HISTÓRIA DA ESTRADA – BRIGA DE ESTRADEIROS

por Roberto Dias Alvares

Três carreteiros aguardavam nos portões.
Esperavam frete para fazer transporte.
Dois deles tinham novíssimos caminhões.
O outro um estradeiro antigo, mas forte.

Um motorista de Scania e outro de Volvo.
O terceiro dirigia um caminhão de respeito.
Para novatos aquilo era um estorvo.
Mercedes dezenove vinte e quatro cabine leito.

Cavalo mecânico muito bem cuidado.
O motorista era o Ribamar Torquato.
De acessórios, extremamente equipado.
Baita caminhão dezenove vinte e quatro.

Os três caminhões saíram carregados.
Vinte mil quilos, puxavam no ato.
Cavalos novos partiram alucinados.
Dirigia com calma o Ribamar Torquato.

Os dois motoristas aceleravam demais.
Estavam em uma disputa, era fato.
O Mercedes Benz ficou bem para trás.
Não se desesperou o motorista Torquato.

Caminhões que exigiam fino trato.
Mas conduzidos de forma irresponsável.
Já o Mercedes Benz dezenove vinte e quatro.
Andava com desenvoltura notável.

O Ribamar, para dirigir tinha as manhas.
De seu caminhão sabia os limites.
Prudência e calma eram suas façanhas.
Para ficar acordado nunca usou rebites.

Enquanto os dois motoristas lá na frente.
Se pegavam em desabalada perseguição.
Ribamar Torquato dirigia calmamente.
Rodava macio seu antigo caminhão.

Que iria dar acidente estava escrito.
Carreteiros jovens e sem nenhum juízo.
Quebrada de asa, achavam bonito.
Carretas pareciam cobras chacoalhando o guizo.

Ultrapassavam-se um ao outro.
Quem estava a frente dificultava.
A carreta de trás parecia selvagem potro.
Em faixa contínua se arrojava.

Homens agindo como crianças.
Irresponsáveis, isso era um fato.
Com seus grandes brinquedos fazendo lambanças.
Ribamar era motorista correto e sensato.

Os jovens motoristas e seus caminhões potentes.
Achavam-se lobos e Ribamar era um cordeiro.
Usavam da velocidade para mostrarem ser valentes.
Não é a imprudência que faz um carreteiro.

Ribamar e seu Mercedes dezenove vinte e quatro.
Chegou onde ocorrera acidente muito grave.
As duas carretas se encostaram, violento contato.
Jovens chamavam seus caminhões de nave.

As duas carretas completamente destruídas.
Milhões jogados para o espaço.
Duas vidas felizmente não foram perdidas.
Um dos carreteiros rompeu o baço.

As ambulâncias dos socorristas.
Já se preparavam para levar os imprudentes.
Entraria em uma das inúmeras estatísticas.
Com caminhão, mais um dos graves acidentes.

Ribamar Torquato prestou assistência.
Ligou para a empresa e comunicou o fato.
Carreteiros abusaram da potência.
Pensaram estar a bordo de aviões a jato.

Ao volante, não há quem melhor comande.
Chegou inteiro o motorista Ribamar Torquato.
Diverte-se dirigindo seu brinquedo grande.
O Mercedes Benz dezenove vinte e quatro.

Foram imprudentes os dois carreteiros.
Motoristas fizeram papel de bobo.
Na perseguição eles foram cordeiros.
Ribamar Torquato foi um astuto lobo.

Autor: Roberto Dias Alvares

Siga o Blog do Caminhoneiro nas redes sociais

1 comentário

Roberto Alvares 30/05/2022 - 11:55

Espero que apreciem essa história que valoriza o motorista que dirige corretamente sem usar seu caminhão para por em perigo a própria vida ou a dos outros

Reply

Deixe um comentário!

Velho caminhão americano é transformado em carro de passeio muito estiloso Você sabia que o 1° FNM produzido no Brasil era bicudo Conheça os coloridos caminhões do Paquistão Chevrolet C68 é transformado em monstro rat rod Unimog garante operação tranquila em em estradas de geleira na Áustria