Produção do Arocs evidencia flexibilidade da linha de produção de caminhões da Mercedes-Benz

por Blog do Caminhoneiro

A Mercedes-Benz foi uma das primeiras empresas do país a contar com uma linha de produção com conceitos de Indústria 4.0. Esse inovador processo agrupou a montagem de todos os caminhões, dos modelos leves aos extrapesados, e a logística de peças num sistema único, moderno, integrado e inteligente de produção, baseado em tecnologia digital, conectividade, Big Data, dados na nuvem e Internet das Coisas.

A chegada ao mercado do Arocs 8×4, caminhão extrapesado basculante para mineração, construção civil pesada e grandes obras de infraestrutura, reforça uma das características marcantes da Indústria 4.0, que é a flexibilidade da linha de montagem. O Arocs entra normalmente no sistema de produção, agregando apenas as especificidades deste modelo off-road, como máquinas, dispositivos e equipamentos novos para sua montagem e pré-montagem específica de conjuntos e subconjuntos.

“Os colaboradores receberam treinamento para o novo veículo e estão no comando das tecnologias, visando alcançar os altos padrões de qualidade, produtividade e flexibilidade da nossa linha 4.0 de caminhões. Isso ocorre desde que inauguramos a linha 4.0, em 2018, e a linha de Cabinas, em 2019, e novamente está em evidência com a chegada do gigante Arocs. Agora, no mesmo sistema de produção, montamos qualquer modelo e tamanho de caminhão, do Accelo ao Arocs, passando pelas famílias Atego, Axor e Novo Actros”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

Essa é a primeira vez que um modelo 8×4 é montado dentro da linha de produção da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo.

“O modelo antecessor do Arocs, o basculante Actros 8×4, lançado em 2007, era 100% importado. Anos depois, passou a ser produzido em Juiz de Fora, mas a cabina foi sempre importada. O Arocs traz então mais essa novidade, sendo totalmente produzido em São Bernardo do Campo, com as cabinas vindas da nossa planta de Juiz de Fora”, destacou o executivo.

Com a montagem final do Arocs na unidade paulista, vários equipamentos e máquinas foram transferidos da fábrica mineira, como, por exemplo, o dinamômetro. Foram mais de 50 toneladas de material, transportadas por cinco carretas, potencializando assim o reaproveitamento de recursos. Isso reforça o conceito de economia circular, de acordo com os princípios de sustentabilidade ambiental na Mercedes-Benz.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!