Mercedes-Benz coloca o Axor 2036 como substituto do Atron 1635

por Blog do Caminhoneiro

A Mercedes-Benz produziu neste mês, em sua fábrica de São Bernardo do Campo (SP), a última unidade do extrapesado Atron 1635. Com isso, concluiu uma longa trajetória de sucesso dos caminhões “bicudos” no Brasil, modelos que ajudaram a construir e consolidar a presença da marca nas estradas do País.

Para continuar atendendo com a mesma qualidade e confiabilidade tanto os autônomos, como os frotistas, a Mercedes-Benz anuncia que o sucessor do 1635 é o consagrado extrapesado Axor, com os cavalos mecânicos Axor 2036 4×2 e 2536 6×2. Além disso, a marca acaba de lançar também novas versões desses mesmos modelos, que asseguram ainda mais robustez para aplicações típicas do Atron. Com os caminhões Axor, a marca oferece mais força e capacidade de carga aos transportadores, mantendo, ao mesmo tempo, atributos amplamente reconhecidos do Atron, como robustez e resistência.

“O Atron concluiu sua missão com êxito. Ele é o último representante de uma geração de caminhões com cabina semiavançada lançada há 31 anos e que deu um salto de qualidade, modernidade e eficiência no mercado brasileiro. Entre eles, eu destaco os extrapesados LS 1935 e LS 1941, antecessores do Axor, e os médios e semipesados de 12, 14, 16 e 23 ton de PBT, substituídos depois pelo Atron e, hoje, pela linha Atego”, informa Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

“Como antecipamos na Fenatran do ano passado, a produção do Atron seria encerrada este ano, dentro de um processo natural de evolução tecnológica de nossa linha de caminhões. O Axor irá manter aquilo que os clientes já conhecem e aprovaram no Atron 1635, agregando ainda mais valor em qualidade, desempenho, economia, conforto e tecnologia. Temos certeza que os clientes logo perceberão esses ganhos, como aconteceu com o Atego em lugar de outros Atron desde 2016”, destaca Leoncini.

A linha de caminhões com cabina semiavançada, que seria denominada “Atron” a partir de 2012, começou a ser comercializada no Brasil em 1989, com os médios L 1214 e L 1218 e os semipesados L 1414, L 1418 e L 1618. Um ano depois, vieram os extrapesados LS 1935 e LS 1941 e vários outros modelos.

O extrapesado Atron 1635 foi lançado em fevereiro de 2012. Até o mês de maio de 2020, foram emplacadas mais de 4.200 unidades no País. A região Sudeste é a que mais compra esse Mercedes-Benz: foram mais de 2.750 unidades nesse período. A maior preferência por estado é de Minas Gerais, com mais de 1.500 caminhões, seguido por São Paulo, com 650 unidades.

“O Atron 1635 ganhou ampla aceitação no mercado por sua versatilidade em aplicações como basculante, graneleiro, prancha carrega tudo, porta-contêiner, tanque de combustível, produtos químicos, GLP e outros”, diz Leoncini. “Em Minas Gerais, por exemplo, é o preferido dos caçambeiros, daí o expressivo volume histórico de emplacamentos no Estado. A substituição do Atron pelo Axor também reforça o compromisso ‘As estradas falam. A Mercedes-Benz ouve. E entende os Sotaques’. Vamos seguir trabalhando para sempre oferecer novas soluções e vantagens para quem transporta, seja o autônomo, o motorista e o frotista”.

Axor 2036 e 2536 oferecem mais força e capacidade de carga

Os extrapesados Axor 2036 4×2 e 2536 6×2 substituirão o Atron 1635 trazendo mais vantagens em desempenho e capacidade de carga para os clientes. A começar pela força do motor OM 457 LA de 360 cv de potência (15 cavalos a mais), com 1.850 Nm de torque a 1.100 rpm (400 Nm a mais). A capacidade máxima de tração (CMT) do Axor é de até 80.000 kg (30.000 kg a mais). O terceiro eixo de fábrica do Axor 2536 6×2 permite plenamente as configurações de semirreboques até 53 ton de PBTC (peso bruto total combinado).

Assim como o Atron 1635, o Axor vem equipado com caixa de 16 marchas. O destaque é que recebe o câmbio automatizado Mercedes Powershift G 280, que oferece mais conforto ao motorista e otimiza o consumo de combustível, reduzindo o custo operacional e aumentando a rentabilidade para o cliente.

Com versões 4×2 e 6×2, cabina Leito Teto Baixo ou Leito Teto Alto, ar condicionado, climatizador, câmbio automatizado e disponibilidade de eixos traseiros com ou sem redução nos cubos, o Axor atenderá com vantagens as mais variadas aplicações dos clientes do Atron. Além de assegurar a robustez e resistência típicas do Atron, os caminhões Axor oferecem mais benefícios, como o eixo dianteiro para 6 toneladas que atende à Lei da Balança.

Novas versões customizadas ampliam opções de escolha para os clientes

Para atender a demandas específicas de clientes do Atron 1635, a Mercedes-Benz criou uma nova versão básica com cabina Leito Teto Baixo, banco pneumático standard, revestimento de vinil para o interior da cabina e para os bancos, preparação para instalação de rádio/toca CD, câmbio automatizado Mercedes Powershift G 280, eixo traseiro HL-7 com redução nos cubos, relação de eixo traseiro i=4,14 e bloqueio transversal de diferencial.

Além dessa configuração, a marca, por meio de seu Centro de Customização, criou o “kit parachoque fora de estrada”, com parachoque em aço, estribo articulado, grade dos faróis, barra e protetor do cárter do motor. Esses elementos deixam o caminhão mais robusto e resistente a impactos decorrentes de operações em vias não pavimentadas e solos irregulares.

“Essa flexibilidade de configurações do caminhão reforça o posicionamento do Axor como o caminhão extrapesado de melhor custo/benefício do mercado, atendendo às necessidades dos clientes do nosso Atron”, conclui Leoncini.

Linha Axor trouxe mais de 60 inovações nos últimos anos

Com mais de 60 inovações introduzidas em seus modelos on e off-road, a linha Axor é a que a mais evoluiu nos últimos anos. Os clientes ganharam em economia (freio a tambor e piloto automático inteligente), conforto para o motorista (suspensão pneumática da cabina, novo posto de trabalho com nova geração de bancos e nova cama e túnel interno da cabina rebaixado) e força (motor com mais torque, 2ª geração de câmbios automatizados e novos sistemas de segurança: ABS+ASR+EBD).

Entre os destaques do Axor incluem-se: túnel do motor rebaixado, banco pneumático para o motorista, volante multifuncional, tacógrafo digital, freio a tambor para operações mistas, eixos sem redução nos cubos, câmbio totalmente automatizado Mercedes PowerShift com funções EcoRoll, Power e Manobra para modelos rodoviários, distribuição da força de frenagem (EBD), sistema de controle de tração (ASR), freio ABS, retarder (opcional), auxílio de partida em rampa (HSA), ar condicionado e climatizador, além de outros itens.

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

9 comentários

Gato Preto 04/07/2020 - 12:53

Até que em fim acabaram com o destruidor de colunas vertebral.
Caminhão bicudo só serve para os americanos que amam esses troços, goostam de caminhonetes de tamanho quase que de caminhão e de carros enormes, para o Brasil tem de ser frontal mesmo!
Já possui bicudos médios, hoje tenho Atego 3030, isso sim é cabine de caminhão, quem pensa ser bom andar de bicudão, faça o trajeto de Feira de Santana a Fortaleza nessa 116 pior do mundo e quando chegar procure um ortopedista para te dar uns analgésicos!
Hoje as cabines parecem mais uma casa bem confortável, dá para ficar de pé ao trocar de roupas, camas com excelente ergonomia, e conforto sem sentir os impactos das estradas.
Já vai tarde bicudão!

Reply
Bruno 02/07/2020 - 23:23

Tenho 4 mercedes um 2035 2006 capa de revista, um 2540 e 2 mulas 1634 todas na caçamba em Minas!
Resumindo
Média das 1634 1.67 a 1.80
Media dos axxor 1.30 a 1.50
Na mesma rota!
Só o 2540 e trucado! Axxor e bom mas bebedor

Reply
Guilherme 02/07/2020 - 16:46

Deixou de fabricar o melhor modelo que tinha…o modelo que pensava em segurança, força, boniteza e diferença, era diferenciado de todos os outros caminhos, agora tu pega as outras marcas e vê que é tudo quase igual, parece que engenheiro cópia um do outro

Reply
Rene 02/07/2020 - 14:10

Como q a Mercedes para de fábricar um caminhão q um dos campeões em vendas no estado de Minas?

Reply
Luiz Carlos 02/07/2020 - 12:29

É UM belo caminhão eu desejo um dia possuir um desse

Reply
André 01/07/2020 - 21:34

Realmente eu também sou fã do bicudo pois tenho uma muriçoca 1418 no truck e é um ótimo Caminhão .a Mercedes não deveria ter parado a fabricação desses caminhões

Reply
Alexander Valeriano 01/07/2020 - 19:28

Confortável??? Nenhum Mercedes Bens tem a não ser os veículos de passeio. Pode ser robusto pq até a manutenção não é tão barata assim.Gracas a Deus parou a fabricação desses veículos q acabam c a coluna dos motoristas de caçamba aqui de Minas. Esses caminhões são bons p proprietário agora p nós motorista Deus me livre. Trabalho em um pq tenho família p criar.

Reply
Cláudio Gualbert 01/07/2020 - 15:37

Esses Axor não tem conforto nenhum para motorista, pula mais que mula. Os caminhões bicudo Mercedes eram mais confortáveis, frontal não agrado e a maioria dos companheiros de estrada reclama do conforto do Axor tbm, trabalho num Axor a dez anos, manutenção é tranquilo não dá problemas , freio retardo , direção ótimo, mas o conforto é péssimo.Gracas a Deus este ano irão trocar a frota .

Reply
Vinícius 01/07/2020 - 12:41

Depois dessa virei fã da Volvo e da Scania. Fhoda-se M. Benz, os únicos modelos mais robustos do seu portfólio eram os bicudos, eles faziam de você mais próxima do motorista de caminhão Raiz (exceto os ze droguinhas de hoje em dia). Agora que você acabou com eles, para mim você já não é mais a estrela da estrada. Hoje é só mais uma na multidão das marcas sem relevância.

Reply

Escreva um comentário