Nova tabela de fretes será suspensa pelo Governo Federal

por Blog do Caminhoneiro

O Ministério da Infraestrutura pediu hoje a suspensão cautelar da nova tabela da Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, conhecida como Tabela de Fretes.

A ANTT publicou a nova tabela na última quinta-feira, com a Resolução ANTT nº 5.849/2019. Nela foram apresentados novos valores para os fretes rodoviários, que contaram com estudos da Esalq-Log, e também com cinco audiências públicas, que receberam mais de 500 contribuições para criação da nova metodologia de cálculos dos fretes.

Além dos novos valores, a nova tabela conta com onze tipos de cargas, e também com atualização dos eixos dos veículos. A tabela antiga, vigente até o último dia 19 de julho, continha até um cálculo para veículos de 8 eixos, não previstos nas resoluções do Contran.

Apesar da atualização da tabela, os novos valores geraram descontentamento dos caminhoneiros. Veja a comparação abaixo:

Pela nova tabela, um frete de uma carga frigorificada de uma carreta LS (6 eixos), em um trajeto de 500 quilômetros, o valor a ser recebido é:

  • (500 x 4,0339) + 356,74 = 2.373,69 (sem adicionar valores extras*)

Pela tabela antiga, o mesmo frete e tipo de veículo. Essa conta leva em consideração a quilometragem, o custo por eixo e o número de eixos. Note que o valor da tabela nova (acima) é maior:

  • 500 x (0,74 x 6) = 2.220,00

Para a carga perigosa, a conta se inverte, a nova tabela apresenta valores menores. A simulação foi feita com um veículo de 9 eixos, para um distância de 500 quilômetros:

  • (500 x 4,9269) + 455,57 = 2.919,02 (sem adicionar valores extras*)

Pela tabela antiga, o valor é R$ 185,98 maior que pela tabela nova.

  • 500 x (0,69 x 9) = 3.105,00

Apesar disso, como pode ser calculado pelo aplicativo InfraBR, o caminhoneiro pode *acrescentar outros valores ao valor do frete, como custos de alimentação e pernoite, e ainda o lucro presumido. Você pode saber mais sobre o aplicativo CLICANDO AQUI.

Uma reunião deve ser feita entre o Ministério da Infraestrutura e representantes dos caminhoneiros nessa semana, para que o governo e caminhoneiros entrem em um consenso.

A nova tabela dos fretes deve ser suspensa a partir de amanhã.

COMENTAR

Artigos relacionados

5 comentários

Kleber N O Franca 22/07/2019 - 22:19

O meu frete para 7 eixos de S. Paulo Salvador pela tabela anterior seria acima de 13.000,00 por esta tabela sequer chega a 8.000,00 que está abaixo do que se praticava antes da greve de 2018. Se derem o que estão pedindo 35% mesmo assim ficará abaixo da tabela portanto caminhoneiros precisam aprender a fazer conta para não fazer merda como estão fazendo.
Obs. A pedida teria que ser feita em 50% para ter margem de negociação para 40%.

Luís Augusto Vieira 22/07/2019 - 20:30

Isso tem cheiro de greve.

André de Brito Lopes 22/07/2019 - 12:16

É uma corvardia querendo fazer com uma classe que leva o Brasil nas costas.

Gilberto Brasil 22/07/2019 - 12:03

Essa nova tabela e uma furada….pergunta pra eles que fizeram a tabela quanto custa o pedágio de um caminhão 6eixos de Santos a Uberaba ida e volta, 1485,00 para rodar 1000km. Faz duas viagem na semana e 8 no mês. Onde já se viu ter que par 12000,00 de pedágio no mês isso e um robô e desrespeito com os trabalhadores do brasil. Então não e só valor do frete que está ruim e sim os roubos dos pedágios também além do disso. Tem que rever tudo, não sei que cálculo fazem para por nessa tabela furada……

Kleber N O Franca 22/07/2019 - 21:57

Gilberto tem que restabelecer a tabela antiga que era mais justa, o que eles fizeram foi colocar na nova tabela o que o agronegócio as indústrias estavam dispostos a pagar e não tiveram nenhum compromisso com os caminhoneiros, tanto que os valores da tabela do bozo está abaixo dos valores praticados anterior a greve de 2018. na tabela antiga na verdade tinha uma discrepância para baixo do frete de carga frigorificada e perigosa com valores abaixo de cargas granel que mais considerando carga granel este valores que deram como exemplo para um 9 eixos o valor sería de R$ 4.350 500KM x eixos 8,76 e não pelos calculos deles 3,150 calculado sobre um frete com erro de tabela onde dizia que cargas perigosas e frigorificas seria de menor valor, não tem sentido estes equipamentos terem menor valor que de carga seca e graneleiros. A penas a defasagem estaria na carga perigosa e frigorifica bastaria reajustar para cima destas categorias e nada mais levaram quatro meses para fazerem essa lambança toda, que é o que este governo sabe fazer.

Comments are closed.