Conheça o assustador caminhão que levou a carreira de Steven Spielberg às estrelas

Um homem comum, dirigindo seu carro vermelho pelas estradas do deserto da Califórnia, nos Estados Unidos, começa a ser perseguido por um caminhão assustador. Uma história que parece simples, mas que levou o então desconhecido diretor Steven Spielberg à fama.

O diretor é conhecido por filmes como Tubarão, Contatos Imediatos do Terceiro Grau, Lista de Schindler, Jurassic Park e Indiana Jones, para citar alguns exemplos de filmes famosos, mas começou sua carreira com o filme Duel (Encurralado), produzido em 1971.

Filmado em apenas 13 dias, o filme mostra David Mann, interpretado pelo ator Dennis Weaver, em seu Plymouth Valiant, por 74 minutos. O caminhão perseguidor é um Peterbilt 281, fabricado em 1955, totalmente enferrujado.

Para a escolha do carro, a única exigência é que fosse vermelho, e lento. Por isso foi escolhido o Plymouth Valiant, com motor de 3.2 litros e 6 cilindros, com 100 cavalos de potência, que era o mais fraco disponível para o carro.

Para o caminhão, a escolha foi realizada pelo próprio Spielberg, que encontrou no modelo a forma que transmitia medo. Para o diretor, a frente longa e o vidro bi-partido davam personalidade ao caminhão. De frente, o diretor via um rosto no veículo, e era um rosto mal.

A linha Peterbilt 281 foi fabricada entre 1954 e 1976. O caminhão saia de fábrica em versão 4×2. Seu irmão, o 351, era fabricado em versão 6×2 ou 6×4. O caminhão recebeu o apelido Needlenose, ou Nariz Agulha, por causa do formato estreito do capô. Na dianteira ele ostentava uma para-choque fino e faróis redondos.

O design padrão do modelo é mantido até hoje pela Peterbilt, no modelo 389, que segue as mesmas características da cabine.

No filme, o rosto do motorista não aparece, sendo o caminhão a representação do vilão.

Para o filme, foram construídos dois caminhões, sendo um fabricado em 1955, na versão 6×2, com o segundo eixo instalado por terceiros, não sendo original de fábrica. No final do filme, o caminhão é destruído em uma grande explosão.

O outro veículo usado no filme é um Peterbilt 281 1960, fielmente reproduzido do modelo original, mas que não foi usado nas gravações.

Originalmente, o filme iria para a TV, com 74 minutos de duração, mas, como foi um sucesso, foi expandido para 90 minutos, para ir para os cinemas, e mais dois caminhões foram construídos, sendo modelos 351 caracterizados.

O primeiro 351, fabricado em 1964, era praticamente idêntico ao caminhão original, exceto pela entrada de ar. Ele foi usado para a gravação de algumas cenas adicionais, e depois também foi destruído em uma explosão.

O quarto caminhão, um 351 1961 modificado para parecer um 281, nunca apareceu no filme, ficando na reserva. Ele foi usado, em 1978, na série O Incrível Hulk, da CBS, em um episódio chamado de “Never Give a Trucker an Even Break”. Esse episódio da série apresentou um filme Duel modificado, o que desagradou Spielberg.

Como os caminhões não tinham capacidade de rodar a grandes velocidades, precisaram ser modificados pelos produtores para conseguirem chegar às 90 milhas por hora.

O motor era um Caterpillar 1674 nos dois primeiros caminhões, com potência de 300 cavalos, com câmbio manual de 13 marchas.

Os outros modelos tinham motores Cummins NTC-350, com câmbio automático de 5 marchas e redução tripla no diferencial.

Esse é o caminhão hoje em dia

Um dos caminhões usados nas filmagens sobreviveu até hoje. O caminhão é um 351 fabricado em 1961, engatado num implemento tanque fabricado em 1946.

Atualmente o caminhão pertence a Brad Wike, um colecionador de caminhões da Carolina do Norte, que tem o caminhão e o Plymouth Valiant em sua garagem. Além desse caminhão, o colecionador tem outros veículos que apareceram no cinema, como um dos caminhões e o Pontiac que aparecem no filme de 1977, Smokey and the Bandit (Agarre-me se Puderes).

O filme pode ser alugado no Youtube, por R$ 9,90, no link https://www.youtube.com/watch?v=chl_C7lyeE0.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

3 comentários

Marcelo 04/10/2021 - 15:57

O caminhão não explode no final. Os produtores pressionaram o Spielberg para mudar o final e incluir uma explosão. Spielberg conseguiu fazer valer sua visão artística e mostrar a “morte” do caminhão, lentamente, para obter o máximo de dramaticidade. Um toque genial e que mostra o absoluto controle do diretor desde sua estreia no cinema.

Reply
Ivan Carlos Gonçalves 26/05/2021 - 18:42

Nossa!!!
Assisti esse filme quando criança no vhs ou na tv não lembro agora.
Ivan
Navegantes-SC

Reply
ivana 25/05/2021 - 11:44

Recentemente assistir esse filme, ele é bem aterrorizante, muito bom, nem imaginava o destino desse caminhão, agora tive conhecimento dele.
Parabéns pela matéria, adorei.

Reply

Deixe um comentário!

Na década de 1980, caminhão elétrico já era realidade no Brasil Conheça os caminhões mais vendidos do Brasil em novembro Caterpillar apresenta caminhão gigante totalmente elétrico Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA