Fretebras revela as rotas mais vantajosas para ajudar os caminhoneiros a enfrentarem a alta no diesel

por Blog do Caminhoneiro

Os constantes aumentos do diesel têm impactado diretamente os caminhoneiros do Brasil. A partir desta terça-feira (10), a Petrobras anunciou um novo reajuste, de 8,87%, que faz culminar numa alta acumulada de 47% somente em 2022. Diante deste cenário e com o objetivo de levar informações úteis aos caminhoneiros, a Fretebras, maior plataforma online de transporte de cargas da América Latina, analisou mais de 3 milhões de fretes publicados em sua plataforma, entre janeiro e abril de 2022, para identificar as rotas mais vantajosas em todo o Brasil.

Segundo o estudo, para os motoristas que trabalham com veículos leves, o melhor preço de frete seria com origem em Alagoas, já que poderiam receber, em média, R$ 266 a cada 100 quilômetros rodados. Se o transporte for feito em caminhões semipesados, a rota mais vantajosa é partindo de Tocantins, onde o frete seria de R$ 451 a cada 100 km. Já para os veículos pesados, o melhor preço seria no Amazonas, com o pagamento de R$ 643 a cada 100 km. Entretanto, para os cargueiros maiores, os fretes com origem no Maranhão são uma melhor oportunidade, já que o estado nordestino tem um volume de cargas maior e o preço médio é parecido com o do Norte (R$ 618 a cada 100 km).

O resultado do estudo foi simplificado com o objetivo de facilitar a consulta dos motoristas na hora de planejar possíveis rotas.

Bruno Hacad, Diretor de Operações da Fretebras, destacou que “os motoristas que fazem o cálculo do custo do frete, buscando o máximo de informações antes de aceitar uma carga, e que conseguem negociar com as transportadoras a partir desse custo, naturalmente acabam tendo um rendimento bem melhor”.

Para apoiar os motoristas a planejar melhor suas negociações, a Fretebras oferece uma calculadora de custos do frete, dentro do seu aplicativo. É um recurso gratuito que os caminhoneiros podem usar para conhecer os diferentes gastos do trajeto, aumentando o poder de negociação e contribuindo para eliminar os prejuízos na hora de aceitar um frete. “Ter em mãos os valores e fazer as contas é algo essencial para conseguir ter vantagem nos fretes. Por isso, indicamos que o caminhoneiro não aceite fretes sem calcular o custo antes e que tenha sempre uma reserva de emergência, afinal os imprevistos acontecem durante a viagem”, orienta Hacad.

Rotas com maior volume demonstram demanda aquecida

A Fretebras também analisou as rotas com mais demanda, levando em consideração aquelas que tinham, pelo menos, 100 mil fretes publicados entre janeiro e abril. O destaque fica para o estado de São Paulo, que registrou mais de 640 mil fretes no período, seguido por Minas Gerais, com 535 mil. Também se destacam os transportes de cargas originados do Paraná (330 mil), Goiás (236 mil), Rio Grande do Sul (233 mil), Mato Grosso (185 mil), Santa Catarina (160 mil) e Bahia (139 mil).

O estudo ainda levantou os tipos de produtos mais transportados, levando em consideração três grandes setores da economia brasileira. No agronegócio, os destaques ficaram para os fertilizantes, soja e milho. No setor da construção civil, estão o cimento, telha e pisos. Já entre os produtos industrializados: alimentícios, máquinas e equipamentos e siderúrgicos.

“Na Fretebras, assumimos o compromisso de ajudar os caminhoneiros com dados e informações, para que eles possam continuar nesta profissão que é fundamental para o nosso País. Esperamos que, com as informações que geramos a partir dos fretes publicados em nossa plataforma, eles possam enxergar as oportunidades e trabalhar de forma otimizada”, finaliza Hacad.

1 comentário

Marcelo F. Silveira 25/05/2022 - 22:03

No fretebras agora as transportadoras tomam conta com o tal do complemento. Maioria dos fretes é complemento . Já vi complemento de 8 tonelada e não adianta filtrar que mesmo assim a carga completa do seu veículo sempre vai ser complemento e nada de fiscalizar

Reply

Deixe um comentário!