Qual a mais indicada: Carretas convencionais ou pranchas carrega-tudo?




Qual é o melhor veículo para o transporte de cargas com peso concentrado, mas que não excedem as dimensões regulamentares?

Vira e mexe, empresas especializadas no transporte de cargas superpesadas e superdimensionadas, quando transportando cargas como a da imagem, em pranchas, são surpreendidas com a determinação de agentes da PRF para transposição da carga para carretas convencionais, do tipo carga seca.

Como se vê, trata-se de uma carga com peso concentrado, mas que, quando em transporte, não produz nenhum excesso de dimensão à luz da resolução 210/06 do Contran e, por essa razão, não é considerada carga indivisível.

Não sendo considerada carga indivisível, não deve a mesma, com base no Art. 101 do CTB, ser transportada em veículos especiais, do tipo prancha carrega-tudo, como no caso em questão.

O problema é que, apesar de não ultrapassarem as dimensões máximas permitidas, cargas como essa apresentam peso excessivamente concentrado, o que pode tornar o seu transporte menos seguro quando feito em veículos e combinação de veículos projetados para o transporte de carga geral.

O Art. 101, que regulamenta o transporte de cargas indivisíveis, faz referência igualmente ao excesso de peso e ao excesso de dimensões. Mas, enquanto estabelece claramente os excessos de dimensões, não apresenta a mesma acuracidade no que se refere aos pesos máximos permitidos para cargas concentradas.

LEIA MAIS  PRF apreende carreta com restrição judicial na BR-163

Art. 101. Ao veículo ou combinação de veículos utilizado no transporte de carga indivisível, que não se enquadre nos limites de PESO e dimensões estabelecidos pelo CONTRAN, poderá ser concedida, pela autoridade com circunscrição sobre a via, autorização especial de trânsito, com prazo certo, válida para cada viagem, atendidas as medidas de segurança consideradas necessárias.

Daí advém a pergunta: qual o melhor veículo para transportar a carga do exemplo acima, ou uma bobina de aço com peso altamente concentrado: um carreta carga seca ou uma prancha do tipo carrega-tudo?

Não há dúvida sobre a resposta. Sem dúvida, uma prancha carrega-tudo, por uma série de razões: resistência estrutural, capacidade de carga, altura do centro de gravidade, melhores condições para amarração, etc.

Mas então o que faz com que muitos policiais e agentes públicos proíbam e até multem as empresas que fazem uso de pranchas para o transporte de cargas com peso concentrado, mas que não apresentam excessos de dimensões?

Simplesmente a falta de previsão legal, em especial de duas questões fundamentais:

LEIA MAIS  PRF flagra o transporte de 93,5 toneladas de excesso de peso no MT

1. obrigatoriedade de que as carretas convencionais informem o diagrama de carga, indicando qual a carga concentrada máxima, que podem transportar;

2. definição objetiva, no sentido de que, para determinado peso/por metro linear, o transporte da carga seja obrigatoriamente feito em veículos especiais, como as pranchas carrega-tudo

Em outras palavras, além de definir o peso por eixo e por conjuntos de eixos máximos, assim como, as dimensões máximas, é preciso que a resolução 210/06 do Contran faça referência a limites para distribuição de carga, no caso de cargas com peso concentrado.

Com a palavra, o CONTRAN!

Texto de João Batista Dominici, presidente da Logispesa, Editor do site Guia do TRC e Fundador da Escola de Transportes




Um comentário em “Qual a mais indicada: Carretas convencionais ou pranchas carrega-tudo?

  • 10/10/2018 em 11:27
    Permalink

    Muito interessante !
    Esclarecedor.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!