Veja dicas importantes de manutenção da quinta-roda

Toda carreta tem um equipamento muito importante, que serve de ligação entre o cavalo mecânico e o semirreboque, mas, muitas vezes, acaba negligenciado por não aparecer. É a quinta-roda, e junto com o pino-rei fazem um trabalho muito importante para garantir a articulação do conjunto e também a segurança.

A peça é fixada ao chassi logo acima dos eixos traseiros, para conectar o implemento ao cavalo mecânico. Também pode estar na parte traseira do primeiro semirreboque, quando a combinação é do tipo bitrem, ou fixada sobre o dolly, quando a combinação é do tipo rodotrem.

O espaço para o engate do pino rei permite uma rotação parcial para que a carreta, mesmo acoplada, consiga acompanhar curvas e manobras. Em boas condições, a Quinta Roda garante o engate seguro entre as partes do veículo, evitando acidentes.

Para que a Quinta Roda funcione corretamente e tenha uma boa durabilidade, o operador deve ficar atento a certos cuidados:

Lubrificação

Como o semirreboque desliza sobre a Quinta Roda, é necessário lubrificar as regiões de contato, sendo estas a face superior (que fica em contato com a mesa do implemento) e a região de interface com o Pino Rei, reduzindo assim o atrito. E atenção para a limpeza: antes de depositar a graxa, deve-se retirar a graxa antiga. Sujeira, pedras e outras impurezas presentes na graxa antiga podem danificar a peça.

Graxa específica

A lubrificação deve ser feita com a graxa tipo EP2, que é uma especificação com aditivo para extrema pressão. O produto pode ser encontrado em locais de venda de peças.

Regulagem

Com o passar do tempo, o sistema que fixa o Pino Rei tem um desgaste natural, criando uma ‘folga’ que precisa ser corrigida. Essa correção é feita por meio da regulagem da Quinta Roda.

Quando e como ajustar

O procedimento deve ser feito a cada 10 mil quilômetros ou 30 dias. Com a Quinta Roda aberta e pronta para o acoplamento, deve-se soltar o parafuso de ajuste, acoplar o semirreboque e apertar novamente o parafuso de ajuste até apresentar resistência (ou seja, quando tocar na barra de travamento). Depois, apertar por mais uma volta e um quarto (¼) e travar com a contraporca que pertence a esse parafuso.

Com essas práticas, é possível aumentar a vida útil dos componentes. Para garantir a segurança completa, atenção para os limites máximos de degaste permitidos e aos torques dos parafusos de fixação.

Deixe um comentário!

Ford AA Konings Siam – O curioso caminhão duplo da década de 1930 Conheça a rodovia mais longa do Brasil Velho caminhão americano é transformado em carro de passeio muito estiloso Você sabia que o 1° FNM produzido no Brasil era bicudo Conheça os coloridos caminhões do Paquistão