Transportadora é condenada por grave acidente em pedágio no ano passado

por Blog do Caminhoneiro

Uma transportadora do Paraná foi condenada ao pagamento de indenização a uma das vítimas de um grave acidente, ocorrido em março do ano passado, em uma praça de pedágio na BR-050, em Campo Alegre de Goiás. A 4ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado de Goiás reconheceu recurso e mantive sentença do primeiro grau para condenar a empresa proprietária de veículo que causou o acidente, ao pagamento de R$ 20 mil.

O acidente ocorreu no dia 28 de março de 2021, na BR-050, no município de Campo Alegre de Goiás. A carreta da transportadora não freou e abalroou, em alta velocidade, contra as cabines de pedágio da empresa Ecovias (concessionária), o que resultou em quatro vítimas fatais e outras oito feridas. Assim, a autora da ação, que é funcionária da empresa concessionária que administra a rodovia e trabalhava em uma das praças de cobrança de pedágio, alega que o acidente acarretou a ela prejuízo psicológico e perda de audição.

Ao analisar os autos, o juiz relator Dioran Jacobina Rodrigues, afirmou que, na sentença, o juiz condutor do feito apreciou todas as questões de fato e de direito suscitadas nos autos, bem como apresentou as razões de seu convencimento, restando, pois, presentes os requisitos exigidos no artigo 489, do CPC.

“Como se sabe, o Supremo Tribunal Federal, por meio da Súmula 492, firmou o entendimento no sentido de que a empresa locadora de veículos responde, civil e solidariamente com o locatário, pelos danos por este causados a terceiro, no uso do carro locado”, ressaltou o magistrado. Ainda conforme ele, isso significa dizer que o proprietário do veículo é responsável solidário com o condutor pelos danos causados em acidente de trânsito, porquanto, na condição de dono da coisa, conserva o dever de guarda e zelo, devendo responder pelo uso inadequado do automóvel. É a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ)”, destacou Dioran Jacobina.

Causa

O magistrado refutou ainda o argumento da recorrente de que, nesse caso, a responsabilidade civil deve ser afastada, diante da caracterização de caso fortuito e força maior, uma vez que o acidente foi provocado por um mal súbito do motorista que faleceu durante o acidente, o que inviabilizou a realização de perícia para apurar a causa mortis. De acordo com Dioran Jacobina, conforme consta no Boletim de Ocorrência “o fator principal foi a falta de reação do condutor de V1 ante a parada na praça de pedágio”.

“Observa-se, portanto, que o motorista do automóvel deu causa ao acidente. Nesses termos, há nos autos elementos suficientes para comprovar o nexo de causalidade entre a conduta e o resultado, motivo pelo qual está a recorrente obrigada a reparar o dano causado”, salientou, ao citar os artigos 186 e 927, ambos do Código Cível.

Danos Morais

Para o relator, os danos morais são aqueles que violam os direitos da personalidade, como a honra, o nome e sua intimidade. E, o relatório médico confeccionado por médica psiquiatra, dá conta que a mulher, após o acidente, foi diagnosticada com um quadro de fobia, insônia, instabilidade emocional, ansiedade extrema, ou seja, um quadro de reações ao estresse grave e transtornos de adaptação. O documento comprova, ainda, que a autora ficou afastada de suas funções laborais por 90 dias. Além disso, ela esteve internada em um hospital com quadro de ansiedade e pânico.

“O relatório assinado por um médico faz prova de que a recorrida possuía uma perda auditiva progressiva e que houve piora da perda de frequências graves, após o acidente de trabalho, com explosão, podendo justificar a piora súbita. Ademais, a autora sofreu fratura no rádio distal do punho esquerdo, bem como a contusão óssea do côndilo femoral lateral do joelho esquerdo. Assim, a severidade da lesão física, a incapacidade transitória para atividades laborais e os diversos transtornos em decorrência da gravidade do acidente, qualificam-se como fatos que ultrapassam os meros aborrecimentos cotidianos, não havendo, pois, dúvidas acerca da configuração do dano moral sofrido pela autora, ora recorrida”, frisou o relator.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

1 comentário

RENÊ COSTA 27/04/2022 - 21:52

A RODOVIA BR 050 NÃO FUNCIONA TELEFONES, OS CAMINHONEIROS TENTARAM AVISAR PRF E NADA, ABISARM PESSOALMENTE AOS FUNCIONÁRIOS DA PRAÇA DE PEDÁGIOS E NINGUÉM FEZ NADA PARA EVITAR MORTES NO LOCAL . CABE RESSALTAR QUE NA BR 050 NÃO PONTOS DE APOIOS AOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS PARA DESCANSOS .O QUE HÁ SÃO ASSALTOS CONSTANTES , BANDIDOS ARAMADOS ASSALTANDO ÔNIBUS E CAMINHÕES INCLUSIVE A NOITE.. ISSO JÁ É ANTIGO DE SABER PÚBLICO A TODOS CIDADÃOS BRASILEIROS.

Reply

Deixe um comentário!