Caminhões Volkswagen atingem marca de 30 milhões de quilômetros em testes

Em um programa com mais de 300 tipos diferentes de testes, a avaliação em estradas e ruas é uma das mais importantes. E a Volkswagen atingiu uma marca importante desde o início da operação da unidades de pesquisa, instalada em Resende-RJ: são mais de 30 milhões de quilômetros percorridos em 25 anos.

Além do teste de rodagem, os veículos são expostos a altitude, clima, interferências eletromagnéticas, resistência à água ou colisões, exposição ao tempo, tipos de terreno, análises estruturais em bancada, entre muitos outros.

O arsenal é muito vasto e a decisão sobre quais simulações desempenhar varia com cada novo projeto. Uma das novidades da VW para fazer frente às novas tendências da indústria é uma central específica para testes de software, com o aumento crescente da tecnologia embarcada nos caminhões e ônibus VW.

“Temos um centro de excelência na nossa fábrica em Resende, de onde desenvolvemos, testamos e produzimos cada modelo nosso que vai chegar a um dos mais de 30 países em que estamos presentes. Contamos com uma equipe de especialistas com mais de 500 profissionais envolvidos nessa dinâmica para oferecer a melhor solução em custo-benefício ao nosso cliente”, reforça Rodrigo Chaves, vice-presidente de Engenharia e CTO da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Inteligência de dados

A montadora também tem intensificado seus investimentos em campanhas de aquisição de dados durante as rodagens com os protótipo.

Assim retroalimenta o sistema de desenvolvimento e torna mais eficientes os modelos matemáticos que embasam a criação de novos veículos e suas simulações virtuais.

Em um lançamento recente, por exemplo, instalou mais de 300 pontos de monitoramento em protótipos com essa finalidade.

Sensores e instrumentos especiais são instalados em todo o veículo, submetido às mais adversas condições de rodagem, seja em operação real, pistas especiais, estradas ou no campo de provas da VWCO, em Resende.

Situações extremas

A Volkswagen Caminhões e Ônibus expõe seus veículos a condições extremamente severas para validar cada característica e componente. De altitudes de 5.200 metros – sem nada equivalente no Brasil – a temperaturas de -18°C ou até +50°C, nada fica de fora.

Os veículos rodam até mesmo em neve para avaliar o comportamento em terrenos de baixo atrito ou são submetidos à imersão em água para simular tráfego em áreas de alagamento.

No crash test, se comprova a segurança. No cab shake, a cabine é submetida a movimentos abruptos em teste de laboratório. É feita simulação de amassamento do habitáculo e até mesmo de basculamento. O veículo passa por ensaios de envelhecimento térmico em câmara climática, que promove altas e baixas abruptas de temperatura e umidade.

Tudo para aferir o padrão de qualidade, segurança, conforto e economia dos caminhões e ônibus Volkswagen.

Rafael Brusque - Blog do Caminhoneiro

Nascido e criado na margem de uma importante rodovia paranaense, apaixonado por caminhões e por tudo movido a diesel.

Deixe um comentário!

Caminhões comemorativos viram febre entre transportadoras Centenas de vagas de emprego para caminhoneiros Conheça o super caminhão futurista da Peterbilt 300 vagas para caminhoneiros brasileiros em Portugal CAMINHONEIRO SEGUE TRABALHANDO AOS 90 ANOS DE IDADE