Pesquisa mostra que tecnologia pode ter aumentado o número de acidentes nos Estados Unidos

por Blog do Caminhoneiro

A partir de 2017, todos os caminhões novos fabricados nos Estados Unidos precisavam contar com um novo sistema, o ELD, ou Electronic Logging Devices (Dispositivos de registro eletrônico), o que deveria servir para criar um ambiente mais seguro nas rodovias dos Estados Unidos, com dados mais fáceis de rastrear e gerenciar, garantindo que os caminhoneiros cumprissem sua jornada de trabalho de forma correta.

Esse sistema deveria ser o responsável pela redução nas estatísticas de acidentes do país, já que os caminhoneiros precisam seguir à risca os horários de jornada de trabalho. Porém, no final das contas, a realidade pode ser bem diferente.

É o que mostra uma pesquisa realizada pela Supply Chain Management Research Center (Centro de Pesquisa em Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos), da Universidade de Arkansas, que descobriu que o ELD não serviu para reduzir os acidentes com caminhões, e o pior, pode ter aumentado o número de ocorrências.

“Surpreendentemente, o número de acidentes para as transportadoras mais afetadas – aquelas operadoras para as quais o ELD se destinava – não diminuiu. Na verdade, após a implementação dessa lei, os acidentes com veículos de pequenas transportadoras e proprietários-operadores independentes aumentaram, em relação às grandes transportadoras baseadas no tamanho da frota”, disse Andrew Balthrop, pesquisador associado do Sam M. Walton College of Business.

Para levantamento dos dados, a universidade usou informações da Federal Motor Carrier Safety Administration, um órgão do Departamento de Transportes dos Estados Unidos. O estudo constatou que a lei não impactou positivamente as grandes frotas quando se tratava de acidentes, uma vez que elas já estavam usando versões alternativas do ELD para controle dos motoristas. As frotas menores viram na verdade um aumento de 9% nos acidentes, enquanto os proprietários-operadores independentes viram um percentual ainda maior de acidentes, de 11,6%.

“Nossos resultados indicam que o mandato do dispositivo de registro eletrônico não atingiu imediatamente sua meta de redução de acidentes. Os motoristas reagiram de maneiras que a FMCSA não previu totalmente, e esses comportamentos devem ser levados em consideração conforme a FMCSA revisa suas políticas de horas de serviço dos caminhoneiros”, disse Balthrop.

Além disso, o estudo mostra que o número de infrações por direção insegura e excesso de velocidade registradas por caminhões aumentou bastante no período, o que pode ser a causa do aumento de acidentes.

Para ler o estudo completo (em inglês), acesse o link https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/joom.1110.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!