Pneu recapado pode rodar até 500 mil km




Empresas que trabalham com transportes de cargas sofrem com o desgaste natural de pneus. A recapagem é uma alternativa que vem chamando a atenção de muitos empresários, tanto pela economia quanto pela preocupação ambiental. O processo, existente aqui no Brasil há mais de 30 anos e muito usado no exterior, consiste em colocar uma nova banda de rodagem no pneu após o uso de sua primeira vida, substituindo a banda de rodagem já gasta. Este serviço é feito somente em pneus de transporte de carga como caminhões, ônibus e tratores.

Fernanda Campioni, gerente de Pneus e Recapagem, empresa do Grupo Stéfani Ribeirão Diesel, explica que este processo prolonga a vida útil dos pneus em mais de 100%. Segundo ela, um pneu novo pode rodar, em média, 200 mil km – quando recapado, ele pode chegar até 500 mil km. “A economia de custo é enorme com a recapagem, pois se o cliente utilizar apenas o seu pneu novo, não recapando sua carcaça, ele está utilizando apenas 33% da vida útil do seu pneu”, alerta. A gerente explica ainda que a vida útil de um pneu de caminhão ou trator dura, uma média de cinco anos, que é o período de garantia da maioria dos fabricantes.

O processo de recapagem é ágil e pode ser feito e entregue no dia seguinte, levando cerca de cinco horas entre o processo produtivo e cozimento. Fernanda Campioni alerta que automóveis não são autorizados a fazer a recapagem, porque a carcaça deste tipo de pneu não foi tecnologicamente desenvolvida para ser recapada.

LEIA MAIS  Caminhoneiro denuncia roubo de peças de caminhão pelas redes sociais

Para saber se um pneu está próximo ao fim de sua primeira vida, a gerente explica que existe nos pneus novos um indicador de desgaste chamado TWI (Tread Wear Indicator). “O ideal é realizar a recapagem quando o pneu estiver com sua profundidade perto de 2 milímetros de borracha restantes”, explica. Segundo ela, são várias as vantagens: além da economia, o processo de recapagem prolonga a vida útil, além do descarte de menos pneus usados no meio ambiente. “É um fator que contribui com a economia para o cliente final e um serviço ambientalmente correto, certificado pelo Inmetro”, conclui.

O setor, regulamentado pela Portaria 444 (19 de novembro de 2010), é também fiscalizado pelo IPEM (Instituto de Pesos e Medidas). A reforma repõe no mercado mais de 8 milhões de pneus da linha de caminhão/ônibus por ano, enquanto a indústria de pneus novos repõe 6 milhões para o mesmo setor.

LEIA MAIS  Brasil não pode virar Venezuela, diz presidente da Mercedes-Benz no Brasil

Números de Recapagem no Brasil

  • Cerca de dois terços dos pneus de caminhão/ônibus, em uso, são reformados.
  • A produção de pneus reformados (caminhão e ônibus), em 2012, foi de 8,8 milhões de unidades;
  • A atividade gera mais de 250 mil postos de trabalho – somente as unidades reformadoras geram 40 mil empregos;
  • Existem no Brasil mais de 1.200 unidades reformadoras;
  • Proporciona uma economia para o setor de transportes de 7 bilhões de reais/ano;
  • Economia de 57 litros de petróleo por pneu reformado na linha caminhão/ônibus
  • O pneu reformado possui rendimento quilométrico semelhante ao novo, com custo 73% menor ao consumidor.




Deixe sua opinião sobre o assunto!