PREGANDO UMA PEÇA – Mercedes Benz LP 321 6×2

por Blog do Caminhoneiro

Mercedes-Benz LP 321

Um grupo de caminhoneiros
o tempo todo viajando juntos.
Eram amigos, companheiros,
conversando sobre vários assuntos.

Evaldo Luiz, caminhoneiro
tinha Mercedes Benz turbinado.
Falava com ar zombeteiro
seu caminhão não seria alcançado.

Seu Mercedes cara chata
bem cuidado por seu dono.
Bom de mecânica e de lata.
Cama-leito para bom sono.

Os brutos dos seus amigos
o motor era convencional.
Caminhões mais antigos,
não encaravam o pau-a-pau.

Caminhoneiros no posto iriam parar.
Na estrada, o caminhões no labor.
Seus amigos, resolveram sacanear.
Puseram toco debaixo do acelerador.

Do caminhoneiro não rendia a viagem.
Pé no acelerador, caminhão não andava.
Seus amigos fizeram a ultrapassagem
e ele para trás só ficava.

Evaldo Luz inconformado
não entendendo o que acontecia.
Acelerava o seu trucado,
mas ele não desenvolvia.

No posto, ultimo a chegar.
Dos amigos, ouviu gozação.
Ele não conseguia se conformar,
mas aceitou a zoação.

Abriu a tampa do motor
e seus amigos dando risada.
Olhou o cabo do acelerador,
mas ali não tinha nada.

Um mecânico ia chamar.
O amigo falou não ser preciso.
Chamou-o para conversar
e do problema deu-lhe aviso.

Pequeno pedaço de madeira
ao acelerador prendia.
Daquela figura zombeteira,
agora todo mundo ria.

Evaldo Luiz levou na brincadeira
mas nos amigos daria troco.
Na saída, engatou primeira,
pela rodovia saiu como louco.

Na serra, longa subida,
O caminhão ia sem ajuda.
Soltava o bruto na descida,
e aí era um Deus-nos-acuda.

Lá na frente uma caroneira.
Ele não resistiu e fez parada.
Logo já metia a terceira
devorando aquela estrada.

Tendo a seu lado menina bonita
Evaldo Luiz diminuiu a velocidade.
Um dos amigos ao ver não acredita
ele acompanhado daquela beldade.

Muda marcha, chora a turbina.
Seu Mercedes na pista voa.
Ganha um chamego da menina
e segue dirigindo numa boa.

Final da tarde, a noite vem.
No posto, uma longa pausa.
Seus amigos, gente de bem
inconformados por sua causa.

Vendo o caminhoneiro acompanhado
de bela mulher na hora do jantar.
A noite dormiram a bordo do trucado,
sem preocupação de quando acordar.

Só Evaldo estava acompanhado
por aquela menina tão bela.
Tendo a jovem a seu lado,
ele tomou café com ela.

Deixou-a aonde ela queria
e seguiu com carga bem amarrada.
Á frente, aos amigos encontraria.
Final da tarde tomariam uma gelada.

ROBERTO DIAS ALVARES

COMENTAR

Artigos relacionados