DNIT passa a ser o responsável pela manutenção de rodovias do Paraná após desativação dos pedágios

1.877 quilômetros de rodovias federais paranaenses deixaram de ser administradas por empresas privadas neste final de semana. Com isso, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), vai assumir a conservação até que a nova concessão seja feita.

As praças de pedágio das rodovias federais, operadas pelas concessionárias Econorte, Viapar e Rodovia das Cataratas, foram desativadas a 0h deste sábado. Já os segmentos administrados por Caminhos do Paraná, Rodonorte e Ecovia foram desativadas a 0h de domingo (28).

Para evitar congestionamentos e garantir a segurança dos usuários nas praças de pedágio, o Dnit e a Polícia Rodoviária Federal, em conjunto com o governo do estadual – por meio do Departamento de Estradas de Rodagem e a Polícia Rodoviária Estadual –, trabalham em soluções técnicas adequadas para melhorar o tráfego nesses locais.

Durante o período sem as concessionárias, em função do fechamento dos pedágios, o fluxo de veículos no perímetro das praças será canalizado para as vias laterais das rodovias.

O Ministério da Infraestrutura prepara a concessão de mais de 3 mil quilômetros de rodovias paranaenses. O projeto das Rodovias Integradas do Paraná engloba os trechos que estão sendo absorvidos pelo Dnit. A modelagem da nova concessão já está em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O leilão e a assinatura de contato estão previstos para o primeiro semestre de 2022. A previsão é de que sejam investidos R$ 44 bilhões durante a vigência contratual.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal CAMINHONEIRO SEGUE TRABALHANDO AOS 90 ANOS DE IDADE