Conheça o primeiro caminhão Mercedes-Benz fabricado no Brasil

por Blog do Caminhoneiro

Corria o ano de 1956, quando a Mercedes-Benz iniciou sua linha de montagem de caminhões no Brasil. Em São Paulo foi construída a primeira fábrica da montadora fora da Alemanha, graças a incentivos do governo do Brasil para atração de indústrias.

A inauguração da fábrica ocorreu no dia 28 de setembro de 1956, e poucos dias depois, saia da linha de montagem, o primeiro caminhão produzido pela montadora, um L-312, conhecido como Torpedo. Neste ano, a montadora comemora 65 anos da produção desse lendário modelo.

Esse primeiro caminhão foi batizado, recebendo o nome de Milena. As duas fotos abaixo, registros raros, foram publicados por Sigmar Merz, em um grupo do Facebook.

O primeiro

Hoje, o L-312 é um modelo raro de ser visto, já que foi produzido em pequena escala, e por somente dois anos no Brasil.

O L-312 era impulsionado pelo motor OM-312, com 4,6 litros e seis cilindros, com potência total de 112 cavalos e torque de 264 Nm. Esse motor já contava com tecnologias de emissão, como a antecâmara de combustão, que proporcionava uma queima mais eficiente do combustível, evitando a emissão de fumaça preta.

Esse modelo oferecia capacidade de carga de 6 toneladas, e era considerado um caminhão médio. A cabine era semiavançada, e o apelido Torpedo se deu pelo formado do capô do veículo.

Diferente da maioria dos caminhões da época, movidos à gasolina, os novos L-312 rodavam com diesel, uma solução mais eficiente, e que era amplamente divulgada pela montadora nas publicidades, que garantiam a máxima economia de combustível.

Um dos encartes mostrava justamente isso, dizendo que o caminhão rodou 525 km, entre Rio de Janeiro e São Paulo, gastando somente 89,2 litros, mesmo carregado com 5 toneladas. A média relatada foi de 17 litros por 100 km, ou 5,88 km/l.

Além da economia, o caminhão tinha cabine confortável para a época, era fácil de dirigir, e garantia alta durabilidade, com matérias de revistas da época relatando modelos rodando mais de 600 mil km sem abrir o motor.

O caminhão permaneceu em produção por dois anos, sem grandes mudanças no visual ou mecânicas, e cedeu lugar para o modelo LP-321, de cara-chata, em 1958/1959.

Em 1964, com a chegada do modelo L-1111, a Mercedes-Benz criou sua mais bem sucedida linha de caminhões, com mais de 200 mil unidades vendidas até a década de 1980.

Apesar de ser um modelo raro, o L-312 foi um modelo determinante para o estabelecimento da MB no Brasil e também para convencer os caminhoneiros que o diesel era mais eficiente que a gasolina, mesmo em uma época de combustíveis muito baratos.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!