Frota de Caminhões: tipos de caminhão para o seu negócio




Existem tantos modelos de caminhão disponíveis que é difícil saber qual é o ideal para sua empresa.

Para a logística empresarial funcionar a pleno vapor é necessário usar o caminhão que ofereça o melhor custo-benefício em 5 fatores:

  1. Uso de combustível
  2. Capacidade de carga do veículo Vs. demanda de carga da empresa
  3. Custos de manutenção
  4. Qualificação do motorista
  5. Distância do trajeto

Com as informações deste artigo, você conseguirá identificar qual modelo de caminhão atende melhor os 5 fatores que listamos acima.

Confira abaixo tudo sobre veículos utilitários, VUC, caminhão semipesado, pesado e as carretas!

#1 Veículos Utilitários

Definir os veículos utilitários é uma tarefa difícil. O motivo é que o termo “utilitário” nos transportes passou a mudar com a aplicação dele para veículos de família grandes (as SUVs). Os food trucks também são considerados utilitários.

Apesar disso, no que concerne a logística, os veículos utilitários são os furgões, vans e picapes. Embora não sejam “caminhões”, colocamos aqui no artigo, pois são cruciais no transporte para os pequenos negócios.

Dimensões dos veículos utilitários

Devido à diversidade de veículos que encaixam nessa categoria, as dimensões e capacidade de carga entre modelos varia drasticamente.

Por isso, confira as dimensões médias dos furgões, vans e picapes abaixo:

Furgão

  • Comprimento:4,3 – 5,6 m
  • Largura:2m
  • Capacidade de carga:650 – 1500 kg

Van

  • Comprimento:5 – 6,5 m
  • Largura:1,9m
  • Capacidade de carga:1500 kg

Picape

  • Comprimento:4,4 – 6 m
  • Largura:1,6 – 2 m
  • Capacidade de carga:700 – 1030 kg

Prós dos utilitários

  • Custo baixo (modelos a partir de R$ 47 mil)
  • Circula em ambientes urbanos como se fosse um carro convencional
  • Ótima escolha para pequenos agricultores, quem faz artesanato ou pequenos fretes urbanos
  • Estacionamento fácil
  • Manutenção barata comparado aos outros veículos desta lista

Contras dos utilitários

  • Capacidade de carga limitada
  • Não recomendado para fretes intermunicipais (embora seja possível, mas gera desgaste)

#2 VUC: Veículo Urbano de Carga (¾)

O Veículo Urbano de Carga (VUC) é um modelo eficiente para as grandes metrópoles. Em uma cidade enorme como São Paulo com 20 milhões de habitantes, o VUC consegue fazer entregas rapidamente e ainda escapa das restrições municipais para outros caminhões. É também conhecido como caminhão ¾.

Dimensões do VUC

Embora a capacidade de carga seja igual em todo o Brasil (3 toneladas), o comprimento e largura do VUC muda em cada município do país. O motivo é que a lei que define o VUC é definida por cada cidade e não tem cobertura nacional.

Confira abaixo as dimensões da VUC em algumas capitais brasileiras:

CIDADE LARGURA (M) COMPRIMENTO (M)
Salvador (BA) 2,2 6,5
Rio de Janeiro (RJ) 2,6 6,5
Recife (PE) 2,3 6
São Paulo (SP) 2,2 7,2
Curitiba (PR) 2,2 7
Belo Horizonte (MG) 2,3 6,5
Fortaleza (CE) 2,2 6,3

Prós do VUC

  • Circula na maioria das cidades sem restrições
  • Perfeito para entregas locais
  • Compatível com diversas mercadorias, como fretes de e-commerce até alimentos refrigerados
  • Custo baixo (em torno de R$ 70 mil)
  • Fácil para estacionar e descarregar (pode ser feito até na rua)

Contras do VUC

  • Não opera bem em estradas (frete entre municípios)
  • Você fica limitado a fretes pequenos e urbanos

História do VUC

Quando a cidade de São Paulo estabeleceu a Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC) em 1986, os caminhões pesados não podiam mais transitar no município.

Assim havia uma brecha: a cidade precisava do transporte de mantimentos para funcionar, mas proibiu os caminhões convencionais, pois estavam causando congestionamento.

A prefeitura de São Paulo se reuniu com comerciantes e montadores de veículos para pensar em um novo tipo de veículo. Após muito debate, o VUC foi criado em 1997 e desde então pode circular livremente pela capital paulista.

A experiência de São Paulo deu tão certo que outras cidades também implementaram zonas de restrição e liberaram o VUC para circulação. Infelizmente isso criou um problema de falta de uniformidade na legislação – cada cidade possui regras diferentes para as dimensões máximas do VUC e assim um modelo de São Paulo não pode circular em Recife, por exemplo.

Dessa forma, as montadoras precisam criar vários modelos, aumentando os custos de produção em vez de criarem apenas um tipo de VUC com abrangência nacional.

#3 Caminhão semipesado (toco)

O semipesado é um caminhão muito popular no Brasil. Para se ter ideia, o modelo de caminhão mais vendido ano passado foi o semipesado Constellation da Volkswagen.

O motivo é a compatibilidade com diversos tipos de carga e carrocerias como baú, slider, frigorífico e tanque. Além disso, sua capacidade de carga é a medida certa para muitas indústrias nacionais.

Dimensões do semipesado (toco)

Os caminhões semipesados podem carregar até 6 toneladas de carga e possuem 2 eixos e 14 metros de comprimento.

Prós do semipesado (toco)

  • Compatível com diversos tipos de carroceria (baú, slider, refrigerado, plataforma, grade baixa, basculante e tanque)
  • É o caminhão mais barato para fretes grandes intermunicipais, com modelos novos por R$ 196 mil. Veículos usados giram em torno dos R$ 145 mil

Contras do semipesado (toco)

  • Não é o ideal para trajetos longos (inter-regionais), acarretando maiores custos de combustível e manutenção.
  • Maior incidência de multas comparado aos modelos maiores de caminhões (diversos motoristas excedem o limite de peso sem perceber)
  • Menos seguro que os caminhões maiores em estradas de terra

História do semipesado (toco)

O primeiro caminhão dessa categoria no Brasil foi o L-312 da Mercedes-Benz, lançado em 1956. Era carinhosamente chamado de “torpedo” devido ao formato “narigudo” e carregava até 6 toneladas de carga.

Depois, foram lançados caminhões que não seriam “semipesados” hoje, mas que na época preenchiam esse papel. São os modelos L-1111 e L1113 da Mercedes-Benz, que carregavam até 7 toneladas (1 tonelada a mais que permitido por lei hoje).

Os fabricantes Ford, Scania e Volvo também disponibilizavam caminhões toco há anos no Brasil: modelos populares eram o F-7000 (Ford, 1977), L-111 (Scania, 1976) e Titan (Volvo, 1953).

#4 Caminhão pesado (truck)

Esse modelo é chamado de 6×2, porque tem 6 rodas e dois eixos tracionados pelo motor. Existe um terceiro eixo que não é motorizado, mas fornece estabilidade para todo o caminhão.

Dimensões do pesado (truck)

A maioria dos modelos possui até 14 metros de comprimento, 2,2 metros de largura, 3 eixos e carrega até 14 toneladas.

Prós do pesado (truck)

  • Compatível com carrocerias maiores que o semipesado (maior capacidade de carga)
  • Maior durabilidade para fretes inter-regionais

Contras do pesado (truck)

  • Custo alto (modelos novos saem em torno de R$ 430 mil)
  • Se você não conseguir “lotar” o caminhão até a capacidade máxima você perde dinheiro com combustível

#5 Carreta

Esse tipo de caminhão é diferente dos outros, no sentido em que sua definição depende tanto do caminhão “em si” mais o tipo de semi-reboque que está transportando.

Cavalo Mecânico

É uma cabine com eixo simples. Esse caminhão é compatível com dois tipos de carreta:

  • Dois eixos:Cavalo mecânico + semi-reboque com 2 eixos
  • Três eixos:Cavalo mecânico + semi-reboque com 3 eixos

Cavalo Mecânico Trucado (LS)

É uma cabine com eixo duplo. Com isso, consegue carregar mais carga. Com ele é possível ter várias “combinações” com semi-reboques:

  • Carreta Cavalo Trucado:Cavalo mecânico trucado + semi-reboque com 3 eixos
  • Bitrem (treminhão): Cavalo mecânico trucado + dois semi-reboques unidos com 7 eixos
  • Rodotrem: Cavalo mecânico trucado + dois semi-reboques unidos com 9 eixos
  • Tritrem: Cavalo mecânico trucado + três semi-reboques unidos com 9 eixos

Dimensões da carreta

Devido à grande quantidade de combinações possíveis, as carretas podem variar entre 16 até 30 metros.

Por isso, estão entre os caminhões mais qualificados para grandes cargas já que a quantidade de semi-reboques pode ser alterado conforme a necessidade da transportadora.

A capacidade de carga varia entre 52 até 77 toneladas, a maior entre todos os caminhões.

TIPO DE VEÍCULO EIXOS COMPRIMENTO
MÁXIMO (M)
CAPACIDADE MÁXIMA
DE TRANSPORTE (TON.)
VUC (3/4) 2 7,2 3
Toco 2 14 6
Truck 3 14 14
Cavalo Mecânico Simples 2 Conforme o semirreboque Conforme o semirreboque
Cavalo Mecânico Trucado 3 Conforme o semirreboque Conforme o semirreboque
Conjunto Carreta 2 eixos +
Cavalo Mecânico Simples
4 18,15 33
Conjunto Carreta 3 eixos +
Cavalo Mecânico Simples
5 18,15 41,5
Bitrem 7 19,80 57
Rodotrem 9 30 74

Prós da carreta

  • Melhor opção para indústrias de carga pesada como a graneleira (soja), mineradora e a canavieira
  • Os motoristas de carreta são especializados em carga pesada, o que diminui os riscos de avarias dos bens durante transporte

Contras da carreta

  • É eficiente somente com cargas pesadas, o que pode não ser benéfico para a indústria manufatureira ou e-commerce
  • Requer um alto investimento para aquisição do veículo, que pode girar em torno de R$ 600 mil dependendo da combinação escolhida

Saiba mais no Guia Completo para Gestão de Frota, CLICANDO AQUI.