TST diz que motorista de ônibus elétrico deve receber adicional de periculosidade

por Blog do Caminhoneiro

A Metra (Sistema Metropolitano de Transportes) de São Bernardo do Campo, foi condenada pela Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho, a pagar adicional de periculosidade a um motorista que conduzia um ônibus elétrico, conhecido como trólebus, para a empresa. Para o TST, o motorista exercia suas atividades em contato habitual com o sistema de geração de energia elétrica e estava exposto a condições perigosas.

O motorista disse, no processo, que foi contratado pela empresa como motorista de trólebus em 2002 e dispensado, sem justa causa, em 2013. Segundo seu relato, sua rotina incluía o engate manual das alavancas do ônibus na rede elétrica, com voltagem de 600 volts. Após o engate e a energização do veículo, ele conduzia o veículo dentro do seu itinerário. Também era comum, de três a quatro vezes na jornada, o reengate das alavancas, que comumente se soltam da rede elétrica, ocasionando a parada do ônibus.

Ele pedia diferenças salariais a título de adicional de periculosidade equivalente a 30% do salário, em razão do contato habitual com o sistema elétrico de potência, por entender que trabalhava exposto aos mesmos riscos que um eletricista.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) reformou a sentença da 7ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo (SP) para excluir o pagamento do adicional. De acordo com o TRT, o artigo 193 da CLT prevê que as atividades ou operações consideradas perigosas devem estar definidas nas normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho, o que não teria ocorrido no caso.

No recurso de revista no TST, o motorista argumentou que, ainda que sua atividade não estivesse prevista no rol de profissões descritas no regulamento do Ministério do Trabalho, o laudo técnico pericial constatara que ele desempenhava suas funções o tempo todo em contato com o sistema elétrico energizado.

O relator, ministro Cláudio Brandão, destacou que o trabalhador que exerce suas atividades em contato habitual com sistema de geração de energia elétrica está exposto a condições perigosas, sendo irrelevante que o serviço seja realizado em sistema elétrico de potência.

“O que importa é a caracterização do trabalho em área de risco, de forma intermitente e habitual, nos termos da legislação em vigor”, afirmou.

No mesmo sentido, o ministro destacou a jurisprudência do TST, que considera devido o adicional de periculosidade aos empregados que trabalham em sistema elétrico de potência em condições de risco ou com equipamentos e instalações elétricas similares que ofereçam risco equivalente, ainda que em unidade consumidora de energia elétrica.

Como o Tribunal Regional confirmou que o motorista trabalhava nessas condições, quando efetuava reengates na rede elétrica e reiniciava o veículo junto à caixa de força, o ministro determinou o pagamento da indenização.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!