Movimentos femininos ganham força no setor de transporte

Um estudo do Instituto Paulista do Transporte de Carga (IPTC) de 2021 demonstra um fenômeno que vem ganhando força há alguns anos: o aumento da presença feminina no setor de transporte rodoviário de cargas no estado de São Paulo. Segundo o órgão, associado ao Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo e Região (SETCESP), o número de mulheres no setor aumentou em 61% em relação ao ano anterior.

Áreas como administrativa e comercial hoje possuem representatividade feminina acima de 50%, mas no setor operacional a disparidade ainda é gigante: as mulheres correspondem a apenas 1,51% dos motoristas contratados.

No cenário nacional, essa porcentagem é ainda menor. Segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), as mulheres representam apenas 0,5% do total de caminhoneiros do Brasil.

Nesse contexto, a criação e o fortalecimento de movimentos femininos no setor se fazem necessários e vêm crescendo e dando frutos. O Movimento Vez & Voz, por exemplo, é uma iniciativa do SETCESP e pretende fomentar o crescimento feminino dentro do próprio setor, além de atrair novos talentos para o transporte rodoviário de cargas (TRC).

Na mesma linha de atuação, há também trabalhos como do Movimento A Voz Delas, da Mercedes-Benz, que busca conscientizar a sociedade por meio de parcerias sobre a importância e das necessidades das mulheres que estão nas estradas, caminhoneiras e cristais (como são conhecidas as esposas dos caminhoneiros). Além dele, existe o Programa Rota Feminina, que busca contribuir para a evolução da diversidade de gênero no ecossistema logístico.

Presidente executiva do SETCESP, Ana Jarrouge é a idealizadora do Movimento Vez & Voz. Segundo ela, “esses movimentos dão voz para muitas mulheres, fazendo com que suas histórias alcancem outras, formando assim um círculo virtuoso de pessoas para falar sobre o transporte rodoviário de cargas e começar a atrair um novo público para o setor”.

Mesmo com o aumento da presença dentro do ecossistema do TRC, a infraestrutura ainda é um impeditivo para que muitas profissionais ingressem no setor. Assim, um dos principais pontos de atuação de alguns desses movimentos é, justamente, lidar com esse tipo de problema com ações e boas parcerias.

“A falta de infraestrutura é possivelmente a principal reclamação dessas profissionais. Em um país onde mais de 60% da produção é movimentada por caminhões, a infraestrutura deveria ser o principal. O Movimento A Voz Delas atua ativamente na realização de ações de conscientização para a melhoria da infraestrutura, informando gestores de frota, empresários, embarcadores e associações sobre o benefício de oferecer uma estrutura adequada e com olhar humanizado para a profissional do transporte. Outra ação foi reformar completamente um banheiro de estrada em péssimas condições em parceria com o posto onde estava localizado. Isso gerou um aumento de 10% do volume de faturamento, demonstrando que cuidar das pessoas também gera retorno para o negócio”, conta Flávia Abrahão, analista de marketing e comunicação da Mercedes-Benz.

A abertura dessa discussão e desses espaços também é responsável por trazer benefícios para a diversidade de todo o setor, como conta Geisa Trevisan, gerente de projetos e comunicação da IC Transportes e voluntária no Movimento Rota Feminina: “Já sentimos o impacto positivo, principalmente nas empresas de transportes, que estão criando oportunidade e estrutura para receber mulheres nesse ecossistema. Além de apoiar o movimento divulgando e engajando pessoas de todos os gêneros a falar sobre diversidade, é preciso esclarecer que isso traz muito mais benefícios do que custos.”

É notável que a pauta vem ganhando cada vez mais importância, quando um evento como a Fenatran, maior feira do setor na América Latina, abre um dia inteiro de sua programação de fóruns para a discussão da presença feminina no transporte rodoviário de cargas.

“Foi muito inspirador e surpreendente. Tivemos excelente público, atento e motivado com a causa. Somado a isso, a visitação em nosso espaço do Vez & Voz foi além das nossas expectativas. Em poucos dias percebemos o quanto é importante tratar disso. Ouvimos ali mesmo histórias incríveis e vamos divulgá-las para que sirvam de inspiração para muitas mulheres que sonham entrar para o setor ou mesmo para aquelas que nem imaginam que podem desenvolver uma carreira dentro do TRC”, declarou Ana Jarrouge.

Esse tipo de ação, em que são trocadas ideias, informações, dados e exposições de resultados, é crucial para a mudança de mentalidade e reforça a importância da existência desses movimentos, como frisa Geisa Trevisan: “O Movimento Rota Feminina atua fortemente para melhorar as condições de diversidade, levando principalmente informação a empresas, a profissionais e a jovens que ainda não estão no mercado de trabalho. Acreditamos que a informação pode abrir portas que nem imaginamos. O envolvimento e a parceria entre transportadoras para falar sobre esse tema mostram exatamente onde podemos e devemos melhorar.”

Por fim, a união de todos esses movimentos vem se provando um grande acerto e o caminho para resultados cada vez mais satisfatórios.

“O apoio e a união são fundamentais; todos temos um propósito em comum. No entanto, cada um, dentro de sua atuação, tem objetivos que podem e devem ser compartilhados e divulgados de forma conjunta. Acredito muito na força e na união para que os resultados sejam alcançados de forma mais rápida e assertiva. Todas ganham”, finaliza Jarrouge.

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Conheça o NIKOLA TRE movido a hidrogênio Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal