ARTIGO: A relação de trabalho do caminhoneiro autônomo

por Blog do Caminhoneiro

O Brasil é um país composto de um modal rodoviário muito amplo, eis que 58% do transporte de cargas e passageiros no país, segundo dados do Banco Mundial, é feito através desta modalidade.

No ano de 2018, o país passou por uma profunda paralisação, popularmente conhecida como “greve dos caminhoneiros”, na qual transportadores autônomos de cargas e motoristas empregados paralisaram as estradas do país por 11 (onze) dias. Isso causou um impacto negativo no Produto Interno Bruto do país, que chegou a ter crescimento projetado para 3% ao ano, mas devido ao movimento foi retardado para 1.3% ao ano, demonstrando o poder desta categoria.

Assim, é evidente que são poderosos quando unidos, estes que circulam em alguns destes milhões de quilômetros de rodovias, com bens que valem muitas vezes mais do que o próprio veiculo automotor do condutor, os transportadores autônomos de carga, figuras simples, são demasiadamente importantes para o funcionamento de toda a logística do país.

Tecidas essas considerações, os transportadores autônomos de cargas são figuras as quais são donas do próprio caminhão, devidamente inscritas no RNTRC e que realizam contratos de frete com uma empresa de transporte de carga, para deslocar um bem ou material de um local para o outro.

Havia muita dúvida no setor se tal relação caracterizaria vínculo de emprego ou ensejaria uma relação comercial, como estabelecida pela Lei 11.442/2007, e tal questão foi diversas vezes questionadas no judiciário.

Assim, para por um fim á questão, o Supremo Tribunal Federal julgou procedente a Ação Direta de Constitucionalidade nº 48, proposta pela Confederação Nacional dos Transportes – CNT e improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3961 proposta pela ANAMATRA e ANPT, reconhecendo a constitucionalidade da Lei 11.442/2007, e com isso, que, se presentes os requisitos da lei, é configurada uma relação comercial de natureza civil.

Trata-se de decisão importantíssima para o setor de transporte, pois encerra discussão de longa data, em especial sobre a possibilidade de terceirização no transporte rodoviário de cargas.

Desta feita, tal decisão confirmou que os dispositivos legais questionados não violavam qualquer disposição constitucional, pois estão fundamentados nos princípios da livre iniciativa e da liberdade de exercício de qualquer ofício ou profissão.

Artigo de Bruno Pelegrini – OAB/SP nº 443.896

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

3 comentários

Gilmar 25/06/2020 - 12:50

E quanto aos motoristas de carteira assinada, vão morrer em cima de um caminhão? com a nova lei de aposentadoria! Isso ninguém fala ou se manifesta.

Reply
Marcelo 25/06/2020 - 10:50

O caninhoneiro é uma classe muito forte. Pena que não sabe a importância que tem nesse país e com isso acaba sendo desvalorizado.

Reply
José fortunato Moreschi 24/06/2020 - 20:34

2 anos eo STF nada dó pisso minimo dê frete às empresas compra caminhão fiado eles usam até acabar a carência devolve os caminhão pras empresas lavar dinheiro foi um prato cheio coperativa fazenda serealista tem que ser placa branca eles pucham os frete deles não dao pra terceiro guando acaba eles vão puchar pra terceiro isso tá errado cade a NTT pra fiscalização nó Paraná tem empresas que comprou caminhão .com finalidade de abrir concordata pra não pagar 2010 no pró camioneiro que era pra ser prós autônomo não saiu nada tinha empresas quê davam até 50 mil reais pró gerente de banco

Reply

Escreva um comentário