Gerdau inicia testes com o primeiro caminhão de mineração a gás do Brasil

por Blog do Caminhoneiro

A Gerdau é a primeira empresa a realizar testes com um caminhão a gás fora-de-estrada do Brasil. O caminhão, um Scania G 410 6×4, será usado pela empresa na mina Várzea do Lopes, localizada em Itabirito-MG, e o caminhão será operado pela empresa Fagundes Construção e Mineração.

A entrega do caminhão aconteceu ontem, pela concessionária WLM Itaipu. O caminhão começará a ser usado amanhã. Os motoristas que irão usar o modelo receberão uma capacitação específica, para transportar minério de ferro e estéril.

“Há cerca de 120 anos, trabalhamos para conectar pessoas que constroem um futuro mais colaborativo e sustentável. A parceria com a Scania, com a solução do caminhão a gás natural, é um exemplo de uma ação virtuosa. Além das questões econômicas e ambientais, prezamos pela estruturação de uma cadeia local de produção e abastecimento, que resulte em desenvolvimento social e econômico sustentável”, explica Vinicius Fernandes de Moura, gerente-geral de Suprimentos da Gerdau.

Para a Scania, a opção viável para mudança imediata na matriz energética do transporte é o uso do gás natural ou do biometano, que tem grande potencial de redução de consumo e de emissões de CO² em relação ao diesel.

“A Scania vem liderando a transição para um sistema de transporte mais sustentável. O caminhão a gás vem sendo um sucesso no modal rodoviário. Agora, vamos inovar outra vez o mercado fora de estrada. Uma ação que também é inédita globalmente para a marca. Portanto, é da Gerdau o primeiro caminhão movido a gás da história da mineração no Brasil, e do mundo para a Scania. Temos certeza que os resultados vão surpreender e criar tendência”, diz Silvio Munhoz, diretor de Vendas de Soluções da Scania no Brasil.

Desde que iniciou as vendas dos caminhões a gás, na Fenatran de 2019, a Scania já vendeu mais de 60 unidades, todas, até agora, para operações rodoviárias.

“Na área da sustentabilidade é importante dar o primeiro passo e assumir compromissos de redução das emissões. Parabéns à Gerdau por acreditar que é possível tornar mais sustentável a operação logística na mineração”, completa Silvio Munhoz.

Sustentabilidade

O Scania G 410 6×4 a gás que será usado na mina da Gerdau em Minas Gerais usa uma caçamba com 16 metros cúbicos, e irá operar transferindo minério de ferro e estéril franco, um material sem possibilidade de aproveitamento econômico.

Para viabilidade da operação, a Logás irá instalar uma estação compacta dentro da própria operação para abastecimento do gás natural veicular no equipamento.

O caminhão é abastecido em cerca de 15 minutos, e o caminhão deverá consumir cerca de 10 metros cúbicos de gás por hora, com autonomia média de 250 a 300 quilômetros. Por ser uma operação fora-de-estrada, o caminhão irá rodar praticamente sem parar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

“Vamos acompanhar cada detalhe desta pioneira ação com todo o apoio da Casa Scania WLM Itaipu. Queremos oferecer ganhos importantes para o meio ambiente e o menor custo operacional ao cliente. O modelo vai utilizar o Programa de Manutenção Scania Premium Flexível, o mais completo da marca no país e adaptado às características da operação de mineração, que são diferentes do modal rodoviário. A Gerdau e a Fagundes também vão acompanhar o desempenho pelos dados obtidos pela conectividade, e aplicar melhorias onde seja necessário”, explica Fabrício Vieira, gerente de Vendas de Soluções para Mineração da Scania no Brasil.

Segurança e viabilidade

Para os modelos a gás, a Scania desenvolveu motores exclusivos, que operam em Ciclo Otto, semelhante ao de automóveis, contando inclusive com velas de ignição, e podem ser operados com gás natural, biometano ou uma mistura em qualquer proporção dos dois gases.

Esses caminhões tem garantia de fábrica, como qualquer modelo diesel, e a tecnologia é confiável e segura. Além disso, esses modelos, por conta do ciclo do motor, são mais silenciosos e tem um desempenho praticamente idêntico ao de modelos diesel de mesma potência.

Os cilindros que armazenam o gás são construídos em uma liga especial, o mesmo tipo de material usado em ogivas de mísseis, e as válvulas são certificadas pelo Inmetro.

Em caso de qualquer anomalia, como um acidente, as três válvulas, de vazão, pressão e temperatura, liberam o gás para a atmosfera, garantindo segurança total e eliminando risco de explosão.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro | Fotos Rogério Augusto de Oliveira

COMENTAR

Artigos relacionados