Motoristas militares serão usados pelo Reino Unido para suprir a falta de caminhoneiros

por Blog do Caminhoneiro

Motoristas de veículos pesados do Exército do Reino Unido serão usados para o transporte de cargas essenciais, principalmente itens alimentícios, como uma das formas de reduzir a escassez de mão-de-obra no setor. A informação foi adiantada pelo portal de notícias The Sun.

O governo deverá fazer uma solicitação formal às forças armadas nos próximos dias, solicitando 2 mil motoristas da Royal Logistics Corps e de outros regimentos, que irão trabalhar por cinco dias na distribuição de alimentos e outros suprimentos.

De acordo com o The Sun, uma fonte ouvida disse que o pessoal militar com carteira de motorista para veículos pesados está recebendo mensagens do governo, solicitando que compareçam em alojamentos em diversos hotéis, para dar início à operação, que deve ser chamada oficialmente de Operation Feed Nation.

A operação será realizada dentro da operação oficial de combate aos efeitos da pandemia, que já está em funcionamento há mais de um ano.

Informações de entidades que representam transportadores do Reino Unido dizem que existe uma falta de até 100 mil caminhoneiros na região, especialmente devido aos efeitos da pandemia e do Brexit.

No mês passado, o Governo estendeu temporariamente o horário de trabalho dos motoristas profissionais, de nove para dez horas, permitindo que eles façam viagens mais longas. Mas a medida, descrita pela Road Haulage Association (RHA) como um esparadrapo, não tem sido suficiente para resolver os problemas de distribuição.

A solicitação de uso de motoristas militares partiu de empresas ligadas ao setor de alimentação, como a Premier Foods, que já enfrenta a falta de itens na prateleiras de suas lojas.

Rod McKenzie, o diretor-gerente de políticas e relações públicas do RHA, disse que a falta de caminhoneiros é “uma ameaça muito séria para a cadeia de abastecimento”. Ele acrescentou: “Há uma escassez crítica de motoristas de caminhão e o governo está usando medidas de curto prazo para resolver isso”.

As forças armadas do Reino Unido tem cerca de 2 mil motoristas capacitados para a operação de veículos pesados, e mesmo se todos começarem a transportar cargas na região, o resultado ainda será pequeno.

“Outro problema é que os motoristas do Exército estão acostumados a dirigir caminhões do Exército e não veículos civis. Mais uma vez, o governo está usando uma solução de curto prazo. Não é uma boa ideia. Precisamos resolver o que fazer para conseguir outros 100.000 motoristas”, disse Rod McKenzie.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!