O arriscado transporte do mármore de Carrara

por Blog do Caminhoneiro

O mármore de Carrara é uma das grandes matérias-primas da Itália. O país europeu tem várias montanhas com bilhões de toneladas da pedra branca em seu interior. Desde a época dos imperadores romanos, a extração do mármore movimenta a economia de diversas regiões. Essas pedras ornamentais são usadas para decoração de ambientes e também para esculturas, como as obras do artista Michelangelo.

Até o início do século 20, o transporte das grandes pedras era feito com carroças puxadas por bois. No final do século 19, uma ferrovia foi construída no local, e reduziu o esforço do gado no transporte. Porém, a partir de 1960, os caminhões viraram parte da paisagem no local.

Um dos motoristas que trabalham no local é Andrea Landi. Neto e filho de caminhoneiros que trabalharam na mesma operação, ele seguiu os passos dos mais velhos por considerá-los heróis.

“Tanto meu pai quanto meu avô dirigiram seus caminhões até as pedreiras e, na época, eles trabalhavam em condições muito mais severas”, diz ele. “Toda vez que eles voltavam para casa, eu via o fim de uma aventura épica”.

“Eles se tornaram figuras mitológicas e eu queria imitar seus feitos. Minha paixão nasceu ao ver suas dificuldades, sua luta constante contra a gravidade, contra os elementos e o terreno em que dirigiam, sem mencionar os riscos que a montanha impõe”, complementa o caminhoneiro.

Andrea trabalha em um imponente Scania G 500 XT 8×8. Apesar da operação do veículo ser muito mais simples do que antigamente, esse ainda não é um trabalho fácil.

Com o avanço da mineração, cada vez mais as minas ficam mais distantes e mais elevadas, com escavações sendo feitas no alto de montanhas. Andrea trabalha na pedreira 133, que fica no alto de uma dessas montanhas, e que é acessível apenas por uma estrada de terra, com diversas curvas fechadas e inclinações que chegam perto de 30%.

Mesmo com um veículo de passeio não é possível fazer todas as curvas com uma única manobra. Com os caminhões, muitas vezes uma curva significa até cinco manobras para frente e para trás.

O Scania G 500 XT 8×8 de Andrea tem motor de 13 litros, com 500 cavalos de potência, e carrega blocos de mármore de até 25 toneladas sobre a carroceria. Para descer a montanha, o único jeito é usar marchas baixas e muito freio motor e retarder.

Em geral, os blocos de mármore são cortados da montanha com 3 metros de comprimento por 2 metros de largura e 1,6 metro de altura, e o peso varia entre 24 e 25 toneladas. Para distribuir o peso, duas grossas vigas de madeira são posicionadas na carroceria. Os blocos são presos no caminhão com cabos de aço.

O peso é tão concentrado, que em algumas manobras durante a descida da montanha, as rodas dianteiras chegam a sair do chão.

Andrea é caminhoneiro, mas também dono de uma empresa com outros nove caminhões. Dois modelos 8×8, e os outros são 8×4, e operam em uma mina mais próxima.

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

2 comentários

Muribeca 26/12/2019 - 13:39

Pessoal do Espiríto Santo dá uma gargalhada com uma notícia dessa. Aqui, fora os FH 540, é até difícil encontrar cavalo com mais de 500 cv no transporte da rodovia com bitrem e vanderleia, quem dirá na pedreira. Ai não tem jeito, só mula, 1934, 35, 38, NL… Peso ?! Nunca nem vi, excesso até aonde foi e não deu mais. Essa operação apresentada na matéria, da forma que foi apresentada, é extremamente segura. Aqui a banda toca diferente mas, nunca veremos a imprensa mostrando a realidade do bloqueiro, apenas crucificando. Aqui sempre será o errado da história, mesmo estando certo, tal do produto proibido! Fazer igual o amigo disse, dá um pulinho aqui, Alto Lage tbm, duvido quem desce junto na cabine. Famoso carteira no bolso, 1ª reduzida, porta aberta e mão na maçaneta.

Reply
Bloqueiro da noite 26/12/2019 - 13:19

Da um pulo ali em Castelo, Mutum ou Ecoporanga no ES que vão mostrar o que é descer a pirambeira, não com 1 mas 2 blocos de uma vez.

Reply

Escreva um comentário