DNIT aprimora avaliação estrutural do pavimento com auxílio de tecnologia australiana

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), por meio da Diretoria de Planejamento e Pesquisa (DPP), está trazendo ao Brasil uma nova e exclusiva tecnologia de serviço técnico especializado para caracterização de pavimentos rodoviários, trata-se da metodologia Intelligent Pavement Assessment Vehicle – iPAVe, com veículo TSD – o primeiro sistema de avalição de condição de superfície e subsuperfície totalmente integrado, fornecendo dados funcionais e estruturais na velocidade operacional da via. Por muitas décadas, e ainda hoje, a análise da condição estrutural é feita por dispositivos estacionários ou em movimento lento, causando situações perigosas no tráfego.

Atualmente, o DNIT realiza seus levantamentos com equipamentos especiais em ambiente sujeito a condições adversas, com a utilização do Veículo de Diagnósticos de Rodovias – VDR, capazes de obter o IRI, o Registro em Vídeo e o Levantamento Visual Contínuo de Defeitos, LVC. O IRI, mede as irregularidades do pavimento, que causam desconforto aos motoristas; o Registro em Vídeo, documenta a situação de uma rodovia em momento específico do tempo. Uma das finalidades deste registro é o cadastro de defeitos do pavimento, realizado pelo Levantamento Visual Contínuo.

Já o equipamento utilizado para avaliação estrutural do pavimento é o FWD -falling weight deflectometer. Para fins de planejamento, as leituras são realizadas a cada 200 m, alternados, e a leitura é feita com o carro parado na rodovia, o que exige uma série de ações de segurança, tais como a adoção de veículos batedores e sinalização ostensiva.

Porém, com o iPAVe, os dados de deflectometria são obtidos de forma contínua, aumentando de forma substancial o nível de informação e, consequentemente, a capacidade de entender com mais precisão a condição do pavimento. O componente chave do iPAVe é o Traffic Speed Deflectometer -TSD, equipamento capaz de escanear a capacidade de carga de uma rede rodoviária em velocidade de tráfego, minimizando, desta forma, o uso dos equipamentos tradicionais estacionários ou de baixa velocidade, aumentando a produtividade e diminuindo os riscos de acidentes. O TSD possui feixes de lasers Doplers que permitem obter a velocidade da deflexão do pavimento, oportunizando obter a curvatura gerada pelo eixo do veículo.

O veículo, de origem australiana, já se encontra em solo brasileiro, no pátio da alfândega de Santos, aguardando o término da montagem de equipamentos para realizar o levantamento de 13 mil quilômetros de rodovias federais, sob a jurisdição do DNIT. Com isso, a autarquia poderá obter uma representativa amostra em diferentes climas e condições geológicas para comparar com informações já existentes no banco de dados do órgão.

Além do levantamento, haverá apresentações do veículo TSD em 7 cidades, de diferentes estados, conforme o mapa abaixo:

As apresentações começarão por Cruz das Almas, no estado da Bahia, em seguida, Recife, Fortaleza, Teresina, Paraíso do Tocantins, no estado do Tocantins, Brasília e Juiz de Fora.

Em breve, o DNIT irá divulgar as datas das apresentações e o cronograma completo de levantamentos do veículo.

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Conheça o NIKOLA TRE movido a hidrogênio Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal