupação o reajuste da tabela. Para a entidade, o piso mínimo agrava distorções no transporte de cargas e terá impacto direto nos preços dos produtores que chegam aos consumidores.

“O resultado será o aumento da inflação, já que a política de preços mínimos trouxe distorções para a economia e a consolidação da tendência iniciada no ano passado de verticalização do transporte de cargas na indústria, por meio da compra de frota própria de caminhões”, destaca a nota da CNI.

Autora de uma das ações que contesta a criação da tabela do frete no Supremo Tribunal Federal (STF), a CNI aguarda o julgamento sobre o assunto, previsto para 19 de fevereiro.

A entidade argumenta que a política de piso mínimo “viola os princípios da livre iniciativa, da livre concorrência e de defesa do consumidor” já que o frete impacta diretamente o preço final dos produtos.

Para o consultor jurídico da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Frederico Favacho, outro problema na atualização feita na semana passada foi a inclusão de novos itens no cálculo de custos. “Incluir novos elementos a cada atualização traz insegurança jurídica”.

Com relação aos caminhoneiros, o reajuste foi considerado pela categoria como insuficiente. Representante da classe, Wallace Landim (Chorão), defendeu um aumento entre 15% e 18% como forma de compensar o desgaste de pneus, o gasto com diária dos motoristas e a alta do diesel.

Fonte: Agro News Brasil

QUER RECEBER NOSSOS CONTEÚDOS NO SEU WHATSAPP?
MANDE UMA MENSAGEM COM SEU NOME CLICANDO NO NÚMERO

042-98800-6519





RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS NO E-MAIL

Seu e-mail (obrigatório)


17 comentários em “Tabela de frete não resolve o problema dos caminhoneiros, diz liderança

  • 02/02/2020 em 17:39
    Permalink

    A Nova Tabela de Fretes 2020 está Muito Abaixo do que a Tabela de Fretes do Ano 2019, Estão querendo Mesmo é Quebrar os Caminhoneiros Autônomos e ao Brasil com Certeza. O Diesel não Abaixam nos Postos Combustíveis, só nas Distribuidoras sem nenhuma Clareza aos Brasileiros. Vai ficar Pior para as Empresas e ao Brasil com Certeza!! 👎👎

    Resposta
  • 29/01/2020 em 18:37
    Permalink

    OQUE ADIANTA ESTA TABELA SE NIGUEM PAGA, E SE VC NÃO CARREGA ABAIXO, OUTRO VAI E CARREGA.SEM FISCALIZAR E MULTAR O EMBARCADOR, NAO ADIANTA DE NADA.VEJA NA KLABIN, ELA PAGA UM VALOR ATE ACIMA DA TABELA, MAS O ATRAVESSADOR COME 30%, ENTAO ADIANTOU OQUE.SE NAO FISCALIZAR NAO VAI ADIANTAR.

    Resposta
  • 28/01/2020 em 07:12
    Permalink

    A imprensa distorce muito, sempre a favor dos grandes… 1º: o CIOT é para todos então não tem como prejudicar o autonomo, embora poucos utilizem; 2º: é PISO MINIMO e NÃO TABELA, assim como tem salário minimo, preço minimo de produtos agrícolas etc… Vamos focar na legislação vigente, assim a figura do atravessador que enriquece as custas do autonomo sem comprar um pneu sequer, desapareceria e o rumo será diferente: Lei 11442/2007; Resolução 4799/2015; Resolução 5862/2019; Resolução 5867/2020; Portaria nº 19 de 20/01/2020 ANTT.

    Resposta
  • 27/01/2020 em 16:26
    Permalink

    Quer dizer que a causa do aumento de todos os custos para população vai ser por causa da tabela do frete quando tem o aumento dá gasolina , água , luz , telefone etc. Nada repassa só a tabela do frete que vai causar todo esse tumulto que falta de respeito é vergonha com a classe do camioneiro.

    Resposta
  • 27/01/2020 em 15:38
    Permalink

    Todo seguimento tem que se unir, pra buscar forcas para lutar por resultados mais justos. Sem união, é lutar contra a mare. União é sinônimo de FORCA, VITÓRIA…

    Resposta
  • 27/01/2020 em 14:44
    Permalink

    Tudo isso aí e culpa do Sistema .

    Resposta
  • 27/01/2020 em 14:34
    Permalink

    O problema precisa ser encarado com mais seriedade. Frete no Brasil não é ruim, a grande questão é que até um agenciador de pátio de posto, consegue atravessar os fretes e ganhar mais que o transportador autônomo. A título de experiência , carreguei esses dias um frete de Joinville para Recife, 4 entregas, o valor do CTe da primeira entrega pagava todo o meu frete. O falta é regulação para que quem efetivamente faz o transporte ser remunerado convenientemente!

    Resposta
  • 27/01/2020 em 14:06
    Permalink

    O problema do caminhoneiro é que eles aceitaram ser coitadinhos até hoje,e as empresas se aproveitaram disso,quanto mais quebrados eles(Caminhoneiro) estiverem, mais os grandes vão se aproveitar prá manipular os preços,falta mais valorização na classe de Caminhoneiro, todo ramo tem prosperidade menos o caminhão que quem coloca o preço são os outros, temos que tomar vergonha na cara.

    Resposta
  • 27/01/2020 em 13:25
    Permalink

    O problema de hoje dos caminhoneiro Nossa classe caminhoneiro é um imposto sobre o óleo diesel tá muito alto você coloca r$ 2000 de óleo diesel pode r$ 900 950 dependendo do estado vai para o governo é muito dinheiro é muito imposto Aí ninguém aguenta trabalhar mais

    Resposta
  • 27/01/2020 em 12:54
    Permalink

    Boa tarde curto , grosso, direto e objetivo paralisação de motorista de ônibus tem aumento resolvido agora vem dizer que por causa dessa tabela que nunca funcionou vai tudo ficar mais caro pro consumidor que por conhecidencia somos nós jogando contra os trabalhadores

    Resposta
    • 27/01/2020 em 14:44
      Permalink

      Vou resumir o problema do frete em uma só palavra: TRANSPORTADORAS.

      Resposta
  • 27/01/2020 em 12:47
    Permalink

    Nos autônomos queremos a tabela. Deixa as empresas comprar caminhão a vontade. Hora que somar custo motorista, manutenção e depresiasao do bem vai ver que ainda vale apena pagar a tabela. Se acabar com os motorista autônomo hai o setor produtivo morre juntos porque nos autônomo não vamos trabalhar de emprego pra ninguém. Isso pode ter certeza muda de ramo mais não vai ser escravo de ninguém. Na minha opinião o país crescendo na velocidade que está vai faltar caminhão. Esse cara que diz que nos representa já se vendeu para acabar com o piso mínimo de frete.

    Resposta
  • 27/01/2020 em 12:06
    Permalink

    Um dos maiores problemas do transportador autônomo entre outros e a livre exploração por parte das transportadoras e atravessadores do frete eles nos obrigam a qualquer valor quase sempre abaixo do piso porque não a nada para impedir se ouvesse bloque do ciot para todos essa iniciativa moralizados o frete de volta do norte do centro oeste e nordeste que tanto nós exploram .

    Resposta
    • 27/01/2020 em 12:20
      Permalink

      Claro, porque se vc não carregar toma um tiro na cara do atravessador é da empresa né? O frete tá assim pq tem OTARIO que carrega frete blsta

      Resposta
    • 27/01/2020 em 12:21
      Permalink

      O piso mínimo e não tabela no caso dos retornos do norte centro oeste norte e nordeste e outras negociações ameniza a livre exploração do transportador autônomo que tanto e massacrado pisoteado o ciot para todos moraliza.

      Resposta
  • 27/01/2020 em 11:54
    Permalink

    Aprendi há muito tempo que “NÃO PODEMOS COLOCAR PREÇO NA MERCADORIA DOS OUTROS”. Simples princípio que o pessoal de governo jamais entenderá , pois não apreenderam pelas nossas experiencias que “tabelamento” seja lá do que for, eé impossivel funcionar.

    Resposta
    • 27/01/2020 em 12:51
      Permalink

      O caminhão e meu como estou colocando preço nas coisas do outros…….Se quer pagar de graça que compre caminhão

      Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!