Conheça Golias – O gigante devorador de gelo da tundra do Alaska

Para rodar em uma das regiões mais inóspitas do planeta, veículos comuns não são suficientes. Mesmo aqueles dotados de tração em todos os eixos sofrem sobre a tundra do Alaska, em regiões que não tem estradas.

Para realizar o transporte de cargas com até 50 toneladas de peso, o desafio é ainda maior. Por isso, em 2005 a empresa Peak Oilfield Service encomendou caminhões ATV’s, que significam all-terrain vehicle, ou veículo todo terreno.

Mas não se tratam de veículos convencionais, e sim de gigantescos caminhões, que rodam sobre bolsas de ar, e não pneus, que usam apenas 16 libras de pressão máxima.

Esse tipo de pneu especial foi desenvolvido por William Hamilton Albee na década de 1930, quando viu um grupo de pescadores no Alasca que usava sacos de pele de foca inflada para tirar um grande barco da água, e podia transpor obstáculos como pedras e troncos sem dificuldade. Leia mais sobre isso no link abaixo:

Rolligon: o gigante que faz massagem

Nesse caso, os caminhões foram construídos pela empresa Busby Marine a partir de 2005, atendendo à uma série de requisitos exigidos pela Peak Oilfield Service. O principal apelo era pela capacidade de carga, que precisa ser alta.

Esses caminhões transportam combustíveis, veículos, equipamentos de construção e até escritórios em contêineres, viajando por trechos lamacentos ou cheios de neve, onde não há estradas.

Os caminhões, que usam a cabine do Freighliner Argosy são montado sobre 16 grandes sacos de borracha, que são infladas entre 8 e 16 libras, conforme a carga transportada e a época do ano. Cada pneu mede 1,37 metro de diâmetro e 1,72 metro de largura.

O sistema de transmissão é diferenciado, já que o caminhão não pode usar um eixo convencional. As bolsas de ar são rodas livres, sendo acionadas por roletes instalados no chassi em cima delas.

Cada caminhão usada dois motores Caterpillar de 425 cavalos cada um. O primeiro motor é instalado atrás da cabine, e aciona todas as dez bolsas de ar do cavalo mecânico. Outro motor é instalado sobre a quinta roda, impulsionando os pneus da carreta.

Graças ao tipo de construção, praticamente não existem danos no solo do Alaska, a chamada tundra, uma cobertura vegetal que é formada por musgos, líquens e outras espécies de pequeno porte.

Mesmo assim, não é difícil atolar esses caminhões, e isso acontece especialmente depois de grandes nevascas, quando o chão está coberto por uma espessa camada de neve fofa. Por isso, as viagens são sempre realizadas com mais de um veículo.

Dentro da cabine, o operador do equipamento por controlar a pressão de cada bolsa individualmente, visando equilibrar a carga ou estabilizar a direção, por exemplo.

No verão, geralmente se roda com pressão mais baixa nos pneus, garantindo ainda menos pressão sobre a tundra.

No total, a empresa tem 31 caminhões ATV’s, fabricado por diversas empresas. Os dois maiores, das fotos, são os Goliath, ou Golias, com 37 toneladas, 15 metros de comprimento e 4,8 metros de largura. Cada um tem tanques para 3.500 litros de diesel, podendo ser estendidos para 5.600 litros.

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Conheça o NIKOLA TRE movido a hidrogênio Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal