Powertrans T1250 é um gigante para o transporte nas minas da Austrália

por Blog do Caminhoneiro

O continente australiano é gigantesco. O país tem uma área bastante próxima à do Brasil, e conta com variados tipos de clima, como desertos, de onde são retiradas, todos os anos, milhões de toneladas de minérios diversos. Devido à topografia bastante plana nesses locais, o uso de rodotrens com várias carretas e centenas de toneladas de PBTC é bastante comum.

Esses rodotrens vencem longas distâncias por rodovias, em locais remotos, onde os trens não chegam. Como a carga transportada é grande, os transportadores do país investem em tecnologias para reduzir os custos operacionais nessas distâncias tão longas. Dessa necessidade, a empresa Powertrans fez nascer o T1250, um dos maiores caminhões próprios para o uso com rodotrens.

O T1250 é um caminhão construído especialmente para o uso no transporte de minérios, com a cabine montada centralizada sobre o chassi, garantindo uma visão ampla e sem pontos cegos ao redor da cabine ao “operador”, como é chamado pela fabricante.

Essa cabine é fornecida pela Caterpillar, e oferece ar-condicionado, assentos ergonômicos e bom espaço interno, apesar de ser estreita.

O veículo também tem escadas de acesso que podem ser montadas e desmontadas com facilidade, sistema de supressão de incêndios e um pacote de iluminação de alta potência, facilitando a rodagem durante a noite. Dentro da cabine, também é instalado um assento extra, caso o motorista precise de um assistente nas viagens.

O caminhão mede 10,15 metros de comprimento, por 3,89 m de largura e 3,82 de altura, com quase 50 cm de altura do solo, e entre-eixos de 6.853 mm.

O motor é um Cummins QSK-19, com potência de 650 ou 760 cavalos, e torque de 3.100 Nm em ambas as versões de potência, que normalmente é usado em trens e embarcações. Como as cargas transportadas podem superar as duzentas toneladas, o caminhão é indicado para engate em um Powertrans Pit Hauler, um implemento motorizado, controlado pelo motorista, que ajuda a impulsionar o veículo, como acontece com locomotivas que tem duas ou mais unidades de força.

A transmissão é fornecida pela Allison, sendo uma M6620 automática, de seis velocidades, com retardador hidráulico automático. Os eixos de tração são produzidos pela própria Powertrans, do modelo PDT50, com 50 toneladas de capacidade cada um. O eixo de direção é um Hendrickson Megatek, de 12,5 toneladas.

Os radiadores do motor, de óleo e resfriadores de combustível são instalados atrás da cabine, com um sistema de ventilação forçada que funciona com óleo hidráulico. As rodas são 25×10, com pneus 385/95 R25 ou 14.00 R25.

Para garantir autonomia em locais longe de qualquer posto de combustível, os tanques podem receber até 1.700 litros de diesel.

Geralmente, esses caminhões são vistos acoplados em composições com seis carretas, totalizando 118 rodas e pneus. Normalmente, a segunda carreta conta com o sistema de tração auxiliar Pit Hauler.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

Deixe um comentário!