Superior Tribunal de Justiça autoriza obras de reconstrução da BR-319 no Amazonas

por Blog do Caminhoneiro

52 quilômetros da BR-319/AM, entre os quilômetros 198 e 250, poderão receber obras de reconstrução do pavimento. A obra foi autorizada pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, neste final de semana.

Essa é a única ligação terrestre entre o Amazonas e Rondônia, permitindo a ligação do estado com o restante do Brasil.

A contratação do projeto e da obra foram assegurados no final do ano passado, pelo Ministério da Infraestrutura, através do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Com a autorização da justiça, as obras devem começar ainda neste ano.

As obras serão feitas no traçado original da rodovia, mantendo a largura da plataforma, com duas pistas e dois acostamentos. Em alguns locais serão construídos recuos para parada com segurança dos veículos.

Segurança ambiental

De acordo com o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a obra deverá ser feita sendo uma referência em gestão ambiental.

“Vamos fazer da pavimentação da BR-319 um modelo de sustentabilidade e mostrar que é possível fazer pavimentação com sustentabilidade, com governança ambiental. O Amazonas é um dos estados mais preservados do Brasil e vai continuar sendo”, salientou o ministro.

A BR 319 também contará com 20 passagens de fauna aéreas e 12 subterrâneas com cercas direcionadas para garantir a preservação dos animais que cruzam a estrada.

Ainda serão recuperadas áreas degradadas nas adjacências do empreendimento, com mais de mil mudas nativas plantadas. Também foram previstos sistemas de drenagem para preservar a integridade da pista.

Além do lote C, o Ministério da Infraestrutura e do DNIT também atuam na obtenção do licenciamento ambiental para início das obras dos demais 405 quilômetros da rodovia, no Trecho do Meio da BR-319/AM.

Obra antiga

Na década de 1970, a rodovia chegou a ser completamente asfaltada, mas, atualmente, apenas dois trechos estão pavimentados: os primeiros 198 quilômetros e os 164 quilômetros finais.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

COMENTAR

Artigos relacionados

Deixe um comentário sobre o tema!