MP que reduz o gatilho do diesel no preço do frete ainda não é conhecida por caminhoneiros

Uma pesquisa conduzida pela Fretebras mostra que a grande maioria dos caminhoneiros desconhece a Medida Provisória 1.117/2022, assinada na terça-feira (16) pelo Governo Federal, que reduz o gatilho de aumento da tabela de preço mínimo de 10% para 5% de reajuste do diesel. A consulta foi feita com mais de 1.300 caminhoneiros de todo o país. Dos que sabem do que se trata a MP, a maior parte não acredita que essa medida irá ajudar a aumentar o preço do frete.

Como forma de tentar amenizar as constantes altas do preço do diesel, que já acumula aumento de 47% somente em 2022, o governo federal alterou a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, criada pela Lei 13.703, de 2018. Foi reduzida de 10% para 5% a oscilação do preço do diesel necessária para que a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) publique nova norma com preços mínimos de frete.

Porém, segundo a pesquisa da Fretebras, 79% dos caminhoneiros ainda não tiveram conhecimento dessa ação. Entre os que já estão sabendo da novidade, 54,8% afirmaram que não acreditam que isso ajudará a subir o preço do frete.

MP deve ajudar a puxar o preço do frete para cima

O diretor de Operações da Fretebras, Bruno Hacad, relata que a mudança na MP tem como ponto positivo o fato de que os reajustes mais frequentes na tabela devem ajudar a puxar o preço do frete para cima, justamente pela força de referência da tabela. “O tempo de repasse dos custos vai ser menor e isso significa que os caminhoneiros poderão cobrar mais pelo frete, antes do previsto. Isso pode diminuir o risco de desabastecimento, que é o pior que poderia acontecer neste momento de inflação muito alta.”

Segundo especialistas da Fretebras, as movimentações do governo são importantes, mas elas demoram para gerar um impacto real no Transporte Rodoviário de Cargas. Hacad afirma que é necessária uma mudança na atitude dos caminhoneiros, para gerar um impacto mais positivo no curto prazo. De acordo com o executivo, “é preciso que o caminhoneiro negocie mais e melhor, usando mais informações como referência para a sua negociação. É extremamente importante que eles busquem a máxima eficiência do caminhão, o que significa saber quantas viagens o caminhão deve fazer para garantir mais rentabilidade. E somar tudo isso ao uso de ferramentas digitais que o ajudem a calcular bem o custo e maximizar o lucro”.

Para Hacad, o contraponto do gatilho mais baixo é que o consumidor poderá sentir antes o impacto de um frete mais caro e isso fará com que os preços dos produtos sejam cada vez maiores, já que o frete representa uma parte grande do custo da mercadoria.

Metodologia

A pesquisa foi feita com uma base de 695 mil caminhoneiros ativos da Fretebras, no dia 18 de maio de 2022, através de canais digitais acessados pelos motoristas.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

5 comentários

Vamderley Alves dos santos 25/05/2022 - 18:10

Pesquisa da fretebras kkk parece até piada .
Não sabe ela que divulgar frete abaixo do piso mínimo tbm gera multa a maioria dos fretes ofertados na plataforma estão abaixo do piso se ela mesma quisesse poderia dar uma força a nós caminhoneiros exigindo que o frete oferecido fosse ofertado acima do piso .

Reply
Marco Rocha 25/05/2022 - 13:02

Essa medida nada adianta se não tiver fiscalização se multar as empresas 3 vezes o valor do frete acredito que pode mudar ficaria melhor ainda se multasem também o camioneiro que fazer o frete menos que a tabela

Reply
Jean Seregati 24/05/2022 - 19:56

Oque se deve fazer que que realmente funcione o piso de frete, o CIOT deveria travar se não estivesse no valor adequado de local A até B, porque só o caminhoneiro que tem que amortecer todas as variações dos custos tirando do seu lucro ????????? Sinceramente eh desmotivante ser caminhoneiro no Brasil, PRF cobra até oque não existe, óleo diesel uma nogeira de caro e ainda os posto batizam , um pneu 3 mil, e o motorista fora de casa comendo pão seco com água as vezes.

Reply
Sadi 23/05/2022 - 22:34

Esse tipo de medida é a mesma sensação de estar enxugando gelo.
Pois é a ANTT que é o órgão responsável por fiscalizar o cumprimento da mesma e a única coisa que eu vi hoje a ANTT fazer é ir nas balanças das rodovias multar os caminhoneiros.

Reply
Juliano 23/05/2022 - 18:44

Eu acho muita falta de honestidade de algumas TRANSPORTADORA, SONEGAR PAGAR O FRETE JUSTO AO SEU COLABORADOR.

Reply

Deixe um comentário!

Na década de 1980, caminhão elétrico já era realidade no Brasil Conheça os caminhões mais vendidos do Brasil em novembro Caterpillar apresenta caminhão gigante totalmente elétrico Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA