Brasil segue como quarto maior mercado automotivo

volvo - linha de montagem




A queda nas vendas em 2013 não tira do Brasil o posto de quarto maior mercado automotivo do mundo, conquistado em 2010. Isso porque a Alemanha, que disputou essa posição com o mercado brasileiro nos últimos quatro anos, registrou baixa ainda mais expressiva nos emplacamentos.

Enquanto no Brasil a demanda por carros caiu 1,5%, na Alemanha a retração no consumo chegou a 4% no ano passado, segundo levantamento da VDA, a entidade que representa as montadoras instaladas no país europeu. Com os 3,58 milhões de carros de passeio e utilitários leves emplacados em 2013, a vantagem brasileira em relação aos alemães subiu para pouco mais de 627 mil unidades, o equivalente a dois meses de venda.

Apesar disso, a Alemanha produziu 1,9 milhão de carros a mais no mesmo período. A diferença é que, enquanto as exportações das montadoras alemãs somaram 4,2 milhões de unidades no ano passado, os embarques do Brasil pouco passaram de 13% desse total. Embora tenha o quarto maior mercado do mundo, o Brasil, na produção de veículos, ocupa apenas a sétima posição no ranking global. Para reduzir essa diferença, as montadoras brasileiras cobram do governo incentivos a exportações.

Os dois outros países que poderiam ameaçar a quarta colocação ocupada pelo mercado brasileiro – Índia e Rússia – também registraram queda nas vendas de veículos em 2013, conforme dados ainda preliminares. Os licenciamentos no mercado russo recuaram 6% no acumulado até novembro. Já na Índia, dados da consultoria Jato Dynamics coletados até outubro mostram queda de 6,2%.

Os maiores mercados de veículos do mundo continuam sendo, nesta ordem, China, Estados Unidos e Japão. No mercado chinês, as vendas já se aproximavam de 20 milhões de carros no acumulado até novembro, com um crescimento de 13,5%. Nos Estados Unidos, o consumo de veículos leves também manteve a trajetória de recuperação no ano passado, marcando evolução superior a 8%, para 14,2 milhões de unidades, segundo dados também registrados nos onze primeiros meses de 2013.

O Japão tem se mantido na terceira colocação, mas suas vendas estão em queda desde que o governo local retirou estímulos dados para a compra de carros após o tsunami que atingiu o país em março de 2011. As vendas de veículos no Japão caíam 1,6% até novembro, num total de quase 5 milhões de unidades.

Uma pesquisa da consultoria KPMG com 200 executivos da indústria automobilística aponta expectativa de que o crescimento das vendas de carros será puxado nos próximos anos por países emergentes. Para 85% dos executivos que participaram do levantamento, o maior crescimento estará, até 2025, concentrado no chamado Bric, o grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia e China. Conforme o estudo, sete em cada dez montadoras esperam que o aumento das vendas venha desses países.

Fonte : Valor Econômico